‘Super PACs’ e mais: política, dinheiro e idioma – ‘Super PACs’ and More: Politics, Money and Language

Áudio ‘Super PACs’ e mais: política, dinheiro e idioma

Texto ‘Super PACs’ e mais: política, dinheiro e idioma

Welcome to THIS IS AMERICA in VOA Special English. I’m Steve Ember.

And I’m Shirley Griffith. This week on our program, we talk about politics, money and language.

Two years ago this month, the United States Supreme Court decided a campaign finance case known as “Citizens United.”

The court said the government may continue to limit direct donations to political candidates by corporations and unions. However, the justices said the government may not limit spending on independent efforts to support or oppose candidates.

The court said these limits violate the Constitution’s right of free speech. The majority ruled that corporations have the same rights to free speech in political campaigns as individuals do. The vote was five to four.

The case resulted from a lawsuit against the Federal Election Commission by a conservative group called Citizens United. The ruling has cleared the way for unrestricted donations to groups known as “super PACs,” or political action committees. These super PACs are supposed to work independently of campaigns, though some include former aides to the candidates they support.

The effects of “Citizens United” can be seen in the race for the Republican presidential nomination. Super PACs have been spending millions of dollars on television advertising. The Supreme Court found nothing wrong with requirements to identify who is paying for political ads. But, given the timing of reports, voters might not know who the donors were until after they vote in a primary.

Newt Gingrich is an example of a candidate who supported the “Citizens United” decision, them became a victim of it.

The next primary is this Saturday in South Carolina. Since nineteen eighty no Republican presidential candidate has won the nomination without winning South Carolina.

FEMALE VOICE: “Ever notice how some people make a lot of mistakes?”

NEWT GINGRICH: “It was probably a mistake.”

Mr. Gingrich became the target of attack ads before the recent Iowa caucuses. The former speaker of the House of Representatives had been leading in public opinion polls in that state. However, he finished fourth in the voting. Ads paid for by allies of Mitt Romney are widely seen as having played a big part.

New York City Councilman Charles Barron, a Democrat, says the situation is ironic.

CHARLES BARRON: “And it couldn’t have happened to a better person than Newt Gingrich [laughs], because this was a person who supported corporate elites having their way and contributing as much as they want to campaigns. Now it turned around to bite him.”

And now a pro-Newt Gingrich super PAC aims to bite the Romney campaign with a half-hour film called “When Mitt Romney Came to Town.” The group, Winning Our Future, presents him as a “corporate raider” when he led Bain Capital, an investment company. It says he profited while people lost their jobs in the companies he bought and sold.

MITT ROMNEY: “Everything corporations earn ultimately goes to the people.”

CROWD: [Laughter]

MITT ROMNEY: “Where do you think it goes?”

CROWD: “Into their pockets!”

MITT ROMNEY: “Whose pockets? Whose pockets?”

ANNOUNCER: “A story of greed, playing the system for a quick buck, a group of corporate raiders led by Mitt Romney, more ruthless than Wall Street.”

On Friday, Newt Gingrich said the film contained mistakes and he called on Winning Our Future to either remove them or not run the film.

The New York City Council has passed a resolution that calls for amending the United States Constitution. The proposed amendment would declare that corporations do not have the same rights as people. It would declare that money is not a constitutionally protected form of speech. Los Angeles, the nation’s second largest city, has passed a similar resolution. So have other cities including Albany, New York; Boulder, Colorado; and South Miami, Florida.

Eric Ulrich is a Republican member of the New York City Council. He voted against the resolution targeting corporate political spending.

ERIC ULRICH: “Because it’s just as important, even if you don’t agree with it, as the influence labor organizations and other groups may have. You have to create an equal playing field and zeroing out one group simply because we don’t agree with them just to help another — that’s not fair, that’s not American.”

Some people think the solution is to have public financing of campaigns. Jonah Minkoff-Zern represents the group Public Citizen.

JONAH MINKOFF-ZERN: “Our voice and our vote doesn’t matter the same way that someone who has so many resources to devote to a campaign, whether it’s a wealthy individual or a mega-corporation.”

Last week, the Supreme Court made another ruling related to the issue of money and political influence. It dismissed an appeal seeking to expand the ability of foreigners to contribute to American political campaigns.

