The Complex Story of Abraham Lincoln and How He Saved the Union (A complexa história de Abraham Lincoln e como ele salvou a União)

Texto: The Complex Story of Abraham Lincoln and How He Saved the Union (A complexa história de Abraham Lincoln e como ele salvou a União)

Abraham Lincoln is the only president in American history to lead a nation divided by civil war.

At the heart of the issues that divided the South from the North was slavery. Southern states withdrew from the Union because they saw a threat to their way of life. Their agricultural economy depended on the labor of slaves originally brought from Africa. The states thought the federal government would free the slaves.

South Carolina was the first to leave. It did so shortly after Lincoln’s election in November of eighteen sixty. Six other states followed by the time he took office in March of eighteen sixty-one. In his inaugural speech, Lincoln begged southern states not to leave the Union.

READER:

We are not enemies, but friends. We must not be enemies. Though passion may have strained, it must not break our bonds of affection.

Abraham Lincoln did not receive a majority of the popular vote in the eighteen sixty election. But he won enough electoral votes to become president.

Lincoln fought to keep the Union together. He led a civil war in which more than six hundred thousand Americans were killed. And, in leading that war, he took the first steps that would destroy the institution of slavery.

(MUSIC: “Battle Hymn of the Republic”)

Most whites did not consider blacks — or negroes, as they called them — to be their equal. Lincoln was no different. But he believed that slavery was wrong.

Yet he thought that slavery would die out naturally over time — and that outsiders should not force southerners to end slavery. He explained his position many times in speeches, debates and letters, including this one written in eighteen fifty-eight:

READER:

I have made it equally plain that I think the negro is included in the word “men” used in the Declaration of Independence.

I believe the declaration that “all men are created equal” is the great fundamental principle upon which our free institutions rest; that negro slavery is violative of that principle; but that, by our frame of government, that principle has not been made one of legal obligation; that by our frame of government, the states which have slavery are to retain it, or surrender it at their own pleasure; and that all others — individuals, free states and national government — are constitutionally bound to leave them alone about it.

But Lincoln changed his mind. Some historians think the death of his eleven-year-old son Willie had an influence. The president and his wife, Mary Todd Lincoln, had four children, all sons. Three got sick and died. Only one lived past the age of eighteen.

Tom Schwartz is the Illinois state historian and an expert on Abraham Lincoln. He says the president began to think seriously about the meaning of life after Willie died in eighteen sixty-two. Lincoln never joined a church, but he believed in a supreme being who created every person with a purpose in life.

After his son’s death, Lincoln decided that one of his purposes was to be an emancipator — to begin the process of freeing the slaves. A few months later, he wrote the Emancipation Proclamation.

Many people think the Emancipation Proclamation freed the slaves. It did not. It only declared slaves in the Confederacy to be free. In other words, only slaves in the southern states that did not recognize Lincoln as president.

Lincoln read the first draft of the document to his cabinet in July of eighteen sixty-two, five months after Willie’s death.

A new stage play has been written about those five months in Lincoln’s life. “The Heavens Are Hung In Black” by James Still is the first play being presented in the newly redecorated Ford’s Theatre in Washington, D.C. That is the same theater where President Lincoln was shot in eighteen sixty-five.

Historians say that by writing the Emancipation Proclamation, Lincoln established a moral purpose for the war. No longer was the purpose simply to bring the southern states back into the Union. Now his declaration made freeing the slaves a long-term goal of the conflict.

It put the Confederate states in the position of fighting for slavery — even though most of the soldiers were too poor to own slaves. And it increased the military strength of the Union by making it possible for free blacks to serve in the northern army.

Political opponents and the press criticized actions taken by President Lincoln.

The First Amendment to the Constitution guarantees free speech and a free press. Yet Lincoln briefly closed some newspapers.

Another action that he took was to suspend the right of habeas corpus. Habeas corpus is a legal term for the right to have a judge decide if a person is being detained lawfully. The request is made to the court in a written document called a writ.

