Macacos transgênicos produzidos no Japão – Transgenic Monkeys Produced in Japan

Áudio Macacos transgênicos produzidos no Japão

Texto Macacos transgênicos produzidos no Japão

This is SCIENCE IN THE NEWS, a program in VOA Special English. I’m Bob Doughty. And I’m Shirley Griffith.

This week, we will tell about a study involving monkeys and a gene from jellyfish. We will tell about an agreement to ban nine dangerous chemicals. We will also report on problems linked to cigarette smoking and alcoholic drinks.

Scientists in Japan say they have produced monkeys with a gene that gives the skin of the animals an unusual look. The skin is said to look bright green under ultraviolet lighting.

The scientists say the monkeys represent an important step in how researchers study human disease. These marmosets are the first fully transgenic primates. Primates are the biological group of animals that includes monkeys and apes. An animal that has received foreign genetic material is considered transgenic.

For almost thirty years, researchers have used transgenic mice to carry out biomedical research. To produce these animals, researchers inject fertilized mice eggs with foreign genes, and then place them in the uterus of a female mouse. The specially chosen genes are then expressed in some of the mouse’s babies.

Transgenic mice help researchers study the appearance and treatment of human diseases. But mice are not as helpful as primates are for studying the behavior of human diseases.

Scientists at Japan’s Central Institute for Experimental Animals led the study that made the transgenic marmosets. The scientists say they injected a green glowing protein found in jellyfish into fertilized marmoset eggs. They chose this gene because it is easy to see with a fluorescent light.

Four of the five marmosets born as part of the experiment carried the foreign gene in several kinds of tissue. The fifth only carried the green protein in its placenta tissue at birth. Two of the animals later showed the foreign gene in their reproductive cells. This means they would pass on the gene for the green protein to their young.

Later, a male transgenic marmoset reproduced and passed on the green gene to a baby. This is the first time scientists have successfully passed on a foreign gene to a future generation. And, it means that transgenic marmosets can be produced from breeding instead of by the lengthy process of injecting fertilized eggs.

The scientists say the marmosets could one day be easily produced for medical research. They could be used to study conditions like Parkinson’s disease and Lou Gehrig’s disease. A report about the experiment was published last month in Nature magazine.

Officials from more than one hundred sixty governments have agreed to ban production of nine of the world’s most dangerous chemicals. The agreement was announced last month at a United Nations conference in Switzerland.

The chemicals are joining twelve other substances that are already banned under a treaty known as the Stockholm Convention. The treaty was signed in two thousand one.

The Stockholm Convention governs some kinds of industrial chemicals and pesticides — products meant to kill insects. These substances can damage the human nervous system and natural defenses against disease. They have also been linked to cancer, reproductive disorders and interfere with normal child development. The substances can also kill people.

Donald Cooper is Executive Secretary of the Stockholm Convention. He says the substances are especially dangerous because they travel through the air and stay in the atmosphere, soil and water. It takes many years for them to weaken. Mr. Cooper says the substances build up in the cells of plants, animals and human beings.

One of the newly banned chemicals is perflurooctane sulfonic acid, or PFOS. It is found in electrical parts and fire-fighting products. Another banned chemical is the pesticide Lindane. It is used in some areas as a treatment for head lice.

The governments at the U.N. conference also reached a decision on another pesticide, DDT. They said they want DDT banned, but recognize that some countries use it to protect people from diseases like malaria. The governments said they will consider a plan that supports safer, effective choices to DDT. And, they hope to ban its use by two thousand ten.

Chronic obstructive pulmonary disease, also known as C.O.P.D., blocks airflow through the lungs. It makes breathing difficult. The leading cause is cigarette smoking. America’s National Institutes of Health says the damage to the lungs cannot be repaired and there is no cure.

Dawn DeMeo is an assistant professor at Harvard Medical School in Massachusetts.

DAWN DeMEO: “By two thousand and twenty, C.O.P.D. will likely be the third leading cause of death across the world.”

C.O.P.D. is a new name for emphysema and chronic bronchitis. These are the two most common forms of the disease. Many people with C.O.P.D. have both of them.

Doctor DeMeo wrote about a study by a team from Harvard’s Brigham and Women’s Hospital and the University of Bergen in Norway. The study adds to findings that women may be more at risk than men for the damaging effects of smoking.

The team examined results from a Norwegian study of more than nine hundred people with C.O.P.D. Inga-Cecilie Soerheim also wrote about the team’s findings. She says they show that women suffered the same severity of C.O.P.D. as men. But, the female smokers were younger and had smoked a lot less.

The team also looked at two groups among the people in the study. These were people under the age of sixty and those who had smoked for less than twenty years. In both cases, women had more severe C.O.P.D. and a greater loss of lung function than men.

The study was presented last month to the American Thoracic Society.

Doctor Soerheim says there are several possible explanations why women may be more at risk from the effects of cigarette smoke than men. Women have smaller airways, she says, so each cigarette may do more harm. Also, there are differences between males and females in the way the body processes cigarette smoke. And, she says, genes and hormones could also play an important part.

