O que significa ser um bom samaritano – What It Means to Be a Good Samaritan

Áudio O que significa ser um bom samaritano

Texto O que significa ser um bom samaritano

Welcome to THIS IS AMERICA in VOA Special English. I’m Steve Ember.

And I’m Faith Lapidus. Someone who stops to help a stranger is known as a good Samaritan. This week on our program, we talk about good Samaritans and what laws and science say about them.

The term “good Samaritan” comes from a story in the Christian bible. We asked a local minister here in Washington to tell us the story.

AARON GRAHAM: “I’m Aaron Graham, lead pastor of the District Church in Washington, DC.”

He says in the Gospel of Luke, a legal expert asks Jesus what it means to love your neighbor.

AARON GRAHAM: “Rather than Jesus giving him a lecture in who his neighbor is, he actually tells a story about a Jewish guy who’s on his way up to Jericho from Jerusalem who gets beat up and robbed.”

The injured man is lying by the side of the road. Two people walk by. They do not stop to help him. In fact, they walk on the other side of the road to avoid him. Finally, someone from Samaria — a Samaritan — comes along.

AARON GRAHAM: “The Samaritan cares for this Jewish guy, he bandages his wounds, he takes him to the inn, and then he even foots the bill for him.”

Reverend Graham points out that the Samaritans and the Jews were enemies at that time. But that did not stop the “Good Samaritan” from helping the injured man.

This idea of helping anyone who needs help is common among cultures and religions.

AARON GRAHAM: “This is a familiar story even beyond the Christian community. One of the things that unites many faiths is this call to love our neighbor. “

Helping others may be a religious duty. But some current research suggests that humans may also have a biological urge, an impulse, to help each other.

Robert Sussman and Robert Cloninger are professors at Washington University in St. Louis, in the state of Missouri. They worked together on a new book about working together. The book is called “Origins of Altruism and Cooperation.” It brings together work by researchers who study crime, brains, genes, history and other subjects.

Bob Sussman is an anthropologist. Robert Cloninger is a professor of psychiatry in the School of Medicine. Dr. Cloninger says social animals, including humans, need to cooperate to survive.

ROBERT CLONINGER: “The need to be a social animal was probably a response to people not being safe just living — functioning in a solitary way. If they’re out in the open field in the bright sunlight they’re easily spotted, but in groups they’re safer.”

ROBERT SUSSMAN: “We think cooperation is the core of social living animals, whereas most people who talk about cooperation think it’s a by-product of competition.”

In other words, in their view, humans first had to learn to cooperate in order to live in groups. Dr. Cloninger suggests that, as a result, people became more intelligent.

This intelligence, he says, helped early people act in a way that was good not just for themselves but also for other people.

The desire to help others can take many forms, including charitable giving.

Aaron Graham told us what his church did on September eleventh to mark the tenth anniversary of the terrorist attacks on the United States. Most of the members are young people seeking experience by working for free in Washington. That Sunday they collected money to help people suffering from the famine in parts of Somalia.

AARON GRAHAM: “I was hoping we could raise a couple thousand dollars. But people gave so generously. They gave fifteen thousand dollars on that Sunday morning.”

Charitable giving in the United States last year totaled about two hundred ninety billion dollars. That was up from two hundred eighty billion the year before. Contributions dropped in two thousand nine and two thousand eight as a result of the Great Recession.

Giving money to a charity could be seen as one way of choosing to be a good Samaritan. But some American states have laws that require people to help in certain situations.

John Mikhail is a law professor at Georgetown University in Washington. He says there are two kinds of so-called good Samaritan laws. These are different from rules requiring teachers, for example, to report child abuse.

One type of good Samaritan law establishes a duty to rescue. This kind of law says people must rescue a stranger who needs help, if it is easy to do so. For instance, a person might have a duty to call out to someone who is about to step into the street and get hit by a car.

Professor Mikhail says the punishment for failing to rescue might be a fine or perhaps jail time. But few states have such laws, he says, pointing out that this kind of law raises questions.

