Sharks: A Bad Image, but Oceans Value Them (Tubarões: uma imagem ruim, mas os oceanos os valorizam)

Texto: Sharks: A Bad Image, but Oceans Value Them (Tubarões: uma imagem ruim, mas os oceanos os valorizam)

A picture in the newspaper shows a person standing next to a huge shark. The body of the shark is hanging with its head down. A scale is measuring its weight.

The lines below the picture say the shark was a very big one. Or perhaps it was one of the biggest ever caught in the area. The person who brought in the fish looks extremely pleased. That person won a battle with what has been called one of nature’s fiercest creatures.

Some people, however, do not approve of catching sharks. They do not think all sharks are terrifying enemies. They know that studies show lightning and snakebites threaten people more than shark attacks.

Activists for sharks note that the fish are valuable in the ocean. Sharks eat injured and diseased fish. Their hunting means that other fish do not become too great in number. This protects other creatures and plants in the ocean.

Environmental activists worry that some kinds of fish are in danger of dying out. The National Oceanic and Atmospheric Administration estimated that fishing operations kill more than one hundred million sharks every year. Sharks are harvested for meat and cartilage, liver oil and, especially, for their fins. Many of the animals die when people harvesting other kinds of fish pull in sharks by accident.

George Burgess leads the International Shark Attack File at the Florida Museum of Natural History of the University of Florida. He says shark attacks increased during the past century for a good reason. Hundreds of millions of people now use the world’s oceans, more than in the past.

Professor Burgess says the first ten years of the twenty-first century are expected to register the most attacks of any ten-year period.

Yet the International Shark Attack File reports that the number of shark attacks has, in fact, decreased in recent years. During this period, there was an average of sixty-three attacks worldwide each year. That compares with a high of seventy-nine in two thousand.

The file gives some likely reasons for the decrease. One reason is that overfishing of sharks and related fish has reduced the size of some shark populations.

Another is that more people are careful to stay away from waters where sharks swim. And the file says workers responsible for boating and beach safety may be doing a better job of warning people when sharks are seen.

The International Shark Attack File describes shark attacks as either provoked or unprovoked. An unprovoked attack means the person is alive when bitten. It also means the person must not have interfered with the shark.

Some divers interfere with sharks on purpose. They want to get the attention of sharks, perhaps to take pictures of them. The diver may put food in the water to get the animal to come close. Sharks do not normally want to be with people. But their excellent sense of smell leads them to food.

Some experienced divers say they may not face danger when near a shark. But they say the next person who comes near the shark may be in trouble. The animal’s experience with being fed may make it connect food with people.

Some divers, filmmakers and nature photographers enter a shark’s territory while inside containers made of steel. Others wear heavy metal equipment for protection. And others get near sharks wearing only normal diving equipment.

Close contact with sharks has its critics. Some people say it represents invasion of the animals’ territory for no good reason. But exciting films may increase public interest and sympathy for the animals.

Many people wanting to save sharks have formed activist groups. For example, a group called Shark Safe helped prevent the killing of sharks at a fishing competition in Florida earlier this month. Event organizers had said the goal would be to catch and release sharks.

But the Shark Safe Project said the stated goal of “bringing in the big one” would lead to killing of the biggest sharks. The big ones are the most likely to reproduce.

The Shark Safe Project planned a demonstration against the competition. The demonstration never took place, however. Instead, the event organizers changed their plans. Participants were to catch the sharks as expected. But all sharks were to be released.

The Shark-Free Marinas Initiative is a campaign aimed at helping sharks worldwide. Under the Initiative, people could not bring a killed shark to a participating marina. People transporting captured sharks to the boat landing for weighing and killing would also be rejected.

The initiative cooperates with several other programs, including the Cape Eleuthera Institute in the Bahamas islands. The Institute is an educational center that also operates a shark research program.

In late two thousand seven, a United Nations conference reported that one kind of shark, the basking shark, is in danger of dying out. The numbers of basking sharks have been decreasing for the past half-century. The animals are the second largest shark, after whale sharks. They swim with their mouths open, cleaning the water as they move. They take up and eat objects like fish eggs and tiny sea organisms.

Scientists want to know how and where basking sharks travel.

Recently, experts on both sides of the Atlantic Ocean were interested in a huge basking shark discovered in eastern Canada. The remains of the eight-meter long animal were found on a rocky beach in Saint John, New Brunswick. Experts said the cause of death is unknown.

Donald McAlpine heads the zoology collection at the New Brunswick Museum in Saint John. He said scientists removed the head and some backbones from the shark for examination. Mr. McAlpine said pictures of the animal were sent to scientists in Britain. The British scientists had requested the pictures to learn if the shark was the same fish they had observed on their side of the Atlantic.

Sharks can be identified by their individual markings and sometimes by healed wounds.

For years, the travels of basking sharks have been a mystery to scientists. Basking sharks from the northeastern United States are not seen in the winter. They seem to disappear from cool waters of the Atlantic and Pacific Oceans. Yet studies published in the journal Current Biology are providing clues about the mystery.