Finally, a listener in Taiwan wrote to ask why his face turns red when he drinks alcohol. This effect called facial flushing is a common reaction to alcohol among East Asians. It affects an estimated thirty-six percent of Japanese, Chinese and Koreans.

For many people, even a little alcohol can cause unpleasant effects. Most commonly, their face, neck and sometimes their whole body turns red. People might also feel sick to their stomach and lightheaded. They might experience a burning sensation, increased heart rate, shortness of breath and headaches.

The cause is a genetic difference that some people are born with. It prevents their bodies from processing alcohol the way other people do. But the effects might be more serious than just a red face. Researchers have warned of a link between this condition and an increased risk of cancer of the esophagus from drinking alcohol.

A report about facial flushing appeared recently in PLoS Medicine, a publication of the Public Library of Science. The report says the more alcohol that persons with this deficiency drink, the greater their risk. It estimates that at least five hundred forty million people have the deficiency.

Esophageal cancer is one of the deadliest cancers. It can be treated when found early. But once it grows the chances of survival drop sharply.

Philip Brooks is a researcher at America’s National Institute on Alcohol Abuse and Alcoholism. Doctor Brooks says it is important to educate people about the link between the alcohol flushing effect and esophageal cancer. He says doctors should ask East Asian patients about their experiences with facial flushing after drinking alcohol. Those with a history of it should be advised to limit their alcohol use. They should also be warned that cigarette smoking works with the alcohol in a way that further increases the risk of esophageal cancer.

Tradução Macacos transgênicos produzidos no Japão

Este é o SCIENCE IN THE NEWS , um programa em VOA Special English. Eu sou Bob Doughty. E eu sou Shirley Griffith.

Nesta semana, falaremos sobre um estudo envolvendo macacos e um gene de água-viva. Falaremos sobre um acordo para proibir nove produtos químicos perigosos. Também reportaremos problemas relacionados ao fumo de cigarros e bebidas alcoólicas.

Cientistas no Japão dizem que produziram macacos com um gene que confere à pele dos animais uma aparência incomum. Diz-se que a pele fica verde brilhante sob iluminação ultravioleta.

Os cientistas dizem que os macacos representam um passo importante na maneira como os pesquisadores estudam doenças humanas. Esses saguis são os primeiros primatas totalmente transgênicos. Os primatas são o grupo biológico de animais que inclui macacos e macacos. Um animal que tenha recebido material genético estranho é considerado transgênico.

Por quase trinta anos, os pesquisadores usaram camundongos transgênicos para realizar pesquisas biomédicas. Para produzir esses animais, os pesquisadores injetam ovos de camundongos fertilizados com genes estranhos e os colocam no útero de uma fêmea. Os genes especialmente escolhidos são então expressos em alguns dos bebês do rato.

Camundongos transgênicos ajudam os pesquisadores a estudar a aparência e o tratamento de doenças humanas. Mas os ratos não são tão úteis quanto os primatas no estudo do comportamento de doenças humanas.

Cientistas do Instituto Central para Animais Experimentais do Japão lideraram o estudo que produziu os saguis transgênicos. Os cientistas dizem que injetaram uma proteína verde brilhante encontrada na água-viva em ovos de sagüi fertilizados. Eles escolheram esse gene porque é fácil ver com uma luz fluorescente.

Quatro dos cinco sagüis nascidos como parte do experimento carregavam o gene estranho em vários tipos de tecido. O quinto carregava apenas a proteína verde no tecido da placenta ao nascer. Dois dos animais mais tarde mostraram o gene estranho em suas células reprodutivas. Isso significa que eles passariam o gene da proteína verde para seus filhotes.

Mais tarde, um sagui transgênico masculino se reproduziu e transmitiu o gene verde a um bebê. É a primeira vez que os cientistas transmitem com sucesso um gene estranho para uma geração futura. E isso significa que os sagüis transgênicos podem ser produzidos a partir da reprodução, e não pelo longo processo de injeção de ovos fertilizados.

Os cientistas dizem que os sagüis poderiam um dia ser facilmente produzidos para pesquisas médicas. Eles poderiam ser usados ​​para estudar condições como a doença de Parkinson e a doença de Lou Gehrig. Um relatório sobre o experimento foi publicado no mês passado na revista Nature.

Oficiais de mais de cento e sessenta governos concordaram em proibir a produção de nove dos produtos químicos mais perigosos do mundo. O acordo foi anunciado no mês passado em uma conferência das Nações Unidas na Suíça.

Os produtos químicos estão se juntando a outras doze substâncias que já estão proibidas sob um tratado conhecido como Convenção de Estocolmo. O tratado foi assinado em dois mil e um.

A Convenção de Estocolmo governa alguns tipos de produtos químicos industriais e pesticidas – produtos destinados a matar insetos. Essas substâncias podem danificar o sistema nervoso humano e as defesas naturais contra doenças. Eles também têm sido associados ao câncer, distúrbios reprodutivos e interferem no desenvolvimento normal da criança. As substâncias também podem matar pessoas.