JOHN MIKHAIL: “How much aid are you supposed to render someone who’s in need? Why doesn’t that apply to the easy case of sending fifty dollars to Oxfam to save a life around the world, or at least someone here at home who’s starving and who could easily have harm prevented by your small effort?”

The second type of good Samaritan law protects people who choose to help others.

JOHN MIKHAIL: “Imagine the situation of a doctor on an airplane, or someone calls for a doctor. One type of law that’s been pretty sensibly passed is a law that would protect the doctor who offers help in that kind of situation from lawsuits, unless they are grossly negligent.”

All fifty states have some kind of law that protects good Samaritans in a medical emergency. In July, New York became the latest state to pass a law protecting people who call for help when someone has a drug overdose.

In these cases, the witnesses may not want to call emergency services because they are afraid of getting arrested for having drugs. But New York and a few other states have decided that people who act as good Samaritans in these situations should not have to worry about getting arrested.

Professor Mikhail says good Samaritan laws protect the intuition, the natural sense, that people have to help others in need.

JOHN MIKHAIL: “Couple interesting points about this. One is that the intuition is shared even by young children. And the second is that the intuition is shared across the world.”

And he should know. John Mikhail is the author of a new book called “Elements of Moral Cognition.” It describes experiments in which he and his colleagues asked people about situations where someone needed help. Professor Mikhail says everyone, no matter what country they were from, expressed a willingness to intervene.

Yet last month there was the story of a two-year-old girl in southern China who was hit by a truck at a street market. Security cameras showed that for seven minutes, no one stopped to help. Then another truck hit her. Finally, a stranger pulled the child to the side of the road. Wang Yue died in a hospital more than a week later.

Her tragic story led to debate and discussion in China and elsewhere about what it means to be a good Samaritan.

Similar questions followed a recent case involving a murder in the United States. One woman killed another after business hours at a Lululemon Athletica store in Bethesda, Maryland, where they both worked. During the trial, the manager of a neighboring Apple store admitted that she and another employee heard the attack but took no action. “What’s scarier? The slaying, or the bystanders who heard and did nothing?” read one headline in a column in the Washington Post.

So why don’t people always help? Social scientists have spent years studying what they call the bystander effect. This involves the social influences that make groups of people less likely to help as they witness a troubling situation.

But Robert Cloninger, the psychiatrist, says that among individuals, there are many reasons why people may decide not to act. They might feel afraid they are going to get hurt themselves. They might have had bad experiences in the past. Or they might not get pleasure out of being kind to others.

ROBERT CLONINGER: “If someone is repeatedly abused and neglected, they may form abnormal connections with what’s rewarding. Some anti-social people actually become sadistic because of these traumatic past experiences. But that’s an abnormal state of the brain.”

Robert Sussman, the anthropologist, studies apes and other non-human primates as well as humans. He says there is another reason people might not help.

ROBERT SUSSMAN: “Humans have this thing when they think they’re going to be sued. Many of the primates who live in social groups will automatically help in those situations, because they don’t have all of these things that they’ve learned that they could be punished for doing that.”

So what is the solution if fear of getting sued might stop someone from helping? Some activists call for more good Samaritan laws to protect people from lawsuits. But Sheldon Richman has another suggestion. Mr. Richman edits a journal, The Freeman: Ideas on Liberty, that teaches the principles of the free market. He says the solution is to change the system of civil law to not make it so easy to sue other people.

Kristin Schroeder says she did not think about laws or lawsuits the day a woman collapsed at work.

KRISTIN SCHROEDER: “The ideas of laws just don’t even go through my head in a situation like that. What’s going through my head is, I want to help this person.”

The woman was in her mid-twenties. She had suffered cardiac arrest — her heart had suddenly stopped beating.

Ms. Schroeder did CPR, cardiopulmonary resuscitation, to keep blood moving through the woman’s body until emergency help came. The woman survived, thanks to the CPR.

Kristin Schroeder says she thinks laws that protect good Samaritans make sense. But more important, she says, is education.

KRISTIN SCHROEDER: “You can’t fault someone for trying to help. It would be great to educate people with CPR in masses, so that people feel more confident to act.”