The studies found that the sharks went to warmer waters of the Atlantic during the winter. The animals did a good job of staying hidden from sight. They swam in waters from two hundred to one thousand meters deep.

Like Americans living in cold climates, some of the sharks traveled to Florida for the winter. Others went even further south. One spent a month in waters near Brazil.

One of the investigators was Gregory Skomal of the Massachusetts Division of Marine Fisheries. He says the fish probably get to eat more plankton in the warmer waters.

Today, a major threat to sharks comes from shark fin soup. The popularity of the soup has increased greatly over the years. Fisheries can earn a lot of money for even one kilogram of shark fins.

Finning, as it is called, is big business. It means cutting the fins off a live shark. Fishermen cut off the shark’s fins and throw the animal back into the water. The shark then bleeds to death on the bottom of the ocean.

Many animal-protection groups and people worldwide have denounced finning as cruel. Some areas have banned this activity. But it is hard to enforce the ban in many places.

Ann Luskey is an activist for the world’s sea environment. She lives on a boat and often dives to watch underwater life. Her three children took part in an unusual recording project. The family hopes the music will attract attention to the need for taking good care of the earth and its seas.

One of the recordings is a hip-hop song called “Shark Fin Soup.” It urges people not to eat the soup because it threatens sharks.

This SCIENCE IN THE NEWS was written by Jerilyn Watson.

Sharks: A Bad Image, but Oceans Value Them (Tubarões: uma imagem ruim, mas os oceanos os valorizam) – Tradução

Tradução (Fornecida pelo Google)

Uma foto no jornal mostra uma pessoa ao lado de um enorme tubarão. O corpo do tubarão está pendurado com a cabeça baixa. Uma balança está medindo seu peso.

As linhas abaixo da imagem dizem que o tubarão era muito grande. Ou talvez tenha sido um dos maiores já capturados na área. A pessoa que trouxe o peixe parece extremamente satisfeita. Essa pessoa venceu uma batalha contra o que foi chamado de uma das criaturas mais ferozes da natureza.

Algumas pessoas, no entanto, não aprovam a captura de tubarões. Eles não acham que todos os tubarões são inimigos aterrorizantes. Eles sabem que estudos mostram que raios e picadas de cobra ameaçam mais as pessoas do que ataques de tubarão.

Os ativistas dos tubarões observam que os peixes são valiosos no oceano. Os tubarões comem peixes feridos e doentes. Sua caça significa que outros peixes não se tornam muito grandes em número. Isso protege outras criaturas e plantas no oceano.

Ativistas ambientais temem que alguns tipos de peixes estejam em risco de morrer. A Administração Nacional Oceânica e Atmosférica estimou que as operações de pesca matam mais de cem milhões de tubarões a cada ano. Os tubarões são colhidos para carne e cartilagem, óleo de fígado e, principalmente, para as barbatanas. Muitos dos animais morrem quando as pessoas que pescam outros tipos de peixes puxam tubarões por acidente.

George Burgess lidera o International Shark Attack File no Museu de História Natural da Flórida da Universidade da Flórida. Ele diz que os ataques de tubarões aumentaram durante o século passado por uma boa razão. Centenas de milhões de pessoas agora usam os oceanos do mundo, mais do que no passado.

O professor Burgess diz que os primeiros dez anos do século XXI devem registrar o maior número de ataques em qualquer período de dez anos.

No entanto, o International Shark Attack File relata que o número de ataques de tubarões diminuiu de fato nos últimos anos. Durante esse período, houve uma média de sessenta e três ataques em todo o mundo a cada ano. Isso se compara a uma alta de setenta e nove em dois mil.

O arquivo fornece alguns motivos prováveis ​​para a diminuição. Uma razão é que a pesca excessiva de tubarões e peixes relacionados reduziu o tamanho de algumas populações de tubarões.

Outra é que mais pessoas tomam cuidado para ficar longe das águas onde os tubarões nadam. E o arquivo diz que os trabalhadores responsáveis ​​pela navegação e pela segurança da praia podem estar fazendo um trabalho melhor em alertar as pessoas quando os tubarões são vistos.

O Arquivo Internacional de Ataque ao Tubarão descreve os ataques de tubarão como provocados ou não provocados. Um ataque não provocado significa que a pessoa está viva quando mordida. Isso também significa que a pessoa não deve ter interferido no tubarão.

Alguns mergulhadores interferem com os tubarões de propósito. Eles querem chamar a atenção dos tubarões, talvez tirar fotos deles. O mergulhador pode colocar comida na água para aproximar o animal. Os tubarões normalmente não querem estar com as pessoas. Mas seu excelente olfato os leva à comida.

Alguns mergulhadores experientes dizem que podem não enfrentar perigo quando estão perto de um tubarão. Mas eles dizem que a próxima pessoa que se aproximar do tubarão pode estar com problemas. A experiência do animal em ser alimentado pode fazer com que ele conecte comida com as pessoas.

Alguns mergulhadores, cineastas e fotógrafos da natureza entram no território de um tubarão enquanto estão dentro de recipientes de aço. Outros usam equipamentos de metal pesado para proteção. E outros se aproximam dos tubarões usando apenas equipamento de mergulho normal.