Donald Cooper é Secretário Executivo da Convenção de Estocolmo. Ele diz que as substâncias são especialmente perigosas porque viajam pelo ar e permanecem na atmosfera, no solo e na água. Leva muitos anos para eles enfraquecerem. Cooper diz que as substâncias se acumulam nas células das plantas, animais e seres humanos.

Um dos produtos químicos recentemente proibidos é o ácido perflurooctanossulfônico, ou PFOS. Pode ser encontrada em peças elétricas e produtos de combate a incêndio. Outro produto químico proibido é o pesticida Lindane. É usado em algumas áreas como tratamento para piolhos.

Os governos da conferência da ONU também chegaram a uma decisão sobre outro pesticida, o DDT. Eles disseram que querem o DDT proibido, mas reconhecem que alguns países o usam para proteger as pessoas de doenças como a malária. Os governos disseram que vão considerar um plano que apóia escolhas mais seguras e eficazes para o DDT. E eles esperam proibir seu uso em dois mil e dez.

A doença pulmonar obstrutiva crônica, também conhecida como DPOC, bloqueia o fluxo de ar pelos pulmões. Isso dificulta a respiração. A principal causa é o tabagismo. Os Institutos Nacionais de Saúde dos Estados Unidos dizem que os danos aos pulmões não podem ser reparados e que não há cura.

Dawn DeMeo é professora assistente na Harvard Medical School em Massachusetts.

DAWN DEMEO: “Em dois mil e vinte, a DPOC provavelmente será a terceira principal causa de morte em todo o mundo”.

DPOC é um novo nome para enfisema e bronquite crônica. Estas são as duas formas mais comuns da doença. Muitas pessoas com DPOC têm os dois.

O Dr. DeMeo escreveu sobre um estudo realizado por uma equipe do Hospital Brigham and Women de Harvard e da Universidade de Bergen, na Noruega. O estudo acrescenta às descobertas que as mulheres podem estar mais em risco do que os homens devido aos efeitos prejudiciais do fumo.

A equipe examinou os resultados de um estudo norueguês de mais de novecentas pessoas com DPOC Inga-Cecilie Soerheim também escreveu sobre as descobertas da equipe. Ela diz que mostra que as mulheres sofreram a mesma severidade da DPOC que os homens. Mas, as mulheres fumantes eram mais jovens e haviam fumado muito menos.

A equipe também analisou dois grupos entre as pessoas no estudo. Eram pessoas com menos de sessenta anos e aquelas que fumavam há menos de vinte anos. Nos dois casos, as mulheres apresentaram DPOC mais grave e maior perda de função pulmonar do que os homens.

O estudo foi apresentado no mês passado à American Thoracic Society.

O Dr. Soerheim diz que existem várias explicações possíveis por que as mulheres podem estar mais em risco com os efeitos da fumaça do cigarro do que os homens. As mulheres têm vias aéreas menores, diz ela, então cada cigarro pode causar mais danos. Além disso, existem diferenças entre homens e mulheres na maneira como o corpo processa a fumaça do cigarro. E, ela diz, genes e hormônios também podem desempenhar um papel importante.

Finalmente, um ouvinte em Taiwan escreveu para perguntar por que seu rosto fica vermelho quando ele bebe álcool. Esse efeito chamado rubor facial é uma reação comum ao álcool entre os asiáticos orientais. Afeta cerca de trinta e seis por cento dos japoneses, chineses e coreanos.

Para muitas pessoas, mesmo um pouco de álcool pode causar efeitos desagradáveis. Geralmente, o rosto, o pescoço e, às vezes, todo o corpo ficam vermelhos. As pessoas também podem sentir dores de estômago e tonturas. Eles podem sentir uma sensação de queimação, aumento da frequência cardíaca, falta de ar e dores de cabeça.

A causa é uma diferença genética com a qual algumas pessoas nascem. Impede que seus corpos processem álcool da mesma maneira que outras pessoas. Mas os efeitos podem ser mais graves do que apenas um rosto vermelho. Os pesquisadores alertaram sobre uma ligação entre essa condição e um risco aumentado de câncer de esôfago por consumir álcool.

Um relatório sobre rubor facial apareceu recentemente na PLoS Medicine, uma publicação da Public Library of Science. O relatório diz que quanto mais álcool as pessoas com essa deficiência bebem, maior o risco. Estima-se que pelo menos quinhentos e quarenta milhões de pessoas tenham essa deficiência.

O câncer de esôfago é um dos cânceres mais mortais. Pode ser tratado quando encontrado cedo. Mas uma vez que cresce, as chances de sobrevivência diminuem acentuadamente.

Philip Brooks é pesquisador do Instituto Nacional de Abuso de Álcool e Alcoolismo da América. O médico Brooks diz que é importante educar as pessoas sobre a ligação entre o efeito da liberação de álcool e o câncer de esôfago. Ele diz que os médicos devem perguntar aos pacientes do Leste Asiático sobre suas experiências com rubor facial depois de consumir álcool. Aqueles com histórico devem ser aconselhados a limitar o uso de álcool. Eles também devem ser avisados ​​de que o fumo funciona com o álcool de uma maneira que aumenta ainda mais o risco de câncer de esôfago.