The justices upheld a federal court judgment in support of a ban on foreign contributions from all but immigrants who live permanently in the United States. A three-judge court ruled that Congress was acting within its powers when it banned most foreigners from donating to campaigns.

The Supreme Court upheld the ruling by the three-judge panel without further comment.

The United States has a long process for choosing candidates to run for president every four years.

The first voting of this election season took place on January third in Iowa at local political meetings known as caucuses. Mitt Romney, a former Massachusetts governor, finished just eight votes ahead of former Pennsylvania senator Rick Santorum.

Iowa traditionally holds the first caucuses, while New Hampshire holds the first primary election. In primaries in other states, voters who are registered with a political party can only vote for candidates from that party. But in some states, including New Hampshire, people can vote in primaries even if they are not registered with a party.

Professor Candice Nelson at American University in Washington is an expert on elections.

CANDICE NELSON: “The purpose of the primary season is to enable candidates to introduce themselves to the voters, to let the voters get to know the candidates, to think about the candidates over the course of three or four months.”

Many of the people who attend campaign rallies and other events do not just want to shake hands with a candidate. They want answers on issues. Phil Elliott is a political reporter with the Associated Press.

PHIL ELLIOTT: “They go to these events. They pack the coffee shops. They wait for hours to meet the candidates and ask them very serious and substantive questions.”

The traditional period of three or four months when states hold primaries and caucuses has been shrinking in recent presidential elections. States have been setting earlier and earlier dates in hopes of gaining greater visibility and power in deciding a party’s nominee.

Some people think all fifty states should hold their primaries or caucuses on the same day — a so-called national primary.

Mark Rom is a political scientist at Georgetown University in Washington.

MARK ROM: “The main advantage of a national primary is that the voters, the votes from individuals across the nation, would count equally toward choosing the presidential candidates. That would be a good thing. The bad thing about a national primary is it would give special advantages to those who have raised the most money, and those who have the highest popularity when the race starts.”

During the primary season, people are choosing a candidate but really they are voting for delegates for that candidate. The idea is that the candidate with the most delegates becomes the party’s nominee. But the nominee is not officially chosen until the delegates gather for the party’s national convention.

The conventions takes place about two months before the general election in early November. The Republican National Convention will take place in the Tampa Bay area in Florida at the end of August. The Democratic National Convention is in Charlotte, North Carolina, in the first week of September.

Twenty-eleven is over, but some of the words that came to define the past year of political protests around the world may live on. Grant Barrett is host of the public radio program “A Way with Words” and vice president of the American Dialect Society. That group chose “occupy” as its Word of the Year.

GRANT BARRETT: “And this was used in phrases like Occupy Wall Street or Occupy San Francisco, or frankly ‘occupy’ just about any place. And this was a word coined by an organization in Canada called Adbusters, which started a campaign last summer to get people in October to protest in the streets, to protest the unfair distribution of wealth and the unfair distribution of power, and ‘occupy’ really has had a lot of legs, as they say — a lot of life.”

Grant Barrett says it can work with lots of other words.

GRANT BARRETT: “And so, in that way, ‘occupy’ has become what we call a combining form. So it can be combined with verbs and nouns and adjectives in order to create new phrases and new expressions that filter throughout the whole movement.”

Activists in the Occupy movement call themselves the “ninety-nine percenters.”

(SOUND : “We are the ninety-nine percent”)

GRANT BARRETT: ” And there is one percent of the population — the ‘one-percenters’ — who seem to have all the money and all the power and all the control.”

The Occupy movement has borrowed methods and terms from protests of the past. Mr. Barrett points to the use of the so-called human megaphone.

GRANT BARRETT: “In order not to violate laws about electronic amplification, what they would do is a speaker would say something. They would say, ‘I would like to tell you my opinion,’ and the whole crowd repeats exactly what the speaker just said to make sure that everyone else who is farther away can hear it.”

The protesters have also used non-verbal communication. Crossing your arms in front of your chest is called a “hard block” and means “firm opposition.” Occupiers have also used “twinkling” similar to a hand motion that deaf people use to signal applause.

GRANT BARRETT: “It looks kind of like if you hold our hands up in the air and you face your palms outward and you kind of waggle your hands a little bit, you kind of shake them, that’s ‘twinkling.’ And this is really interesting from a language point of view. It’s borrowed from American Sign Language, because that is the way you applaud in ASL. It’s interesting stuff!”