The Constitution, in setting limits on Congress, says in Article One: “The privilege of the Writ of Habeas Corpus shall not be suspended, unless when in Cases of Rebellion or Invasion the public Safety may require it.”

Suspending habeas corpus means that a prisoner can be held without trial for as long as the government wants.

Abraham Lincoln or his cabinet officers suspended that right several times. They believed they were acting within the Constitution.

President Lincoln knew that he would be criticized for issuing such orders without waiting for congressional approval. Yet he himself was not sure what powers he had in many situations. American history could offer no guide. After all, the country had never before had a civil war.

Lincoln made his orders temporary. And he made sure the country held its next presidential election as planned in eighteen sixty-four, when he was re-elected.

Abraham Lincoln was born into a poor family in Kentucky. He grew up in Indiana and later moved to Illinois. He loved to learn. He was a self-taught lawyer who served for eight years as an Illinois state representative.

But he also suffered from depression all his life. Doctors at that time called it melancholia. He wrote letters about killing himself and saying that he was the “most miserable man alive.”

Lincoln was a tall man with a long face, long arms and large hands. Political opponents called him names like “gorilla.” Many said he was unqualified to be president because of his limited experience in national government. Lincoln had served only two years in Congress before his election to the White House.

Yet Abraham Lincoln is often called America’s greatest president. He is remembered as the man who saved the Union and re-invented it at the same time.

By including blacks, Lincoln expanded “the borders of freedom,” says historian Tom Schwartz. Lincoln himself said his purpose was to provide “an open field and a fair chance in life.” He succeeded in beginning that process, though black Americans did not gain full civil rights until the nineteen sixties.

Abraham Lincoln was the first presidential candidate of the modern Republican Party. He included political opponents in his cabinet, which is unusual. Doris Kearns Goodwin wrote about this in her two thousand five book “Team of Rivals: The Political Genius of Abraham Lincoln.”

But some historians suggest that the inclusion of opponents may not have been as smart an idea as Lincoln had hoped. In fact, they say that in some cases it may have created more problems than it solved.

But Lincoln was the leading force behind the Thirteenth Amendment which officially ended slavery in the United States. It became law in December of eighteen sixty-five.

By then, Lincoln was dead. On April fourteenth, eighty sixty-five, Southern sympathizer and actor John Wilkes Booth shot Lincoln in Ford’s Theatre. It happened five days after the South surrendered and the Civil War ended.

Not surprisingly, America’s sixteenth president is a hero of another former Illinois lawmaker. Barack Obama has spoken repeatedly of Lincoln’s influence in making it possible for the country to have its first African-American president.

President Obama will return to Illinois to celebrate Abraham Lincoln’s two hundredth birthday at a big dinner in Springfield this Thursday.

Our program was written by Nancy Steinbach and produced by Mario Ritter. I’m Steve Ember. And I’m Barbara Klein.

The Complex Story of Abraham Lincoln and How He Saved the Union (A complexa história de Abraham Lincoln e como ele salvou a União) – Tradução

Tradução (Fornecida pelo Google)

Abraham Lincoln é o único presidente da história americana a liderar uma nação dividida pela guerra civil.

No centro das questões que dividiam o sul do norte estava a escravidão. Os estados do sul se retiraram da União porque viam uma ameaça ao seu modo de vida. Sua economia agrícola dependia do trabalho de escravos originalmente trazidos da África. Os estados pensaram que o governo federal libertaria os escravos.

A Carolina do Sul foi a primeira a sair. Foi o que aconteceu logo após a eleição de Lincoln, em novembro de dezoito e sessenta. Seis outros estados seguiram quando ele assumiu o cargo em março de dezoito e sessenta e um. Em seu discurso inaugural, Lincoln implorou aos estados do sul que não deixassem a União.

LEITOR:

Nós não somos inimigos, mas sim amigos. Nós não devemos ser inimigos. Embora a paixão possa ter se desgastado, ela não deve romper nossos laços de afeto.

