Pinguins-imperador sobrevivem no clima mais extremo do mundo – Emperor Penguins Survive in World’s Most Extreme Climate

Áudio Pinguins-imperador sobrevivem no clima mais extremo do mundo

Texto Pinguins-imperador sobrevivem no clima mais extremo do mundo

I’m Steve Ember. And I’m Faith Lapidus with EXPLORATIONS in VOA Special English.

Today, we tell about a very special bird called the emperor penguin. This bird struggles to survive in one of the most extreme climates in the world.

There are seventeen kinds of penguins in the world. All of them live in the southern hemisphere. Only a few species live on the continent of Antarctica at the bottom of the world. The emperor penguins are the largest. They are about one hundred centimeters tall and weigh about thirty kilograms. Their special method of mating makes them different from all other penguins.

For thousands of years the emperor penguins have lived on the freezing continent of Antarctica. These black and white birds live in large groups or colonies. There are about forty emperor penguin colonies on Antarctica. In total, there are about four hundred thousand birds.

These birds spend the summer swimming in the ocean in search of food such as fish and squid. Penguins are not able to fly, but they are excellent swimmers. They can dive as deep as four hundred and sixty meters and hold their breath for up to twenty minutes. But when summer ends, so does this easy time spent by the water. The penguins jump out of the water and onto the ice. They know it is time to find a mate and reproduce.

In order to mate, the penguins must travel many kilometers inland from the ocean. They do this to find a safe area to spend the many months needed to produce and develop an egg. They must find an area with some shelter from the freezing winds.

Hundreds of penguins walk in a single line for up to seventy kilometers to find a mating place. This trip is a long and cold one. Winter is beginning. The days are getting shorter and temperatures are quickly dropping. The trip takes many days. The birds must walk carefully on their short legs through icy areas. When their feet get tired, they slide themselves on their stomachs across the ice.

Once they arrive at the right place, the mating process begins. Males and females walk around and make singing noises as they decide on a mate. They must also memorize their mate’s special song. Penguins are unusual because they stay with the same mate for the entire period of producing a baby penguin or chick.

After the female produces an egg, she must carefully slide it onto her feet. Then she must pass it to her mate. This can be a very difficult act. If the birds are not careful, the egg will fall on the freezing ice. If the egg touches the ice or breaks, the chick will die. All of their hard work will have been wasted. Once the female passes the egg to the male, he places it on his feet and protects it with his body. Both male and female penguins have a special place on their body to protect their young. A piece of skin under their stomachs forms a pocket or pouch where an egg or chick is protected from the cold.

The male penguin incubates the egg for about two months. This means that he keeps it warm while the baby penguin inside the egg develops.

During this time, the mothers must leave the colony and walk many kilometers back to the sea. The females are tired from mating and producing an egg. They are also starving from more than one month without food. During this period, female penguins can lose up to one-third of their body weight. Many do not survive the long walk back to the sea. The ones that do survive dive into the ocean to catch fish. They eat for several months to gain weight. They must also get food for their chicks.

While the mothers are feeding, the hundreds of male penguins work together to survive. They stand very close to one another to form a tight group. This helps them keep warm. They continuously change places. The colder penguins on the outside of the group move to the warmer places on the inside of the group.

Winters in Antarctica are difficult for the penguins. There are only a few hours of sunlight a day. Temperatures can drop to minus fifty degrees Celsius. Air masses called catabatic winds blow over the continent at speeds of up to two hundred kilometers per hour.

The penguins have developed special bodies to survive such freezing temperatures. They can control their body temperature with a special system of blood exchange. The centers of their bodies keep warm, while the outer parts of their bodies stay almost as cold as the outside temperatures.

Another way they survive the cold is by releasing a special oil from their skin. This oil helps waterproof the feathers that cover their bodies. A layer of air between their skin and the oil provides protection from the cold. Also, they have a thick layer of body fat that further protects them from the cold.