Another widely used term in twenty-eleven was Arab Spring.

GRANT BARRETT: “In this two-word phrase we have encapsulated, we’ve made shorthand for, a lot of really important history.”

We had reporting by Peter Fedynsky, Jeffrey Young and Adam Phillips, and help from Brianna Blake. I’m Steve Ember.

And I’m ­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­Shirley Griffith. You can download texts and MP3s of our programs, get English teaching activities and subscribe to our podcasts at voaspecialenglish.com. You can also join us on Facebook and Twitter at VOA Learning English. Join us again next week for THIS IS AMERICA in VOA Special English.

Tradução ‘Super PACs’ e mais: política, dinheiro e idioma

Bem-vindo a ISTO É AMÉRICA no VOA Special English. Eu sou Steve Ember.

E eu sou Shirley Griffith. Nesta semana, em nosso programa, conversamos sobre política, dinheiro e linguagem.

Há dois anos, este mês, a Suprema Corte dos Estados Unidos decidiu um caso de financiamento de campanha conhecido como “Citizens United”.

O tribunal disse que o governo pode continuar limitando doações diretas a candidatos políticos de corporações e sindicatos. No entanto, os juízes disseram que o governo não pode limitar os gastos em esforços independentes para apoiar ou opor-se a candidatos.

O tribunal disse que esses limites violam o direito de liberdade de expressão da Constituição. A maioria decidiu que as empresas têm os mesmos direitos à liberdade de expressão em campanhas políticas que os indivíduos. A votação foi de cinco a quatro.

O caso resultou de um processo contra a Comissão Eleitoral Federal por um grupo conservador chamado Citizens United. A decisão abriu caminho para doações irrestritas a grupos conhecidos como “super PACs” ou comitês de ação política. Esses super PACs devem funcionar independentemente de campanhas, embora alguns incluam ex-assessores dos candidatos que eles apoiam.

Os efeitos de “Citizens United” podem ser vistos na disputa pela indicação presidencial republicana. Os Super PACs gastam milhões de dólares em publicidade televisiva. O Supremo Tribunal não encontrou nada de errado com os requisitos para identificar quem está pagando por anúncios políticos. Mas, dado o calendário dos relatórios, os eleitores podem não saber quem eram os doadores até depois de votar nas primárias.

Newt Gingrich é um exemplo de candidato que apoiou a decisão “Citizens United”, que se tornou vítima dela.

A próxima primária é neste sábado na Carolina do Sul. Desde mil novecentos e oitenta, nenhum candidato presidencial republicano venceu a indicação sem vencer a Carolina do Sul.

VOZ FEMININA: “Você já reparou como algumas pessoas cometem muitos erros?”

NEWT GINGRICH: “Provavelmente foi um erro.”

Gingrich tornou-se o alvo dos anúncios de ataque antes dos recentes caucuses de Iowa. O ex-presidente da Câmara dos Deputados liderava pesquisas de opinião pública naquele estado. No entanto, ele terminou em quarto lugar na votação. Anúncios pagos por aliados de Mitt Romney são amplamente vistos como tendo desempenhado um papel importante.

O vereador da cidade de Nova York Charles Barron, democrata, diz que a situação é irônica.

CHARLES BARRON: “E isso não poderia ter acontecido com uma pessoa melhor do que Newt Gingrich [risos], porque essa era uma pessoa que apoiava as elites corporativas do seu jeito e contribuía com o quanto elas querem nas campanhas. Agora, virou-se para morder ele.”

E agora um super PAC pró-Newt Gingrich pretende morder a campanha de Romney com um filme de meia hora chamado “Quando Mitt Romney chegou à cidade”. O grupo, Winning Our Future, o apresenta como um “invasor corporativo” quando liderou a Bain Capital, uma empresa de investimentos. Diz que lucrou enquanto as pessoas perdiam seus empregos nas empresas que comprava e vendia.

MITT ROMNEY: “Tudo o que as empresas ganham acaba indo para o povo”.

MULTIDÃO: [Risos]

MITT ROMNEY: “Para onde você acha que vai?”

MULTIDÃO: “Nos bolsos!”

MITT ROMNEY: “De quem bolsos? De quem bolsos?”

