Morcegos e piscicultura em Inglês – Bats and Fish Farming

Áudio Morcegos e piscicultura em Inglês

Texto Morcegos e piscicultura em Inglês

I’m Barbara Klein.

And I’m Mario Ritter with EXPLORATIONS in VOA Special English. Today, we learn about the environmental and agricultural importance of bat populations. And, we visit the “Cod Academy,” a training program for fishers in the American state of Maine.

Bats
The United Nations has declared twenty eleven to twenty twelve the Year of the Bat. The campaign was launched last year as a way to strengthen efforts for protecting the world’s only flying mammal.

These creatures can be found in many parts of the world. Bats live in cities, deserts, grasslands and forests. There are over one thousand two hundred bat species.

The smallest bat in the world is from Southeast Asia. The Bumblebee bat measures about thirty millimeters in length. The world’s largest bat, the Giant Golden-Crowned Flying Fox, has a wingspan of one and a half meters. Most bats eat insects, but many feed on fruit or nectar from flowers.

Many people think bats are blind, but this is not true. Many species have very good sight. Most bats communicate and find their way by making “echolocation” noises. They produce high-frequency noises and can estimate the distance of an object by using the sound echoes that bounce back to them. So, while bats may travel in total darkness, they “see” using sound.

Sadly, bats are widely feared and misunderstood. Most bats come out of their shelters only at nightfall. Three bat species feed on blood. Because of these qualities, bats have long been linked in many cultures to death, darkness and vampires.

Yet bats are important for agriculture and our environment. They help pollinate plants and spread seeds. They also help control insects. Bats eat huge numbers of insects, including kinds that damage crops.

For example, a brown bat can eat more than one thousand insects the size of a mosquito in one hour. One report says bats save American farmers billions of dollars every year by reducing crop damage and limiting the need for chemicals that kill insects. The report was published earlier this year in Science magazine.

Bats have also proved useful in the medical industry. Some bats carry a substance in their saliva that has been manufactured and used in medicine to help stroke victims.

Over one-fifth of all bat species are under threat. They face disease and the human destruction of their natural environments. In the eastern United States, a disease called white-nose syndrome has greatly damaged bat populations over the past five years. The organization Bat Conservation International says white-nose syndrome has killed more than a million bats since it was discovered in a New York cave in two thousand six. In some areas, the disease has killed nearly one hundred percent of bat populations.

White-nose syndrome has now spread to at least nineteen other states and parts of Canada. The name of the disease comes from a white fungus found on the faces and wings of infected bats. The disease causes the creatures to awaken more often during hibernation, the period when they normally rest. Infected bats leave their shelters during winter and can freeze to death. Or they may use up stored body fat and starve to death.

Leslie Sturges is doing what she can to save bats. She is the director of Bat World NOVA, a bat protection group in the Washington, D.C. area. She cares for injured bats in the basement of her home. Then she releases them back into the wild.

LESLIE STURGES: “You hear a lot of people refer to bats as filthy. But they aren’t. They groom like cats and dogs do. They use these toes back here to actually comb their fur coat out.”

Ms. Sturges also talks about the importance of bats during visits to schools and nature centers. Her goal is to support their protection by bringing attention to the good things that bats provide to people and the environment.

She and her assistant are caring for about thirty injured, sick or orphaned bats this summer.

When the bats are healthy, she moves them to a closed off area next to her home so they can learn once more how to fly.

One of her bats is named Shaggy. She plans to release him, but first wants to make sure he eats well. When the sun sets, she sets him free. But he does not want to leave just yet.

LESLIE STURGES: “So I think what I am going to do is put him back in and let him nap for an hour and I am going to try and release him later tonight. Because he has to go. He can’t live here.”

Ms. Sturges says Shaggy has a good chance of survival because red bats are common in the area.

Fish Farming
Several fishermen in Maine recently completed a study program at the country’s first ever “Cod Academy.” The Maine Aquaculture Association directs the program. It trains fishermen who usually earn a living fishing in the ocean to be fish farmers. The program is aimed at helping commercial fishers to find a new way to carry out their trade.

On a recent morning, a fishing boat left the public dock in the seaside community of Sorrento, Maine. But the men on the boat were not going fishing … they were going farming.

SEBASTIAN BELLE: “Today we’re probably going to be moving cages and sorting codfish so the students will get experience doing that”.

