Sobre tubarões e a matança de tubarões – About Sharks and the Killing of Sharks

Áudio Sobre tubarões e a matança de tubarões

Texto Sobre tubarões e a matança de tubarões

This is SCIENCE IN THE NEWS in VOA Special English. I’m Christopher Cruise. And I’m Faith Lapidus.

This week, we tell about sharks. We tell how demand for shark fin soup has led to the killing of millions of these creatures. And we tell about tests on pieces of bone said to be from pilot Amelia Earhart.

Sharks
A picture in the newspaper shows a person standing next to a huge shark. The body of the shark is hanging with its head down. The words below the picture say the shark was a very big one. Or perhaps it was one of the biggest ever caught in the area. The person who brought in the shark is smiling. That person won a battle with what has been called one of nature’s fiercest creatures.

Some people, however, do not approve of catching sharks. They do not think all sharks are terrifying enemies. They know that studies show lightning and snakebites hurt more people than do shark attacks. Sharks kill about ten people a year. Yet people kill tens of millions of sharks a year.

Activists for sharks note that sharks are valuable in the ocean. They eat injured and diseased fish. Their hunting means other fish do not become too great in number. This protects other creatures and plants in the ocean.

Wildlife activists worry that some kinds of sharks are in danger of disappearing. The National Oceanic and Atmospheric Administration estimates fishing operations kill more than one hundred million sharks every year.

Sharks are harvested for meat and cartilage, liver oil and, especially, for their fins. And many sharks die when fishermen harvesting other kinds of fish pull in sharks by accident. Sharks are vulnerable to over-fishing. Sharks grow and develop slowly and do not produce many young.

George Burgess leads the International Shark Attack File at the Florida Museum of Natural History at the University of Florida in Gainesville. He says shark attacks increased during the past century for a good reason: hundreds of millions of people now use the world’s oceans.

The International Shark Attack File says the number of shark attacks rose twenty five percent last year. Seventy-nine shark attacks were reported in twenty ten. Six people were killed. The File gives likely reasons for the increase, including higher water temperatures because of unusually warm weather. There were thirty-six shark attacks in the United States — the most of any country.

The International Shark Attack File describes shark attacks as either provoked or unprovoked. An unprovoked attack means the person is alive when bitten. It also means the person must not have interfered with the shark.

But some divers interfere with sharks on purpose. They want to get the attention of sharks, perhaps to take pictures of them. The diver may put food in the water to get the animal to come close. Sharks do not normally want to be with people. But their excellent sense of smell leads them to food.

Some experienced divers say they may not face danger when near a shark. But they say the next person who comes near the shark may be in trouble. The animal’s experience with being fed may make it connect food with people.

Some divers and filmmakers enter a shark’s territory while inside containers made of steel. Others wear heavy metal equipment for protection. And others get near sharks wearing only normal diving equipment.

This close contact with sharks has its critics. Some people say it is an invasion of the animals’ territory for no good reason. The contact can produce exciting films that may increase public interest and sympathy for sharks. But they may also make us more afraid of them.

Today, a major threat to sharks comes from shark fin soup. This food has increased in popularity over the years. Fisheries can earn a lot of money for even one kilogram of shark fins.

“Finning,” as it is called, is big business. Fishers cut off the shark’s fin while the shark is still alive and throw the animal back into the water. The shark is unable to swim or eat. In hours or days, it bleeds to death on the bottom of the ocean.

Wildlife protection groups and many people worldwide have denounced finning as torture. Some areas have banned this activity. But it is hard to enforce the ban in many places.

Many people want to save sharks and stop finning. One of them is John McCosker. He is the head of the aquatic biology department at the California Academy of Sciences. Professor McCosker has been studying sharks for more than thirty years. He says finning is not only cruel, but bad for the oceans.

JOHN MCCOSKER: “We must stop the shark-finning which is resulting in the death of thirty to seventy million sharks each year because that has so upset ocean ecology by the removal of these often apex, top-level predators.”

Professor McCosker says demand for shark fin soup is strong in China.

John McCosker: “It is a cultural tradition, and not all Asian cultures believe in it. But what it now is, is a demonstration really of wealth and status. Shark fin soup is usually served at weddings and at banquets, and it’s very expensive.”

