What Drives People to Try to Get Into the Guinness Book? (O que leva as pessoas a tentar entrar no Guinness Book?)

Texto: What Drives People to Try to Get Into the Guinness Book? (O que leva as pessoas a tentar entrar no Guinness Book?)

We hear from a man who got into the famous record book twice — and wrote his own book about how he did it. And we hear from another man who holds the record for holding the most records.

The Guinness Book of Records was first published in August of nineteen fifty-five in Britain. The idea came from Sir Hugh Beaver, then managing director of Guinness Brewery. He could not find the answer to what seemed like a simple question: What was Europe’s fastest game bird? He thought other people might like a book that could answer such questions and settle arguments.

Today the name is just Guinness World Records. The main offices are in London but the book is now owned by a big Canadian company. The Jim Pattison Group also owns the Ripley’s Believe It or Not museums.

The Guinness book is one of the most widely read books ever published. More than one hundred million copies have been sold in almost forty languages. A new edition is published every year.

There are records in areas like most tattoos, most piercings, most married, longest hair, fastest talker and biggest hands. Some records appear in almost every edition of the book, like the tallest and shortest people and the oldest man and woman in the world. But as much as eighty percent of the content is new each year.

Why do people try to get into the Guinness book? That might seem like asking why Olympic athletes keep trying to run faster, throw farther and jump higher.

Guinness says a world record is not simply a fact but a way to measure ourselves. Knowing “the biggest, the smallest, the fastest, the most and the least,” it says, helps us understand our position in the world and how we fit in.

Larry Olmsted once held two Guinness records. He set one by playing poker for seventy-two hours, which was a record for that card game. He set the other for “Greatest Distance Between Two Rounds of Golf on the Same Day.” He played golf in Australia and California — a distance of more than twelve thousand kilometers.

Both records have since been broken, and Larry Olmsted says he has no plans to try to recapture them. Instead, he has written a book called “Getting Into Guinness: One Man’s Longest, Fastest, Highest Journey Inside the World’s Most Famous Record Book.”

He tells us that in writing the book he discovered the simple reason why many people want to set a world record.

LARRY OLMSTED: “Everyone wants to be famous. And, in a sense, while I don’t think you really become famous, from the record-setter’s perception it’s a way to be immortalized.”

That desire to live forever in a record book may not seem very surprising. But Larry Olmsted says he was surprised to learn that very few records are published in the annual edition of the book.

LARRY OLMSTED: “They don’t put most of the records in the book, and that really turns out to be the biggest surprise of all for people who actually set the records. Because almost everybody sets the record with the expectation that they’ll see their name in the book, and the majority don’t, and they are very, very disappointed.”

There are thirty thousand Guinness record categories, including some that are no longer active. The company publishes about four thousand records a year in the book and posts just three thousand records online.

Larry Olmsted says everyone who hears he has set world records wants to know how they can set a record. The easiest way to get into the Guinness book, he says, is to be a top athlete who is the best in the world at a sport. Good luck.

For those interested, the Guinness World Records website has a section called Set a Record. It says a record should be “provable, quantifiable and breakable.”

Guinness says it hears from tens of thousands of people each year who want to set a record. Guinness officials may take more than a month to decide if they will accept a record-breaking attempt. They reject about eighty percent of the applications.

If they accept a proposal, they send detailed instructions about how to confirm that a record has been set. In some cases, someone from Guinness may come to the record-setting attempt. If not, there should be at least two witnesses who are not friends along with a written record of the activity.

The attempt should be made in a public place. Photographs and media reports will help prove to Guinness that a record was set.

There is a long list of records that Guinness will not accept. For instance, they do not recognize perfect school attendance. Nor do they recognize any activity that could harm people or animals.

Over the years, the Guinness book has had a number of competitors. Larry Olmsted, author of “Getting Into Guinness,” found that most have not survived.