Two months later, the females return to the colony and must find their mates. Many of the chicks have hatched and come out of their eggs. The family is united for the first time. However, the father must leave immediately to go feed in the ocean. He has not eaten for more than three months and has lost a great deal of weight. Before he leaves, though, he must learn the voice of his chick. The chick also memorizes his father’s voice. When the father returns, he must be able to identify his chick in order to bring it food.

The male and female penguins continue to take turns caring for their chick and bringing back food from the sea. When the chicks are about one month old, they start to spend time outside their parents’ pouch. When they get bigger, the chicks stay together in large groups. Their parents still bring them food. But when they are about five months old, the chicks must feed themselves. They make their first trip to the ocean.

However, not all the chicks survive this long. About twenty-five percent die due to starvation or cold. Some chicks are hunted and killed by large birds called giant petrels. However, if the chicks survive their first year, they generally live through adulthood. When they reach the age of five years, it is time for the young penguins to mate. A new generation begins this special mating process of travel and survival.

In two thousand five, a French filmmaker named Luc Jacquet released a film about these special birds. The film is called “March of the Penguins.” It beautifully shows how the birds survive in the extreme environment of Antarctica. This rare look at their lives is truly special.

You can see the penguins walking across the white ice of Antarctica. Diving deep into the ocean waters. Moving their egg carefully from the mother’s feet to the father’s feet. Crowding together to keep warm in a snowstorm. Kissing their newly hatched chicks.

“March of the Penguins” is the first full-length film to show the life of the emperor penguin. The crew chose to film a colony of penguins that was near a scientific research center. This way, the filmmakers had a base where they could live. They were also able to cooperate with the nearby Institute for Polar Research.

Producing this film was very difficult. The movie crew had to survive the extreme cold for a whole year of filming. If the weather was too bad, they could not go outside and film. Also, trying to film the birds from very close up was not easy. The filmmakers had to be very careful not to harm the penguins. They made special devices that helped them get close to the penguins without interfering with them. Luc Jacquet even hired a specialist to film the underwater scenes.

“March of the Penguins” was difficult to make for other technical reasons. The crew had to have special cameras made that could work in extremely cold temperatures. Also, they could not watch what they had filmed. This is because they did not have the equipment to develop the film. So, they had to remember the details of every picture they took and hope they turned out well. When they finished filming, they had more than one hundred twenty hours of film.

Director Luc Jacquet says his film crew had to treat the penguins with care and consideration. He says his movie is a story of bravery and excitement. He also calls his movie about the emperor penguins one of the most beautiful love stories on Earth.

This program was written and produced by Dana Demange. I’m Faith Lapidus. And I’m Steve Ember. Join us again next week for EXPLORATIONS in VOA Special English.

Tradução Pinguins-imperador sobrevivem no clima mais extremo do mundo

Eu sou Steve Ember. E eu sou Faith Lapidus com EXPLORATIONS no VOA Special English.

Hoje, falamos de um pássaro muito especial chamado pinguim-imperador. Este pássaro luta para sobreviver em um dos climas mais extremos do mundo.

Existem dezessete tipos de pinguins no mundo. Todos eles vivem no hemisfério sul. Apenas algumas espécies vivem no continente da Antártica, no fundo do mundo. Os pinguins-imperador são os maiores. Eles têm cerca de cem centímetros de altura e pesam cerca de trinta quilos. Seu método especial de acasalamento os torna diferentes de todos os outros pinguins.

Por milhares de anos, os pinguins-imperador vivem no continente gelado da Antártica. Esses pássaros em preto e branco vivem em grandes grupos ou colônias. Existem cerca de quarenta colônias de pinguins-imperador na Antártica. No total, existem cerca de quatrocentos mil pássaros.

Esses pássaros passam o verão nadando no oceano em busca de alimentos como peixes e lulas. Os pinguins não conseguem voar, mas são excelentes nadadores. Eles podem mergulhar até quatrocentos e sessenta metros e prender a respiração por até vinte minutos. Mas quando o verão termina, esse tempo fácil passa pela água. Os pinguins saltam da água e caem no gelo. Eles sabem que é hora de encontrar um parceiro e se reproduzir.