The European Union, the nation of Guam and some individual American states want to stop finning. In January, President Obama signed a measure known as the Shark Conservation Act. The measure strengthens American laws against finning. It requires the fishing industry to bring sharks to port before their fins are cut.

Fishers can make a lot of money by selling shark fins. Professor McCosker believes the best way to stop finning is to educate owners of Chinese restaurants not to sell shark fin soup. He also wants to persuade people not to buy it.

State lawmakers in California are considering a bill that would make it illegal for people to have, sell or distribute shark fins. Supporters say the bill will help protect sharks. But opponents have described the measure as an attack on Chinese culture.

State Senator Leland Yee and Chinese restaurant owners say they are concerned about the overfishing of sharks. In fact, they want a federal law to ban the practice of finning. But Senator Lee says not all sharks are in danger of extinction. He says the proposed law to ban the eating of shark fins is an unfair attack on Asian culture and cuisine.

Amelia Earhart
The mystery of what happened to Amelia Earhart will go on. Earhart disappeared more than seventy years ago while attempting to fly around the world. Experts at the University of Oklahoma say they could not link a small piece of bone to the famous pilot. But they also say they will continue tests on a piece of soil or human waste.

The International Group for Historic Aircraft Recovery had asked the university to study the material. The group found it on an archeological dig on Nikumaroro, an island in the southwestern Pacific Ocean.

Nikumaroro was once called Gardner Island. It could have been on Earhart’s way to Howland Island. She and her navigator, Fred Noonan, were hoping to reach Howland to get more fuel for their airplane.

Historical records say Earhart died on July second, nineteen thirty seven, when her plane fell into the ocean after all its fuel was gone. But the International Group for Historic Aircraft Recovery disputes the official version of events. It suspects that she and Noonan found their way to Nikumaroro Island.

Members have repeatedly explored there over the years. They have found a number of objects that might be connected to Earhart. But a link between those objects and her or Noonan has yet to be firmly established.

Members recently found what could be a piece of human finger bone and the possible human waste. First tests of the bone fragment showed that human genetic material, human DNA, was present. But later tests could not repeat the results.

Scientist Cecil Lewis said the human DNA could have been there because people had had contact with the bone. Or, he said human DNA really was present in the bone, but the bone was too small or low-quality to repeat the first results. Or, the DNA in the bone might be non-human.

The test results of the piece of soil or waste material were more promising. These results showed human DNA.

Mr. Lewis said his team is using a genetic method to examine bacteria species inside the material. He said the presence of some plant and animal DNA would be a further sign that the piece is waste material. That material could contain information about what the individual was eating and his or her health.

Tradução Sobre tubarões e a matança de tubarões

Isto é CIÊNCIA NAS NOTÍCIAS no VOA Special English. Eu sou Christopher Cruise. E eu sou Faith Lapidus.

Nesta semana, falamos sobre tubarões. Contamos como a demanda por sopa de barbatana de tubarão levou à matança de milhões dessas criaturas. E nós falamos sobre testes em pedaços de osso que dizem ser da piloto Amelia Earhart.

Tubarões
Uma foto no jornal mostra uma pessoa ao lado de um enorme tubarão. O corpo do tubarão está pendurado com a cabeça baixa. As palavras abaixo da foto dizem que o tubarão era muito grande. Ou talvez tenha sido um dos maiores já capturados na área. A pessoa que trouxe o tubarão está sorrindo. Essa pessoa venceu uma batalha contra o que foi chamado de uma das criaturas mais ferozes da natureza.

Algumas pessoas, no entanto, não aprovam a captura de tubarões. Eles não acham que todos os tubarões são inimigos aterrorizantes. Eles sabem que estudos mostram que raios e mordidas de cobra machucam mais pessoas do que ataques de tubarão. Tubarões matam cerca de dez pessoas por ano. No entanto, as pessoas matam dezenas de milhões de tubarões por ano.

Os ativistas dos tubarões observam que os tubarões são valiosos no oceano. Eles comem peixes feridos e doentes. Sua caça significa que outros peixes não se tornam muito grandes em número. Isso protege outras criaturas e plantas no oceano.