But around the world, he says, there is a subculture of people who spend a great deal of time trying to set or break records. He believes that, at any given time, each record has a few hundred people either thinking about or actively trying to break it.

We asked him what record he would most like to hold.

LARRY OLMSTED: “Uh, richest man in the world [laughs].”

The first chapter of his book is about Ashrita Furman. Mr. Furman has been setting records since nineteen seventy-nine. That was when he did twenty-seven thousand jumping jack exercises.

Ashrita Furman is fifty-six years old and a vegetarian who manages a health-food store. He lives near New York City in a small apartment with few possessions.

He has set records on all seven continents. In fact, he holds the record for holding the most Guinness records. He says he sets records so he can deepen his relationship with God.

ASHRITA FURMAN: “This is my way of, you know, trying to transcend my limitations by going deep within, trying to get closer to God through meditation and through prayer and through service. So this is my own, you might say, unusual quest, my own unusual path to get closer to God. The records themselves at this point, really, you know, in and of themselves don’t mean anything. At this point it’s really just for the challenge of it — for my own, you might say, personal fulfillment.”

Ashrita Furman travels around the world setting records. His records include bouncing a ball the fastest for one mile, or 1.6 kilometers, on the Great Wall of China. He has also completed the fastest mile bouncing up and down on a pogo stick in Antarctica.

Mr. Furman has walked eighty miles, or one hundred twenty-nine kilometers, with a bottle balanced on his head. And in nineteen eighty-one he clapped his hands for fifty hours.

In all, he has set or broken more than three hundred forty records. Some of these have been broken by others. But he still holds more than one hundred twenty records and sets many new ones every year.

ASHRITA FURMAN: “The last few years it’s been around fifty or so. Those fifty, many of them are physically challenging and do take sometimes up to, you know, three or four months of training. And some of them are really very simple and involve peeling and eating a lemon in the fastest time or something like that.”

Ashrita Furman says he is happy if other people break his records. In fact, he offers advice on his website. He says whatever record you choose to try to break, make sure it is something you love doing and something that gives you joy.

And he offers this advice once you have chosen the record you want to set: Train hard. Plan ahead. Be patient — don’t give up. Expect the unexpected. And learn concentration.

He says meditating has helped him set his records.

ASHRITA FURMAN: “You know, when you’re really having a good meditation you feel that you are separate from your body, that whatever is happening to that body is not happening to me — I’m the soul and I transcend that body. To me it’s the most fulfilling thing that I can do. It keeps me in really good shape. It brings me [a] tremendous amount of fulfillment, of closeness to God. And I‘ve had spiritual experiences in the middle of a record. So, I never want to stop.”

I’m Barbara Klein with Christopher Cruise, who wrote this week’s program.

What Drives People to Try to Get Into the Guinness Book? (O que leva as pessoas a tentar entrar no Guinness Book?) – Tradução

Tradução (Fornecida pelo Google)

Ouvimos de um homem que entrou no famoso livro de registros duas vezes – e escreveu seu próprio livro sobre como ele fez isso. E ouvimos de outro homem que detém o recorde de maior número de registros.

O Guinness Book of Records foi publicado pela primeira vez em agosto de mil novecentos e cinquenta e cinco na Grã-Bretanha. A idéia veio de Sir Hugh Beaver, então diretor da Guinness Brewery. Ele não conseguiu encontrar a resposta para o que parecia ser uma pergunta simples: qual era o pássaro de caça mais rápido da Europa? Ele achava que outras pessoas poderiam gostar de um livro que pudesse responder a essas perguntas e resolver argumentos.

Hoje o nome é apenas o Guinness World Records. Os escritórios principais estão em Londres, mas o livro agora pertence a uma grande empresa canadense. O Jim Pattison Group também é dono dos museus Ripley’s Believe It or Not.

O livro do Guinness é um dos livros mais lidos já publicados. Mais de cem milhões de cópias foram vendidas em quase quarenta idiomas. Uma nova edição é publicada todos os anos.