Those who might like to be good Samaritans should know that new guidelines say bystanders should use the “hands-only” method of CPR. Hands-only CPR means chest compressions without mouth-to-mouth breathing. To watch a demonstration, go to voaspecialenglish.com for a link to an American Heart Association video.

Our program was written by Kelly Nuxoll and produced by Brianna Blake. I’m Faith Lapidus.

And I’m Steve Ember. You can find transcripts, MP3s and podcasts of our programs at voaspecialenglish.com. Join us again next week for THIS IS AMERICA in VOA Special English.

Correction: An earlier version of this story misidentified Washington University as the University of Washington in St. Louis.

Tradução O que significa ser um bom samaritano

Bem-vindo a ISTO É AMÉRICA no VOA Special English. Eu sou Steve Ember.

E eu sou Faith Lapidus. Alguém que para para ajudar um estranho é conhecido como um bom samaritano. Nesta semana, em nosso programa, falamos sobre bons samaritanos e o que as leis e a ciência dizem sobre eles.

O termo “bom samaritano” vem de uma história da Bíblia cristã. Pedimos a um ministro local aqui em Washington para nos contar a história.

AARON GRAHAM: “Sou Aaron Graham, pastor principal da Igreja Distrital em Washington, DC”.

Ele diz que no evangelho de Lucas, um especialista em direito pergunta a Jesus o que significa amar o próximo.

AARON GRAHAM: “Em vez de Jesus dar uma palestra sobre quem é seu próximo, ele na verdade conta uma história sobre um judeu que está a caminho de Jerusalém, em Jerusalém, para Jericó, que é espancado e roubado”.

O homem ferido está deitado ao lado da estrada. Duas pessoas passam. Eles não param para ajudá-lo. Na verdade, eles andam do outro lado da estrada para evitá-lo. Finalmente, alguém da Samaria – um samaritano – aparece.

AARON GRAHAM: “O samaritano se importa com esse judeu, ele enfaixa as feridas, o leva para a estalagem e até paga a conta”.

O reverendo Graham salienta que os samaritanos e os judeus eram inimigos na época. Mas isso não impediu o “bom samaritano” de ajudar o homem ferido.

Essa idéia de ajudar quem precisa de ajuda é comum entre culturas e religiões.

AARON GRAHAM: “Esta é uma história familiar, mesmo fora da comunidade cristã. Uma das coisas que une muitas crenças é esse chamado para amar o próximo”.

Ajudar os outros pode ser um dever religioso. Mas algumas pesquisas atuais sugerem que os humanos também podem ter um desejo biológico, um impulso, de ajudar um ao outro.

Robert Sussman e Robert Cloninger são professores da Universidade de Washington em St. Louis, no estado do Missouri. Eles trabalharam juntos em um novo livro sobre como trabalhar juntos. O livro é chamado “Origens do altruísmo e cooperação”. Reúne trabalhos de pesquisadores que estudam crime, cérebro, genes, história e outros assuntos.

Bob Sussman é um antropólogo. Robert Cloninger é professor de psiquiatria na Faculdade de Medicina. Cloninger diz que animais sociais, incluindo humanos, precisam cooperar para sobreviver.

ROBERT CLONINGER: “A necessidade de ser um animal social provavelmente foi uma resposta às pessoas que não estão seguras apenas vivendo – funcionando de maneira solitária. Se elas estão em campo aberto sob a luz do sol, são facilmente identificadas, mas em grupos, eles são mais seguros “.

ROBERT SUSSMAN: “Achamos que a cooperação é o núcleo dos animais vivos sociais, enquanto a maioria das pessoas que fala sobre cooperação acha que é um subproduto da competição”.

Em outras palavras, na visão deles, os humanos primeiro tiveram que aprender a cooperar para viver em grupos. Dr. Cloninger sugere que, como resultado, as pessoas se tornaram mais inteligentes.

Essa inteligência, diz ele, ajudou as pessoas a agir de uma maneira que era boa não apenas para si, mas também para outras pessoas.

O desejo de ajudar os outros pode assumir várias formas, incluindo doações de caridade.