Os ativistas da vida selvagem temem que alguns tipos de tubarões corram o risco de desaparecer. A Administração Nacional Oceânica e Atmosférica estima que as operações de pesca matam mais de cem milhões de tubarões a cada ano.

Os tubarões são colhidos para carne e cartilagem, óleo de fígado e, principalmente, para as barbatanas. E muitos tubarões morrem quando os pescadores que pescam outros tipos de peixes puxam tubarões por acidente. Os tubarões são vulneráveis ​​à pesca excessiva. Os tubarões crescem e se desenvolvem lentamente e não produzem muitos filhotes.

George Burgess lidera o International Shark Attack File no Museu de História Natural da Flórida, na Universidade da Flórida em Gainesville. Ele diz que os ataques de tubarões aumentaram durante o século passado por uma boa razão: centenas de milhões de pessoas agora usam os oceanos do mundo.

O International Shark Attack File diz que o número de ataques de tubarões aumentou 25% no ano passado. Setenta e nove ataques de tubarão foram relatados em vinte e dez. Seis pessoas foram mortas. O Arquivo fornece razões prováveis ​​para o aumento, incluindo temperaturas mais altas da água devido ao clima excepcionalmente quente. Houve 36 ataques de tubarões nos Estados Unidos – a maioria de qualquer país.

O Arquivo Internacional de Ataque ao Tubarão descreve os ataques de tubarão como provocados ou não provocados. Um ataque não provocado significa que a pessoa está viva quando mordida. Isso também significa que a pessoa não deve ter interferido no tubarão.

Mas alguns mergulhadores interferem com os tubarões de propósito. Eles querem chamar a atenção dos tubarões, talvez tirar fotos deles. O mergulhador pode colocar comida na água para aproximar o animal. Os tubarões normalmente não querem estar com as pessoas. Mas seu excelente olfato os leva à comida.

Alguns mergulhadores experientes dizem que podem não enfrentar perigo quando estão perto de um tubarão. Mas eles dizem que a próxima pessoa que se aproximar do tubarão pode estar com problemas. A experiência do animal em ser alimentado pode fazer com que ele conecte comida com as pessoas.

Alguns mergulhadores e cineastas entram no território de um tubarão enquanto estão dentro de recipientes de aço. Outros usam equipamentos de metal pesado para proteção. E outros se aproximam dos tubarões usando apenas equipamento de mergulho normal.

Esse contato próximo com os tubarões tem seus críticos. Algumas pessoas dizem que é uma invasão do território dos animais sem uma boa razão. O contato pode produzir filmes emocionantes que podem aumentar o interesse público e a simpatia pelos tubarões. Mas eles também podem nos deixar com mais medo deles.

Hoje, uma grande ameaça para os tubarões vem da sopa de barbatana de tubarão. Este alimento aumentou em popularidade ao longo dos anos. A pesca pode ganhar muito dinheiro por até um quilograma de barbatana de tubarão.

“Finning”, como é chamado, é um grande negócio. Os pescadores cortam a barbatana do tubarão enquanto o tubarão ainda está vivo e jogam o animal de volta na água. O tubarão é incapaz de nadar ou comer. Em horas ou dias, ele sangra até a morte no fundo do oceano.

Grupos de proteção da vida selvagem e muitas pessoas em todo o mundo denunciaram o financiamento como tortura. Algumas áreas baniram esta atividade. Mas é difícil impor a proibição em muitos lugares.

Muitas pessoas querem salvar tubarões e parar de barbatanas. Um deles é John McCosker. Ele é o chefe do departamento de biologia aquática da Academia de Ciências da Califórnia. O professor McCosker estuda tubarões há mais de trinta anos. Ele diz que as barbatanas não são apenas cruéis, mas ruins para os oceanos.

JOHN MCCOSKER: “Precisamos parar o barbatana de tubarão, que resulta na morte de trinta a setenta milhões de tubarões a cada ano, porque isso perturbou a ecologia do oceano pela remoção desses predadores de alto nível, que costumam ser o ápice”.

O professor McCosker diz que a demanda por sopa de barbatana de tubarão é forte na China.