LOCUTOR: “Uma história de ganância, jogando o sistema por dinheiro rápido, um grupo de invasores corporativos liderados por Mitt Romney, mais implacável que Wall Street”.

Na sexta-feira, Newt Gingrich disse que o filme continha erros e pediu à Winning Our Future para removê-los ou não executá-lo.

O Conselho da Cidade de Nova York aprovou uma resolução que pede a alteração da Constituição dos Estados Unidos. A emenda proposta declararia que as empresas não têm os mesmos direitos que as pessoas. Declararia que o dinheiro não é uma forma de discurso constitucionalmente protegida. Los Angeles, a segunda maior cidade do país, aprovou uma resolução semelhante. O mesmo acontece com outras cidades, incluindo Albany, Nova York; Boulder, Colorado; e sul de Miami, Flórida.

Eric Ulrich é um membro republicano do Conselho da Cidade de Nova York. Ele votou contra a resolução que visa gastos políticos corporativos.

ERIC ULRICH: “Porque é tão importante, mesmo que você não concorde com isso, quanto a influência que as organizações trabalhistas e outros grupos podem ter. Você precisa criar um campo de jogo igual e zerar um grupo simplesmente porque não concordamos. concorde com eles apenas para ajudar outro – isso não é justo, não é americano “.

Algumas pessoas pensam que a solução é ter financiamento público de campanhas. Jonah Minkoff-Zern representa o grupo Public Citizen.

JONAH MINKOFF-ZERN: “Nossa voz e nosso voto não importam da mesma maneira que alguém que tem tantos recursos para se dedicar a uma campanha, seja um indivíduo rico ou uma mega corporação”.

Na semana passada, o Supremo Tribunal tomou outra decisão relacionada à questão do dinheiro e da influência política. Ele negou provimento ao recurso, buscando expandir a capacidade dos estrangeiros de contribuir para as campanhas políticas americanas.

Os juízes confirmaram uma sentença do tribunal federal em apoio à proibição de contribuições estrangeiras de todos, exceto imigrantes que vivem permanentemente nos Estados Unidos. Um tribunal de três juízes determinou que o Congresso estava agindo dentro de seus poderes quando proibiu a maioria dos estrangeiros de doar para campanhas.

O Supremo Tribunal confirmou a decisão do painel de três juízes sem mais comentários.

Os Estados Unidos têm um longo processo para escolher candidatos para concorrer à presidência a cada quatro anos.

A primeira votação desta temporada eleitoral ocorreu em 3 de janeiro, em Iowa, em reuniões políticas locais conhecidas como caucuses. Mitt Romney, ex-governador de Massachusetts, terminou apenas oito votos à frente do ex-senador da Pensilvânia Rick Santorum.

Iowa tradicionalmente realiza as primeiras reuniões, enquanto New Hampshire realiza as primeiras eleições primárias. Nas primárias de outros estados, os eleitores registrados em um partido político só podem votar em candidatos desse partido. Mas em alguns estados, incluindo New Hampshire, as pessoas podem votar nas primárias, mesmo que não estejam registradas em um partido.

A professora Candice Nelson, da Universidade Americana de Washington, é especialista em eleições.

CANDICE NELSON: “O objetivo da temporada principal é permitir que os candidatos se apresentem aos eleitores, permitir que eles conheçam os candidatos, que pensem nos candidatos ao longo de três ou quatro meses”.

Muitas das pessoas que participam de comícios de campanha e outros eventos não querem apenas cumprimentar um candidato. Eles querem respostas sobre questões. Phil Elliott é um repórter político da Associated Press.

PHIL ELLIOTT: “Eles vão a esses eventos. Eles embalam as cafeterias. Eles esperam horas para encontrar os candidatos e fazer perguntas muito sérias e substanciais”.

O período tradicional de três ou quatro meses em que os estados mantêm primárias e caucuses vem diminuindo nas recentes eleições presidenciais. Os Estados têm fixado datas anteriores e anteriores, na esperança de ganhar maior visibilidade e poder na decisão do candidato de um partido.

Algumas pessoas pensam que todos os cinquenta estados devem realizar suas primárias ou caucuses no mesmo dia – a chamada primária nacional.

Mark Rom é um cientista político da Universidade de Georgetown, em Washington.