Aaron Graham nos contou o que sua igreja fez no dia 11 de setembro para marcar o décimo aniversário dos ataques terroristas aos Estados Unidos. A maioria dos membros é formada por jovens que procuram experiência trabalhando de graça em Washington. Naquele domingo, eles arrecadaram dinheiro para ajudar as pessoas que sofrem com a fome em partes da Somália.

AARON GRAHAM: “Eu esperava que pudéssemos levantar alguns milhares de dólares. Mas as pessoas deram tão generosamente. Eles deram quinze mil dólares naquela manhã de domingo”.

As doações de caridade nos Estados Unidos no ano passado totalizaram cerca de duzentos e noventa bilhões de dólares. Isso foi superior a duzentos e oitenta bilhões no ano anterior. As contribuições caíram em dois mil nove e dois mil e oito como resultado da Grande Recessão.

Dar dinheiro a uma instituição de caridade pode ser visto como uma maneira de escolher ser um bom samaritano. Mas alguns estados americanos têm leis que exigem que as pessoas ajudem em determinadas situações.

John Mikhail é professor de direito na Universidade de Georgetown, em Washington. Ele diz que existem dois tipos das chamadas boas leis samaritanas. Eles são diferentes das regras que exigem que os professores, por exemplo, denunciem abuso infantil.

Um tipo de boa lei samaritana estabelece o dever de resgatar. Esse tipo de lei diz que as pessoas devem resgatar um estranho que precisa de ajuda, se for fácil. Por exemplo, uma pessoa pode ter o dever de chamar alguém que está prestes a entrar na rua e ser atropelado por um carro.

O professor Mikhail diz que a punição por não conseguir resgatar pode ser uma multa ou talvez uma pena de prisão. Mas poucos estados têm essas leis, diz ele, apontando que esse tipo de lei levanta questões.

JOHN MIKHAIL: “Quanta ajuda você deve prestar a alguém que precisa? Por que isso não se aplica ao caso fácil de enviar cinquenta dólares à Oxfam para salvar uma vida em todo o mundo, ou pelo menos alguém aqui em casa que está morrendo de fome? e quem poderia facilmente ter o dano impedido por seu pequeno esforço? “

O segundo tipo de boa lei samaritana protege as pessoas que optam por ajudar os outros.

JOHN MIKHAIL: “Imagine a situação de um médico em um avião, ou alguém chame um médico. Um tipo de lei que foi sensatamente aprovada é uma lei que protegeria o médico que oferece ajuda nesse tipo de situação de processos judiciais, a menos que eles são grosseiramente negligentes “.

Todos os cinquenta estados têm algum tipo de lei que protege os bons samaritanos em uma emergência médica. Em julho, Nova York se tornou o último estado a aprovar uma lei que protege as pessoas que pedem ajuda quando alguém sofre de overdose de drogas.

Nesses casos, as testemunhas podem não querer ligar para os serviços de emergência porque têm medo de serem presas por usar drogas. Mas Nova York e alguns outros estados decidiram que as pessoas que são boas samaritanas nessas situações não devem se preocupar em ser presas.

O professor Mikhail diz que as boas leis samaritanas protegem a intuição, o senso natural, de que as pessoas precisam ajudar os necessitados.

JOHN MIKHAIL: “Alguns pontos interessantes sobre isso. Um é que a intuição é compartilhada até por crianças pequenas. E o segundo é que a intuição é compartilhada em todo o mundo”.

E ele deveria saber. John Mikhail é o autor de um novo livro chamado “Elements of Moral Cognition”. Ele descreve experimentos em que ele e seus colegas perguntaram às pessoas sobre situações em que alguém precisava de ajuda. O professor Mikhail diz que todos, independentemente do país de origem, manifestaram vontade de intervir.

No entanto, no mês passado, houve a história de uma menina de dois anos no sul da China que foi atropelada por um caminhão em um mercado de rua. As câmeras de segurança mostraram que, por sete minutos, ninguém parou para ajudar. Então outro caminhão a atingiu. Finalmente, um estranho puxou a criança para o lado da estrada. Wang Yue morreu em um hospital mais de uma semana depois.

Sua história trágica levou a debates e discussões na China e em outros lugares sobre o que significa ser um bom samaritano.