John McCosker: “É uma tradição cultural, e nem todas as culturas asiáticas acreditam nela. Mas o que é agora é uma demonstração realmente de riqueza e status. A sopa de barbatana de tubarão geralmente é servida em casamentos e banquetes, e é muito cara. ”

A União Européia, a nação de Guam e alguns estados americanos querem parar de financiar. Em janeiro, o presidente Obama assinou uma medida conhecida como Lei de Conservação dos Tubarões. A medida fortalece as leis americanas contra as multas. Exige que a indústria pesqueira leve tubarões ao porto antes que suas barbatanas sejam cortadas.

Os pescadores podem ganhar muito dinheiro vendendo barbatanas de tubarão. O professor McCosker acredita que a melhor maneira de parar o financiamento é educar os proprietários de restaurantes chineses a não venderem sopa de barbatana de tubarão. Ele também quer convencer as pessoas a não comprá-lo.

Os legisladores estaduais da Califórnia estão considerando um projeto de lei que tornaria ilegal que as pessoas tivessem, vendessem ou distribuíssem barbatanas de tubarão. Os defensores dizem que o projeto ajudará a proteger os tubarões. Mas os oponentes descreveram a medida como um ataque à cultura chinesa.

O senador estadual Leland Yee e os donos de restaurantes chineses dizem estar preocupados com a pesca excessiva de tubarões. De fato, eles querem que uma lei federal proíba a prática de financiamento. Mas o senador Lee diz que nem todos os tubarões estão em perigo de extinção. Ele diz que a lei proposta para proibir o consumo de barbatanas de tubarão é um ataque injusto à cultura e à culinária asiáticas.

Amelia Earhart
O mistério do que aconteceu com Amelia Earhart continuará. Earhart desapareceu há mais de setenta anos enquanto tentava voar ao redor do mundo. Especialistas da Universidade de Oklahoma dizem que não conseguiram vincular um pequeno pedaço de osso ao famoso piloto. Mas eles também dizem que continuarão os testes em um pedaço de solo ou lixo humano.

O Grupo Internacional para Recuperação Histórica de Aeronaves pediu à universidade que estudasse o material. O grupo encontrou-o em uma escavação arqueológica em Nikumaroro, uma ilha no sudoeste do Oceano Pacífico.

Nikumaroro já foi chamado de Ilha Gardner. Poderia estar no caminho de Earhart para a Ilha Howland. Ela e seu navegador, Fred Noonan, esperavam chegar a Howland para obter mais combustível para o avião.

Registros históricos dizem que Earhart morreu em 2 de julho de mil novecentos e sete e sete, quando seu avião caiu no oceano depois que todo o combustível acabou. Mas o Grupo Internacional para Recuperação Histórica de Aeronaves contesta a versão oficial dos eventos. Suspeita que ela e Noonan tenham encontrado o caminho para a Ilha Nikumaroro.

Os membros têm explorado repetidamente lá ao longo dos anos. Eles encontraram vários objetos que podem estar conectados ao Earhart. Mas um vínculo entre esses objetos e ela ou Noonan ainda não foi firmemente estabelecido.

Os membros descobriram recentemente o que poderia ser um pedaço de osso do dedo humano e o possível desperdício humano. Os primeiros testes do fragmento ósseo mostraram que o material genético humano, o DNA humano, estava presente. Mas testes posteriores não conseguiram repetir os resultados.

O cientista Cecil Lewis disse que o DNA humano poderia estar lá porque as pessoas tiveram contato com o osso. Ou, ele disse que o DNA humano realmente estava presente no osso, mas o osso era muito pequeno ou de baixa qualidade para repetir os primeiros resultados. Ou, o DNA no osso pode não ser humano.

Os resultados dos testes do pedaço de solo ou de resíduos foram mais promissores. Estes resultados mostraram DNA humano.

Lewis disse que sua equipe está usando um método genético para examinar espécies de bactérias dentro do material. Ele disse que a presença de algum DNA vegetal e animal seria mais um sinal de que a peça é um material residual. Esse material pode conter informações sobre o que o indivíduo estava comendo e sua saúde.