Para acasalar, os pinguins devem viajar muitos quilômetros para o interior do oceano. Eles fazem isso para encontrar uma área segura para passar os muitos meses necessários para produzir e desenvolver um ovo. Eles devem encontrar uma área com algum abrigo contra os ventos congelantes.

Centenas de pinguins andam em uma única linha por até setenta quilômetros para encontrar um local de acasalamento. Esta viagem é longa e fria. O inverno está começando. Os dias estão ficando mais curtos e as temperaturas estão caindo rapidamente. A viagem leva muitos dias. Os pássaros devem andar com cuidado nas pernas curtas por áreas geladas. Quando seus pés se cansam, eles deslizam de bruços sobre o gelo.

Quando eles chegam ao lugar certo, o processo de acasalamento começa. Machos e fêmeas andam por aí e fazem barulhos de canto enquanto decidem sobre um companheiro. Eles também devem memorizar a música especial de seu companheiro. Os pinguins são incomuns porque ficam com o mesmo companheiro durante todo o período de produção de um bebê pinguim ou pintinho.

Depois que a fêmea produz um ovo, ela deve deslizá-lo cuidadosamente sobre os pés. Então ela deve passar para seu companheiro. Este pode ser um ato muito difícil. Se os pássaros não tomarem cuidado, o ovo cairá no gelo congelante. Se o ovo tocar o gelo ou partir, o filhote morrerá. Todo o seu trabalho duro foi desperdiçado. Uma vez que a fêmea passa o ovo para o macho, ele o coloca em pé e o protege com seu corpo. Tanto os pinguins quanto as fêmeas têm um lugar especial no corpo para proteger seus filhotes. Um pedaço de pele sob o estômago forma um bolso ou bolsa onde um ovo ou pintinho é protegido do frio.

O pinguim macho incuba o ovo por cerca de dois meses. Isso significa que ele a aquece enquanto o bebê pinguim dentro do ovo se desenvolve.

Durante esse período, as mães devem deixar a colônia e caminhar muitos quilômetros de volta ao mar. As fêmeas estão cansadas de acasalar e produzir um ovo. Eles também estão morrendo de fome por mais de um mês sem comida. Durante este período, os pinguins fêmeas podem perder até um terço do seu peso corporal. Muitos não sobrevivem à longa caminhada de volta ao mar. Os que sobrevivem mergulham no oceano para pescar. Eles comem por vários meses para ganhar peso. Eles também devem conseguir comida para seus filhotes.

Enquanto as mães estão se alimentando, as centenas de pinguins machos trabalham juntos para sobreviver. Eles estão muito próximos um do outro para formar um grupo restrito. Isso os ajuda a se aquecer. Eles mudam de lugar continuamente. Os pinguins mais frios do lado de fora do grupo se movem para os locais mais quentes do lado de dentro do grupo.

Os invernos na Antártica são difíceis para os pinguins. Existem apenas algumas horas de luz solar por dia. As temperaturas podem cair para menos cinquenta graus Celsius. Massas de ar chamadas ventos catabáticos sopram sobre o continente a velocidades de até duzentos quilômetros por hora.

Os pinguins desenvolveram corpos especiais para sobreviver a temperaturas tão baixas. Eles podem controlar a temperatura do corpo com um sistema especial de troca sanguínea. Os centros de seus corpos mantêm-se quentes, enquanto as partes externas de seus corpos permanecem quase tão frias quanto as temperaturas externas.

Outra maneira de sobreviver ao frio é liberando um óleo especial da pele. Este óleo ajuda a impermeabilizar as penas que cobrem seus corpos. Uma camada de ar entre a pele e o óleo fornece proteção contra o frio. Além disso, eles têm uma espessa camada de gordura corporal que os protege ainda mais do frio.