Perguntas semelhantes seguiram um caso recente envolvendo um assassinato nos Estados Unidos. Uma mulher matou outra após o horário comercial em uma loja Lululemon Athletica em Bethesda, Maryland, onde ambas trabalhavam. Durante o julgamento, o gerente de uma loja da Apple vizinha admitiu que ela e outro funcionário ouviram o ataque, mas não tomaram nenhuma atitude. “O que é mais assustador? Os matadores, ou os espectadores que ouviram e não fizeram nada? leia uma manchete em uma coluna no Washington Post.

Então, por que as pessoas nem sempre ajudam? Cientistas sociais passaram anos estudando o que chamam de efeito espectador. Isso envolve as influências sociais que tornam os grupos de pessoas menos propensos a ajudar, pois testemunham uma situação preocupante.

Mas Robert Cloninger, psiquiatra, diz que entre os indivíduos, há muitas razões pelas quais as pessoas podem decidir não agir. Eles podem sentir medo de se machucar. Eles podem ter tido más experiências no passado. Ou eles podem não ter prazer em ser gentis com os outros.

ROBERT CLONINGER: “Se alguém é repetidamente abusado e negligenciado, pode formar conexões anormais com o que é recompensador. Algumas pessoas anti-sociais ficam realmente sádicas por causa dessas experiências traumáticas do passado. Mas esse é um estado anormal do cérebro”.

Robert Sussman, o antropólogo, estuda macacos e outros primatas não humanos, bem como humanos. Ele diz que há outra razão pela qual as pessoas podem não ajudar.

ROBERT SUSSMAN: “Os humanos têm isso quando pensam que serão processados. Muitos dos primatas que vivem em grupos sociais automaticamente ajudarão nessas situações, porque não têm todas essas coisas que aprenderam. que eles poderiam ser punidos por fazer isso “.

Então, qual é a solução se o medo de ser processado pode impedir alguém de ajudar? Alguns ativistas pedem mais leis samaritanas para proteger as pessoas de ações judiciais. Mas Sheldon Richman tem outra sugestão. Richman edita um diário, The Freeman: Ideas on Liberty, que ensina os princípios do mercado livre. Ele diz que a solução é mudar o sistema de direito civil para não facilitar a ação de outras pessoas.

Kristin Schroeder diz que não pensou em leis ou processos no dia em que uma mulher entrou em colapso no trabalho.

KRISTIN SCHROEDER: “As idéias de leis nem sequer passam pela minha cabeça em uma situação como essa. O que está passando pela minha cabeça é: eu quero ajudar essa pessoa”.

A mulher tinha vinte e poucos anos. Ela sofreu uma parada cardíaca – seu coração parou de repente de bater.

Schroeder fez RCP, ressuscitação cardiopulmonar, para manter o sangue circulando pelo corpo da mulher até a ajuda emergencial. A mulher sobreviveu, graças à RCP.

Kristin Schroeder diz que acha que as leis que protegem os bons samaritanos fazem sentido. Mas o mais importante, ela diz, é a educação.

KRISTIN SCHROEDER: “Você não pode culpar alguém por tentar ajudar. Seria ótimo educar pessoas com RCP em massa, para que as pessoas se sintam mais confiantes para agir.”

Aqueles que gostariam de ser bons samaritanos devem saber que as novas diretrizes dizem que os espectadores devem usar o método “apenas com as mãos” da RCP. RCP somente com as mãos significa compressões torácicas sem respiração boca a boca. Para assistir a uma demonstração, acesse voaspecialenglish.com para obter um link para um vídeo da American Heart Association.

Nosso programa foi escrito por Kelly Nuxoll e produzido por Brianna Blake. Eu sou Faith Lapidus.

E eu sou Steve Ember. Você pode encontrar transcrições, MP3s e podcasts de nossos programas em voaspecialenglish.com. Junte-se a nós novamente na próxima semana para ESTA IS AMÉRICA no VOA Special English.

Correção: Uma versão anterior dessa história identificou erroneamente a Universidade de Washington como a Universidade de Washington em St. Louis.