That was Sebastian Belle. He is head of the Maine Aquaculture Association. It operates the new “Cod Academy” in partnership with the University of Maine and other organizations.

About one and a half kilometers out to sea, the boat finds eight circular pens. A rubber tube encloses each one. The pens are covered with netting material to keep out seabirds. Inside each of the fifty-meter wide areas are up to fifty thousand cod. Most of these fish will be served on dinner tables around the world.

This is the only commercial cod farm in Maine. The operator is Great Bay Aquaculture, a fish-farming company. It is one of the partners in the Cod Academy.

Mr. Belle says that during a year, students are taught everything they need to know about operating a floating farm.

SEBASTIAN BELLE: “One of the things we’ve been teaching the students is how to feed the fish and not overfeed the fish. So you want to give them enough feed, and not waste any feed and make it as efficient as possible.”

The fish-farmers in training take turns throwing special fish food into the pen.

Air bubbles appear as thousands of cod come up to feed. They can be seen from the boat with an underwater camera.

Bill Thompson is one of the Cod Academy’s four students. He says the program has showed him that aquaculture, or fish-farming, is a wise choice.

BILL THOMPSON SR: “Even if the wild stocks came back to their fullest capacity they still wouldn’t feed the world. So this is the way of the future. And it’s feasible for a family to run a business also.”

That is why Mr. Thompson’s son is also a student at the academy. Thirty-nine year old Bill Thompson Junior has been a working fisherman for much of his life. He earns a living diving for urchins and fishing for lobster. But he notes that he has a wife and four children to support, so it was time for a change.

BILL THOMPSON JR: “Well I’ve seen a depletion of the source of everything I have been harvesting over the years. I look into the future, I can’t see my kids set up in what I’m doing right now as far as, you know, lobstering, urchining. I don’t want to see them get a source that’s depleting every year.”

Becoming a fish-farmer has its own financial risks. Sebastian Belle says students need to develop a business plan before they can graduate. They will be expected to raise about half of the money they would need for any farm they want to create. Mr. Belle says the “Cod Academy” is based on successful programs started in Japan and Norway more than thirty years ago. Those programs were created to retrain fishers who once caught tuna and herring.

SEBASTIAN BELLE: “It’s never been done before in America and we’re trying to see if it’s a model that has some potential.

Mr. Belle says he hopes the program will help people in Maine realize the huge promise that cod farming holds. He admits aquaculture has its critics. Critics say that crowding fish together in a farm can spread disease and produce unhealthy fish.

But Mr. Belle says Maine’s fish farmers have learned from those mistakes. And he says state inspectors make sure that fish farms obey environmental rules.

The first students of the “Cod Academy” graduated this month. They are now permitted to seek financial aid from the Maine Aquaculture Association to start their own cod-farms.

This program was written and produced by Dana Demange, with reporting by Tom Porter and Jeff Swicord. I’m Barbara Klein.

And I’m Mario Ritter. You can find our programs online with transcripts, MP3s, podcasts and pictures at voaspecialenglish.com Join us again next week for EXPLORATIONS in VOA Special English.

Tradução Morcegos e piscicultura em Inglês

Tradução fornecida pelo Google

Eu sou Barbara Klein.

E eu sou Mario Ritter com EXPLORATIONS in VOA Special English. Hoje, aprendemos sobre a importância ambiental e agrícola das populações de morcegos. E visitamos a “Academia de Bacalhau”, um programa de treinamento para pescadores no estado americano do Maine.

Morcegos
As Nações Unidas declararam vinte e onze a vinte e doze o ano do bastão. A campanha foi lançada no ano passado como uma maneira de fortalecer os esforços para proteger o único mamífero voador do mundo.

Essas criaturas podem ser encontradas em muitas partes do mundo. Morcegos vivem em cidades, desertos, prados e florestas. Existem mais de mil e duzentas espécies de morcegos.

O menor morcego do mundo é do Sudeste Asiático. O morcego Bumblebee mede cerca de trinta milímetros de comprimento. O maior morcego do mundo, a Raposa voadora gigante com coroa de ouro, tem uma envergadura de um metro e meio. A maioria dos morcegos come insetos, mas muitos se alimentam de frutas ou néctar das flores.