Dois meses depois, as fêmeas retornam à colônia e precisam encontrar seus parceiros. Muitos dos filhotes nasceram e saem de seus ovos. A família está unida pela primeira vez. No entanto, o pai deve sair imediatamente para se alimentar no oceano. Ele não come há mais de três meses e perdeu muito peso. Antes de partir, ele precisa aprender a voz de seu filhote. A garota também memoriza a voz de seu pai. Quando o pai retorna, ele deve ser capaz de identificar o filhote para trazer comida.

Os pinguins machos e fêmeas continuam se revezando cuidando de seus filhotes e trazendo comida do mar. Quando os filhotes têm cerca de um mês, começam a passar o tempo fora da bolsa dos pais. Quando crescem, os filhotes ficam juntos em grandes grupos. Seus pais ainda lhes trazem comida. Mas quando eles têm cerca de cinco meses, os filhotes devem se alimentar. Eles fazem sua primeira viagem ao oceano.

No entanto, nem todos os filhotes sobrevivem por tanto tempo. Cerca de 25% morrem devido à fome ou ao frio. Alguns filhotes são caçados e mortos por grandes pássaros chamados petréis gigantes. No entanto, se os filhotes sobrevivem ao primeiro ano, geralmente vivem até a idade adulta. Quando atingem a idade de cinco anos, é hora dos jovens pinguins se acasalarem. Uma nova geração inicia esse processo especial de acasalamento de viagens e sobrevivência.

Em dois mil e cinco, um cineasta francês chamado Luc Jacquet lançou um filme sobre esses pássaros especiais. O filme se chama “Marcha dos Pinguins”. Mostra lindamente como os pássaros sobrevivem no ambiente extremo da Antártica. Esse raro olhar para suas vidas é verdadeiramente especial.

Você pode ver os pinguins atravessando o gelo branco da Antártica. Mergulhando profundamente nas águas do oceano. Movendo o ovo cuidadosamente dos pés da mãe para os pés do pai. Aglomerando-se para se aquecer em uma tempestade de neve. Beijando seus filhotes recém-nascidos.

“March of the Penguins” é o primeiro filme completo a mostrar a vida do pinguim-imperador. A equipe escolheu filmar uma colônia de pinguins que ficava perto de um centro de pesquisa científica. Dessa forma, os cineastas tinham uma base onde poderiam viver. Eles também foram capazes de cooperar com o vizinho Institute for Polar Research.

Produzir este filme foi muito difícil. A equipe de filmagem teve que sobreviver ao frio extremo por um ano inteiro de filmagens. Se o tempo estivesse ruim, eles não poderiam sair para filmar. Além disso, tentar filmar os pássaros de muito perto não foi fácil. Os cineastas tiveram que ter muito cuidado para não prejudicar os pinguins. Eles fizeram dispositivos especiais que os ajudaram a se aproximar dos pinguins sem interferir com eles. Luc Jacquet até contratou um especialista para filmar as cenas subaquáticas.

“Marcha dos pinguins” foi difícil de fazer por outras razões técnicas. A equipe precisava de câmeras especiais que pudessem funcionar em temperaturas extremamente baixas. Além disso, eles não podiam assistir ao que haviam filmado. Isso ocorre porque eles não tinham o equipamento para desenvolver o filme. Então, eles tiveram que se lembrar dos detalhes de todas as fotos que tiraram e torcer para que saíssem bem. Quando terminaram de filmar, tinham mais de cento e vinte horas de filme.

O diretor Luc Jacquet diz que sua equipe de filmagem teve que tratar os pinguins com cuidado e consideração. Ele diz que seu filme é uma história de bravura e emoção. Ele também chama seu filme sobre os pinguins-imperadores uma das mais belas histórias de amor da Terra.

Este programa foi escrito e produzido por Dana Demange. Eu sou Faith Lapidus. E eu sou Steve Ember. Junte-se a nós novamente na próxima semana para EXPLORAÇÕES no VOA Special English.