MARK ROM: “A principal vantagem de uma primária nacional é que os eleitores, os votos de indivíduos em todo o país, contariam igualmente para a escolha dos candidatos à presidência. Isso seria uma coisa boa. O ruim de uma primária nacional é que dê vantagens especiais àqueles que arrecadaram mais dinheiro e àqueles que obtiveram maior popularidade quando a corrida começar “.

Durante a temporada primária, as pessoas estão escolhendo um candidato, mas na verdade estão votando nos delegados para esse candidato. A idéia é que o candidato com mais delegados se torne o candidato do partido. Mas o candidato não é escolhido oficialmente até que os delegados se reúnam para a convenção nacional do partido.

As convenções acontecem cerca de dois meses antes das eleições gerais no início de novembro. A Convenção Nacional Republicana ocorrerá na área de Tampa Bay, na Flórida, no final de agosto. A Convenção Nacional Democrata está em Charlotte, Carolina do Norte, na primeira semana de setembro.

Vinte e onze acabou, mas algumas das palavras que vieram para definir o ano passado de protestos políticos em todo o mundo podem continuar. Grant Barrett é apresentador do programa de rádio público “Um Caminho com Palavras” e vice-presidente da Sociedade Americana de Dialetos. Esse grupo escolheu “ocupar” como sua palavra do ano.

GRANT BARRETT: “E isso foi usado em frases como Occupy Wall Street ou Occupy San Francisco, ou francamente ‘ocupa’ praticamente qualquer lugar. E essa foi uma palavra criada por uma organização no Canadá chamada Adbusters, que iniciou uma campanha no verão passado para levar as pessoas em outubro a protestar nas ruas, a protestar contra a distribuição injusta de riqueza e a distribuição injusta de poder, e ‘ocupar’ realmente teve muitas pernas, como se costuma dizer – muita vida “.

Grant Barrett diz que pode trabalhar com muitas outras palavras.

GRANT BARRETT: “E assim, ‘ocupar’ tornou-se o que chamamos de forma combinada. Assim, pode ser combinado com verbos, substantivos e adjetivos, a fim de criar novas frases e novas expressões que filtram o movimento todo. “

Os ativistas do movimento Occupy se autodenominam “noventa e nove por cento”.

(SOM: “Nós somos os noventa e nove por cento”)

GRANT BARRETT: “E há um por cento da população – os ‘um por cento’ – que parecem ter todo o dinheiro, todo o poder e todo o controle”.

O movimento Occupy emprestou métodos e termos de protestos do passado. Barrett aponta para o uso do chamado megafone humano.

GRANT BARRETT: “Para não violar as leis sobre amplificação eletrônica, o que eles fariam é um orador diria algo. Eles diriam: ‘Gostaria de lhe dizer minha opinião’, e toda a multidão repete exatamente o que o orador acabou de dizer. disse para garantir que todos os que estão mais longe possam ouvi-lo. “

Os manifestantes também usaram comunicação não verbal. Cruzar os braços na frente do peito é chamado de “bloqueio rígido” e significa “oposição firme”. Os ocupantes também usaram “cintilação” semelhante a um movimento das mãos que os surdos usam para sinalizar aplausos.

GRANT BARRETT: “Parece que, se você mantiver as mãos no ar e encarar as palmas das mãos para fora e balançar as mãos um pouco, você as sacudirá, isso é ‘cintilar’. E isso é realmente interessante do ponto de vista da linguagem. É emprestado da American Sign Language, porque é assim que você aplaude em ASL. É uma coisa interessante! “

Outro termo amplamente usado em onze e onze foi Primavera Árabe.

GRANT BARRETT: “Nesta frase de duas palavras, encapsulamos, criamos uma abreviação para muita história realmente importante”.

Tivemos uma reportagem de Peter Fedynsky, Jeffrey Young e Adam Phillips, e a ajuda de Brianna Blake. Eu sou Steve Ember.

E eu sou Shirley Griffith. Você pode baixar textos e MP3s de nossos programas, obter atividades de ensino de inglês e assinar nossos podcasts em voaspecialenglish.com. Você também pode se juntar a nós no Facebook e Twitter no VOA Learning English. Junte-se a nós novamente na próxima semana para ESTA IS AMÉRICA no VOA Special English.