Muitas pessoas pensam que os morcegos são cegos, mas isso não é verdade. Muitas espécies têm uma visão muito boa. A maioria dos morcegos se comunica e encontra seu caminho fazendo ruídos de “ecolocalização”. Eles produzem ruídos de alta frequência e podem estimar a distância de um objeto usando os ecos sonoros que retornam a eles. Assim, enquanto os morcegos podem viajar na escuridão total, eles “veem” usando o som.

Infelizmente, os morcegos são amplamente temidos e incompreendidos. A maioria dos morcegos sai de seus abrigos apenas ao anoitecer. Três espécies de morcegos se alimentam de sangue. Por causa dessas qualidades, os morcegos têm sido ligados em muitas culturas à morte, escuridão e vampiros.

No entanto, os morcegos são importantes para a agricultura e o meio ambiente. Eles ajudam a polinizar plantas e espalhar sementes. Eles também ajudam a controlar insetos. Os morcegos comem um grande número de insetos, incluindo tipos que danificam as plantações.

Por exemplo, um morcego marrom pode comer mais de mil insetos do tamanho de um mosquito em uma hora. Um relatório diz que os morcegos economizam bilhões de dólares aos agricultores americanos todos os anos, reduzindo os danos às culturas e limitando a necessidade de produtos químicos que matam insetos. O relatório foi publicado no início deste ano na revista Science.

Os morcegos também se mostraram úteis na indústria médica. Alguns morcegos carregam uma substância na saliva que foi fabricada e usada na medicina para ajudar as vítimas de derrame.

Mais de um quinto de todas as espécies de morcegos está ameaçado. Eles enfrentam doenças e a destruição humana de seus ambientes naturais. No leste dos Estados Unidos, uma doença chamada síndrome do nariz branco danificou bastante as populações de morcegos nos últimos cinco anos. A organização Bat Conservation International diz que a síndrome do nariz branco matou mais de um milhão de morcegos desde que foi descoberta em uma caverna em Nova York em dois mil e seis. Em algumas áreas, a doença matou quase cem por cento da população de morcegos.

A síndrome do nariz branco já se espalhou para pelo menos dezenove outros estados e partes do Canadá. O nome da doença vem de um fungo branco encontrado nos rostos e asas de morcegos infectados. A doença faz com que as criaturas acordem com mais frequência durante a hibernação, o período em que normalmente descansam. Os morcegos infectados deixam seus abrigos durante o inverno e podem congelar até a morte. Ou eles podem usar a gordura corporal armazenada e morrer de fome.

Leslie Sturges está fazendo o que pode para salvar morcegos. Ela é diretora do Bat World NOVA, um grupo de proteção de morcegos na área de Washington, D.C. Ela cuida de morcegos feridos no porão de sua casa. Então ela os libera de volta à natureza.

LESLIE STURGES: “Você ouve muitas pessoas se referindo aos morcegos como imundos. Mas eles não são. Eles se preparam como cães e gatos. Eles usam esses dedos aqui para pentear seu casaco de pele.

Sturges também fala sobre a importância dos morcegos durante visitas a escolas e centros naturais. Seu objetivo é apoiar a proteção deles, chamando a atenção para as coisas boas que os morcegos fornecem às pessoas e ao meio ambiente.

Ela e seu assistente estão cuidando de cerca de trinta morcegos feridos, doentes ou órfãos neste verão.

Quando os morcegos estão saudáveis, ela os move para uma área fechada ao lado de sua casa, para que possam aprender mais uma vez a voar.

Um de seus morcegos se chama Shaggy. Ela planeja libertá-lo, mas primeiro quer ter certeza de que ele come bem. Quando o sol se põe, ela o liberta. Mas ele não quer sair ainda.

LESLIE STURGES: “Então eu acho que o que vou fazer é colocá-lo de volta e deixá-lo cochilar por uma hora e vou tentar libertá-lo mais tarde esta noite. Porque ele tem que ir. Ele não pode morar aqui. “

Sturges diz que Shaggy tem uma boa chance de sobrevivência porque morcegos vermelhos são comuns na área.

Piscicultura
Vários pescadores do Maine concluíram recentemente um programa de estudos na primeira “Academia do Bacalhau” do país. A Associação de Aquicultura do Maine dirige o programa. Ele treina pescadores que geralmente ganham a vida pescando no oceano para serem piscicultores. O programa visa ajudar os pescadores comerciais a encontrar uma nova maneira de realizar seu comércio.

Em uma manhã recente, um barco de pesca deixou o cais público na comunidade costeira de Sorrento, Maine. Mas os homens no barco não estavam indo pescar … eles estavam indo para a agricultura.