Existem registros em áreas como a maioria das tatuagens, a maioria dos piercings, os mais casados, os cabelos mais compridos, o falador mais rápido e as maiores mãos. Alguns registros aparecem em quase todas as edições do livro, como as pessoas mais altas e mais baixas e o homem e a mulher mais velhos do mundo. Mas oitenta por cento do conteúdo é novo a cada ano.

Por que as pessoas tentam entrar no livro do Guinness? Isso pode parecer perguntar por que os atletas olímpicos continuam tentando correr mais rápido, dar mais longe e pular mais alto.

Guinness diz que um recorde mundial não é simplesmente um fato, mas uma maneira de medir a nós mesmos. Saber “o maior, o menor, o mais rápido, o maior e o menor”, diz, nos ajuda a entender nossa posição no mundo e como nos encaixamos.

Larry Olmsted já teve dois recordes no Guinness. Ele estabeleceu um jogando poker por setenta e duas horas, o que foi um recorde para esse jogo de cartas. Ele definiu o outro como “Maior distância entre duas rodadas de golfe no mesmo dia”. Ele jogou golfe na Austrália e na Califórnia – a uma distância de mais de doze mil quilômetros.

Os dois recordes foram quebrados e Larry Olmsted diz que não tem planos de tentar recuperá-los. Em vez disso, ele escreveu um livro chamado “Getting Into Guinness: a jornada mais longa, mais rápida e mais alta de um homem dentro do livro de registro mais famoso do mundo”.

Ele nos diz que, ao escrever o livro, descobriu a simples razão pela qual muitas pessoas querem estabelecer um recorde mundial.

LARRY OLMSTED: “Todo mundo quer ser famoso. E, em certo sentido, enquanto eu não acho que você realmente se torne famoso, pela percepção do recordista, é uma maneira de ser imortalizado”.

Esse desejo de viver para sempre em um livro de registro pode não parecer muito surpreendente. Mas Larry Olmsted diz que ficou surpreso ao saber que muito poucos registros são publicados na edição anual do livro.

LARRY OLMSTED: “Eles não colocam a maioria dos registros no livro, e isso realmente é a maior surpresa de todas as pessoas que realmente os registram. Porque quase todo mundo registra o recorde com a expectativa de que veja o nome deles no livro, e a maioria não, e eles estão muito, muito decepcionados “.

Existem trinta mil categorias de registros do Guinness, incluindo algumas que não estão mais ativas. A empresa publica cerca de quatro mil registros por ano no livro e publica apenas três mil registros on-line.

Larry Olmsted diz que todo mundo que ouve que ele estabeleceu recordes mundiais quer saber como eles podem estabelecer um recorde. A maneira mais fácil de entrar no livro do Guinness, ele diz, é ser um atleta de ponta que é o melhor do mundo em um esporte. Boa sorte.

Para os interessados, o site do Guinness World Records possui uma seção chamada Record a Record. Ele diz que um registro deve ser “comprovável, quantificável e quebrável”.

O Guinness diz que ouve dezenas de milhares de pessoas a cada ano que desejam estabelecer um recorde. As autoridades do Guinness podem levar mais de um mês para decidir se aceitarão uma tentativa de recorde. Eles rejeitam cerca de oitenta por cento dos pedidos.

Se eles aceitarem uma proposta, eles enviarão instruções detalhadas sobre como confirmar se um registro foi definido. Em alguns casos, alguém do Guinness pode entrar na tentativa de estabelecer um recorde. Caso contrário, deve haver pelo menos duas testemunhas que não sejam amigas, juntamente com um registro escrito da atividade.

A tentativa deve ser feita em um local público. Fotografias e relatos da mídia ajudarão a provar ao Guinness que um recorde foi estabelecido.

Há uma longa lista de registros que o Guinness não aceitará. Por exemplo, eles não reconhecem a frequência escolar perfeita. Eles também não reconhecem nenhuma atividade que possa prejudicar pessoas ou animais.