Abraham Lincoln não recebeu a maioria do voto popular nas dezoito sessenta eleições. Mas ele ganhou votos eleitorais suficientes para se tornar presidente.

Lincoln lutou para manter a União unida. Ele liderou uma guerra civil na qual mais de seiscentos mil americanos foram mortos. E, ao liderar a guerra, ele deu os primeiros passos que destruiriam a instituição da escravidão.

(MÚSICA: “Hino de Batalha da República”)

A maioria dos brancos não considerava os negros – ou negros, como os chamavam – iguais. Lincoln não era diferente. Mas ele acreditava que a escravidão estava errada.

No entanto, ele pensava que a escravidão morreria naturalmente ao longo do tempo – e que pessoas de fora não deveriam forçar os sulistas a acabar com a escravidão. Ele explicou sua posição várias vezes em discursos, debates e cartas, incluindo esta escrita em dezoito e cinquenta e oito:

LEITOR:

Eu deixei igualmente claro que acho que o negro está incluído na palavra “homens” usada na Declaração de Independência.

Acredito que a declaração de que “todos os homens são criados iguais” é o grande princípio fundamental sobre o qual repousam nossas instituições livres; que a escravidão negra viola esse princípio; mas que, por nossa estrutura de governo, esse princípio não se tornou uma obrigação legal; que pelo nosso quadro de governo, os estados que têm escravidão devem retê-la ou entregá-la a seu próprio prazer; e que todos os outros – indivíduos, estados livres e governo nacional – são constitucionalmente obrigados a deixá-los em paz.

Mas Lincoln mudou de idéia. Alguns historiadores pensam que a morte de seu filho de onze anos, Willie, teve influência. O presidente e sua esposa, Mary Todd Lincoln, tiveram quatro filhos, todos filhos. Três ficaram doentes e morreram. Apenas um passou dos dezoito anos.

Tom Schwartz é historiador do estado de Illinois e especialista em Abraham Lincoln. Ele diz que o presidente começou a pensar seriamente no significado da vida depois que Willie morreu aos dezoito e sessenta e dois. Lincoln nunca ingressou em uma igreja, mas acreditava em um ser supremo que criava todas as pessoas com um propósito na vida.

Após a morte de seu filho, Lincoln decidiu que um de seus propósitos era ser um emancipador – iniciar o processo de libertação dos escravos. Alguns meses depois, ele escreveu a Proclamação de Emancipação.

Muitas pessoas pensam que a Proclamação da Emancipação libertou os escravos. Isso não aconteceu. Apenas declarou escravos na Confederação como livres. Em outras palavras, apenas escravos nos estados do sul que não reconheceram Lincoln como presidente.

Lincoln leu o primeiro rascunho do documento em seu gabinete em julho de dezoito sessenta e dois, cinco meses após a morte de Willie.

Uma nova peça teatral foi escrita sobre esses cinco meses na vida de Lincoln. “Os céus estão pendurados de preto”, de James Still, é a primeira peça apresentada no recém-redecorado Ford’s Theatre, em Washington, DC. É o mesmo teatro em que o Presidente Lincoln foi baleado aos dezoito e sessenta e cinco.

Os historiadores dizem que, ao escrever a Proclamação da Emancipação, Lincoln estabeleceu um propósito moral para a guerra. O objetivo não era mais simplesmente trazer os estados do sul de volta à União. Agora, sua declaração fez da libertação dos escravos um objetivo de longo prazo do conflito.

Colocou os estados confederados na posição de lutar pela escravidão – mesmo que a maioria dos soldados fosse pobre demais para possuir escravos. E aumentou a força militar da União, possibilitando que negros livres servissem no exército do norte.

Os opositores políticos e a imprensa criticaram as ações do presidente Lincoln.

A Primeira Emenda à Constituição garante liberdade de expressão e imprensa livre. No entanto, Lincoln fechou brevemente alguns jornais.

Outra ação que ele tomou foi suspender o direito ao habeas corpus. Habeas corpus é um termo legal para o direito de um juiz decidir se uma pessoa está sendo detida legalmente. A solicitação é feita ao tribunal em um documento escrito denominado mandado de segurança.