SEBASTIAN BELLE: “Hoje provavelmente vamos mover gaiolas e classificar bacalhau para que os alunos tenham experiência nisso”.

Aquele era Sebastian Belle. Ele é chefe da Associação de Aquicultura do Maine. Opera a nova “Academia de Bacalhau” em parceria com a Universidade do Maine e outras organizações.

A cerca de um quilômetro e meio de distância do mar, o barco encontra oito canetas circulares. Um tubo de borracha envolve cada um. As canetas são cobertas com material de rede para impedir a entrada de aves marinhas. Dentro de cada uma das áreas de cinquenta metros de largura, existem até cinquenta mil bacalhaus. A maioria desses peixes será servida em mesas de jantar em todo o mundo.

Esta é a única fazenda comercial de bacalhau no Maine. O operador é a Great Bay Aquaculture, uma empresa de piscicultura. É um dos parceiros da Academia de Bacalhau.

Belle diz que, durante um ano, os alunos aprendem tudo o que precisam saber sobre como operar uma fazenda flutuante.

SEBASTIAN BELLE: “Uma das coisas que ensinamos aos alunos é como alimentar o peixe e não superalimentá-lo. Então, você deseja dar a eles alimento suficiente, e não desperdiçar nenhum alimento e torná-lo o mais eficiente possível. ”

Os piscicultores em treinamento se revezam jogando comida de peixe especial na caneta.

Bolhas de ar aparecem quando milhares de bacalhau chegam para alimentar. Eles podem ser vistos do barco com uma câmera subaquática.

Bill Thompson é um dos quatro alunos da Cod Academy. Ele diz que o programa mostrou a ele que a aquicultura, ou criação de peixes, é uma escolha sábia.

BILL THOMPSON SR: “Mesmo que os estoques selvagens voltassem à sua capacidade máxima, eles ainda não alimentariam o mundo. Então este é o caminho do futuro. E é possível para uma família administrar um negócio também. “

É por isso que o filho de Thompson também é aluno da academia. Bill Thompson Junior, de 39 anos, é pescador ativo durante grande parte de sua vida. Ele ganha um mergulho vivo para ouriços e pesca de lagosta. Mas ele observa que ele tem uma esposa e quatro filhos para sustentar, então chegou a hora de mudar.

BILL THOMPSON JR: “Bem, eu vi um esgotamento da fonte de tudo o que venho colhendo ao longo dos anos. Eu olho para o futuro, não consigo ver meus filhos configurados no que estou fazendo agora, tanto quanto, você sabe, lagosta, desejo. Não quero que eles obtenham uma fonte que esgote todos os anos. “

Tornar-se um piscicultor tem seus próprios riscos financeiros. Sebastian Belle diz que os alunos precisam desenvolver um plano de negócios antes de se formarem. Espera-se que eles levantem cerca da metade do dinheiro necessário para qualquer fazenda que desejem criar. O Sr. Belle diz que a “Academia do Bacalhau” se baseia em programas bem-sucedidos iniciados no Japão e na Noruega há mais de trinta anos. Esses programas foram criados para treinar novamente os pescadores que capturaram atum e arenque.

SEBASTIAN BELLE: “Isso nunca foi feito antes na América e estamos tentando ver se é um modelo com algum potencial.

Belle diz que espera que o programa ajude as pessoas no Maine a cumprir a enorme promessa que a criação de bacalhau possui. Ele admite que a aquicultura tem seus críticos. Os críticos dizem que agrupar peixes em uma fazenda pode espalhar doenças e produzir peixes não saudáveis.

Mas Belle diz que os criadores de peixes do Maine aprenderam com esses erros. E ele diz que os inspetores estaduais garantem que as fazendas de peixes obedeçam às regras ambientais.

Os primeiros alunos da “Academia Bacalhau” se formaram este mês. Agora, eles podem procurar ajuda financeira da Associação de Aquicultura do Maine para iniciar suas próprias fazendas de bacalhau.

Este programa foi escrito e produzido por Dana Demange, com reportagem de Tom Porter e Jeff Swicord. Eu sou Barbara Klein.

E eu sou Mario Ritter. Você pode encontrar nossos programas on-line com transcrições, MP3s, podcasts e fotos em voaspecialenglish.com Junte-se a nós novamente na próxima semana para EXPLORAÇÕES no VOA Special English.