O contato próximo com os tubarões tem seus críticos. Algumas pessoas dizem que isso representa invasão do território dos animais sem uma boa razão. Mas filmes emocionantes podem aumentar o interesse público e a simpatia pelos animais.

Muitas pessoas que querem salvar tubarões formaram grupos ativistas. Por exemplo, um grupo chamado Shark Safe ajudou a impedir a matança de tubarões em uma competição de pesca na Flórida no início deste mês. Os organizadores do evento disseram que o objetivo seria pegar e soltar tubarões.

Mas o Shark Safe Project disse que o objetivo declarado de “trazer o grande” levaria à morte dos maiores tubarões. Os grandes têm maior probabilidade de se reproduzir.

O Shark Safe Project planejou uma demonstração contra a concorrência. A demonstração nunca ocorreu, no entanto. Em vez disso, os organizadores do evento mudaram seus planos. Os participantes deveriam pegar os tubarões como esperado. Mas todos os tubarões deveriam ser libertados.

A Iniciativa Marinas Sem Tubarão é uma campanha destinada a ajudar tubarões em todo o mundo. Sob a Iniciativa, as pessoas não podiam levar um tubarão morto para uma marina participante. Pessoas que transportam tubarões capturados para o desembarque do barco para pesar e matar também seriam rejeitadas.

A iniciativa coopera com vários outros programas, incluindo o Instituto Cape Eleuthera nas ilhas Bahamas. O Instituto é um centro educacional que também opera um programa de pesquisa sobre tubarões.

No final de dois mil e sete, uma conferência das Nações Unidas relatou que um tipo de tubarão, o tubarão-frade, corre o risco de morrer. O número de tubarões-frade vem diminuindo nos últimos meio século. Os animais são o segundo maior tubarão, depois dos tubarões-baleia. Eles nadam com a boca aberta, limpando a água enquanto se movem. Eles pegam e comem objetos como ovas de peixe e pequenos organismos marinhos.

Os cientistas querem saber como e para onde os tubarões-frade viajam.

Recentemente, especialistas de ambos os lados do Oceano Atlântico estavam interessados ​​em um enorme tubarão-frade descoberto no leste do Canadá. Os restos do animal de oito metros de comprimento foram encontrados em uma praia rochosa em Saint John, New Brunswick. Especialistas disseram que a causa da morte é desconhecida.

Donald McAlpine lidera a coleção de zoologia no New Brunswick Museum em Saint John. Ele disse que os cientistas removeram a cabeça e algumas espinhas dorsais do tubarão para serem examinadas. McAlpine disse que fotos do animal foram enviadas a cientistas britânicos. Os cientistas britânicos haviam solicitado que as fotos soubessem se o tubarão era o mesmo peixe que haviam observado do lado do Atlântico.

Os tubarões podem ser identificados por suas marcações individuais e às vezes por feridas curadas.

Durante anos, as viagens de tubarões-frade foram um mistério para os cientistas. Tubarões-frade do nordeste dos Estados Unidos não são vistos no inverno. Eles parecem desaparecer das águas frias dos oceanos Atlântico e Pacífico. No entanto, estudos publicados na revista Current Biology estão fornecendo pistas sobre o mistério.

Os estudos descobriram que os tubarões foram para as águas mais quentes do Atlântico durante o inverno. Os animais fizeram um bom trabalho ao ficarem escondidos da vista. Nadaram em águas de duzentos a mil metros de profundidade.

Como os americanos que vivem em climas frios, alguns dos tubarões viajaram para a Flórida no inverno. Outros foram ainda mais ao sul. Um passou um mês em águas próximas ao Brasil.

Um dos investigadores foi Gregory Skomal, da Divisão de Pesca Marítima de Massachusetts. Ele diz que o peixe provavelmente come mais plâncton nas águas mais quentes.

Hoje, uma grande ameaça para os tubarões vem da sopa de barbatana de tubarão. A popularidade da sopa aumentou muito ao longo dos anos. A pesca pode ganhar muito dinheiro por até um quilograma de barbatana de tubarão.

Finning, como é chamado, é um grande negócio. Significa cortar as barbatanas de um tubarão vivo. Os pescadores cortam as barbatanas do tubarão e jogam o animal de volta na água. O tubarão sangra até a morte no fundo do oceano.

Muitos grupos de proteção animal e pessoas em todo o mundo denunciaram o financiamento como cruel. Algumas áreas baniram esta atividade. Mas é difícil impor a proibição em muitos lugares.

Ann Luskey é uma ativista do meio ambiente marinho do mundo. Ela mora em um barco e muitas vezes mergulha para assistir a vida subaquática. Seus três filhos participaram de um projeto de gravação incomum. A família espera que a música atraia a atenção para a necessidade de cuidar bem da terra e de seus mares.

Uma das gravações é uma música de hip-hop chamada “Shark Fin Soup”. Exorta as pessoas a não comerem a sopa porque ameaça tubarões.

Esta CIÊNCIA NAS NOTÍCIAS foi escrita por Jerilyn Watson.