Ao longo dos anos, o livro do Guinness teve vários concorrentes. Larry Olmsted, autor de “Getting Into Guinness”, descobriu que a maioria não sobreviveu.

Mas em todo o mundo, diz ele, há uma subcultura de pessoas que passam muito tempo tentando estabelecer ou quebrar recordes. Ele acredita que, a qualquer momento, cada registro tem algumas centenas de pessoas pensando ou tentando ativamente quebrá-lo.

Perguntamos a ele que disco ele mais gostaria de manter.

LARRY OLMSTED: “Uh, homem mais rico do mundo [risos]”.

O primeiro capítulo de seu livro é sobre Ashrita Furman. Furman vem estabelecendo recordes desde mil novecentos e setenta e nove. Foi quando ele fez 27 mil exercícios de polichinelo.

Ashrita Furman tem 56 anos e é vegetariana e administra uma loja de alimentos naturais. Ele mora perto da cidade de Nova York em um pequeno apartamento com poucos bens.

Ele estabeleceu recordes nos sete continentes. De fato, ele detém o recorde de maior número de recordes do Guinness. Ele diz que estabelece recordes para que possa aprofundar seu relacionamento com Deus.

ASHRITA FURMAN: “Essa é a minha maneira de, você sabe, tentar transcender minhas limitações, aprofundando-me, tentando me aproximar de Deus através da meditação, da oração e do serviço. Portanto, essa é a minha, você pode dizer, uma busca incomum , meu próprio caminho incomum para se aproximar de Deus. Os registros, nesse ponto, realmente, por si só, não significam nada. Neste ponto, é realmente apenas para o desafio – para o meu próprio, você pode dizer, realização pessoal “.

Ashrita Furman viaja ao redor do mundo estabelecendo recordes. Seus registros incluem quicar uma bola o mais rápido por uma milha, ou 1,6 quilômetros, na Grande Muralha da China. Ele também completou a milha mais rápida saltando para cima e para baixo em um pula-pula na Antártica.

O Sr. Furman já andou oitenta milhas, ou cento e vinte e nove quilômetros, com uma garrafa equilibrada na cabeça. E em mil novecentos e oitenta e um ele bateu palmas por cinquenta horas.

Ao todo, ele estabeleceu ou quebrou mais de trezentos e quarenta recordes. Alguns destes foram quebrados por outros. Mas ele ainda detém mais de cento e vinte registros e estabelece muitos novos a cada ano.

ASHRITA FURMAN: “Nos últimos anos, foram cerca de cinquenta anos. Esses cinquenta, muitos deles são fisicamente desafiadores e levam às vezes até, você sabe, três ou quatro meses de treinamento. E alguns deles são realmente muito simples e envolver descascar e comer um limão no tempo mais rápido ou algo assim. “

Ashrita Furman diz que está feliz se outras pessoas quebrarem seus recordes. De fato, ele oferece conselhos em seu site. Ele diz que qualquer disco que você escolher para tentar quebrar, verifique se é algo que você gosta de fazer e algo que lhe dá alegria.

E ele oferece este conselho depois de escolher o recorde que deseja estabelecer: Treine duro. Planejar com antecedência. Seja paciente – não desista. Espere o inesperado. E aprenda concentração.

Ele diz que meditar o ajudou a estabelecer seus recordes.

ASHRITA FURMAN: “Sabe, quando você está realmente tendo uma boa meditação, sente que está separado do seu corpo, que tudo o que está acontecendo com esse corpo não está acontecendo comigo – eu sou a alma e transcendo esse corpo Para mim, é a coisa mais gratificante que posso fazer. Mantém-me em boa forma. Isso me traz uma quantidade enorme de satisfação, de proximidade com Deus. E tive experiências espirituais no meio de um registro. Então, eu nunca quero parar “.

Sou Barbara Klein, com Christopher Cruise, que escreveu o programa desta semana.