A Constituição, ao estabelecer limites ao Congresso, diz no Artigo Um: “O privilégio do Mandado de Habeas Corpus não será suspenso, a menos que, em casos de rebelião ou invasão, a segurança pública possa exigir”.

Suspender o habeas corpus significa que um prisioneiro pode ser mantido sem julgamento pelo tempo que o governo desejar.

Abraham Lincoln ou seus oficiais de gabinete suspenderam esse direito várias vezes. Eles acreditavam que estavam agindo dentro da Constituição.

O Presidente Lincoln sabia que seria criticado por emitir tais ordens sem esperar pela aprovação do Congresso. No entanto, ele próprio não sabia ao certo quais poderes ele possuía em muitas situações. A história americana não poderia oferecer um guia. Afinal, o país nunca havia tido uma guerra civil.

Lincoln fez seus pedidos temporariamente. E ele garantiu que o país realizasse sua próxima eleição presidencial, conforme planejado em dezoito sessenta e quatro, quando ele foi reeleito.

Abraham Lincoln nasceu em uma família pobre em Kentucky. Ele cresceu em Indiana e depois se mudou para Illinois. Ele adorava aprender. Ele era um advogado autodidata que atuou por oito anos como representante do estado de Illinois.

Mas ele também sofreu de depressão a vida toda. Os médicos da época chamavam isso de melancolia. Ele escreveu cartas sobre se matar e dizer que ele era o “homem mais infeliz vivo”.

Lincoln era um homem alto, com rosto comprido, braços longos e mãos grandes. Oponentes políticos o chamavam de nomes como “gorila”. Muitos disseram que ele não era qualificado para ser presidente por causa de sua experiência limitada no governo nacional. Lincoln havia servido apenas dois anos no Congresso antes de sua eleição para a Casa Branca.

No entanto, Abraham Lincoln é freqüentemente chamado de maior presidente da América. Ele é lembrado como o homem que salvou a União e a reinventou ao mesmo tempo.

Ao incluir os negros, Lincoln expandiu “as fronteiras da liberdade”, diz o historiador Tom Schwartz. O próprio Lincoln disse que seu objetivo era fornecer “um campo aberto e uma chance justa na vida”. Ele conseguiu iniciar esse processo, embora os americanos negros não tenham conquistado plenos direitos civis antes dos dezenove anos sessenta.

Abraham Lincoln foi o primeiro candidato presidencial do moderno Partido Republicano. Ele incluiu oponentes políticos em seu gabinete, o que é incomum. Doris Kearns Goodwin escreveu sobre isso em seus dois mil e cinco livros “Equipe dos Rivais: O Gênio Político de Abraham Lincoln”.

Mas alguns historiadores sugerem que a inclusão de oponentes pode não ter sido uma idéia tão inteligente quanto Lincoln esperava. De fato, eles dizem que em alguns casos isso pode ter criado mais problemas do que resolvido.

Mas Lincoln era a força principal por trás da Décima Terceira Emenda, que acabou oficialmente com a escravidão nos Estados Unidos. Tornou-se lei em dezembro de dezoito e sessenta e cinco.

Até então, Lincoln estava morto. Em 14 de abril, oitenta e cinco, o simpatizante e ator do sul John Wilkes Booth atirou em Lincoln no Ford’s Theatre. Isso aconteceu cinco dias depois que o sul se rendeu e a Guerra Civil terminou.

Não é de surpreender que o décimo sexto presidente dos Estados Unidos seja um herói de outro ex-legislador de Illinois. Barack Obama falou repetidamente da influência de Lincoln em tornar possível ao país ter seu primeiro presidente afro-americano.

O presidente Obama retornará a Illinois para comemorar o centésimo aniversário de Abraham Lincoln em um grande jantar em Springfield nesta quinta-feira.

Nosso programa foi escrito por Nancy Steinbach e produzido por Mario Ritter. Eu sou Steve Ember. E eu sou Barbara Klein.