Livro prepara receita para inovação – Book Cooks Up Recipe for Innovatione

Áudio Livro prepara receita para inovação

Texto Livro prepara receita para inovação

Welcome to THIS IS AMERICA in VOA Special English. I’m Shirley Griffith.

And I’m Steve Ember. This week on our program, we hear from the author of a book about the makings of innovation. Then, we learn how a Native American is bringing back the art and culture of his tribe from Alaska. And later we tell you about an American naturalist and the results of his work in Africa.

Simply put, innovation is doing something new that works. Steven Johnson has written a new book called “The Innovator’s Cookbook.” Mr. Johnson says all progress depends on innovation and creativity.

STEVEN JOHNSON: “There is no kind of occupation that can’t be improved with innovative thinking.”

Are there secrets to innovation? Mr. Johnson talked to a group of innovative people. They included businesspeople, software designers, artists and musicians. Among them was composer Brian Eno.

STEVEN JOHNSON: “One of the great things that he does is that when he sits down in the studio to start working on an album, he often has the band switch up their instruments.”

So think of the drummer playing guitar and the keyboardist playing violin. How does it sound? Pretty bad at first, Mr. Eno admits. But he told Mr. Johnson that the process is liberating.

STEVEN JOHNSON: “They end up generating new sounds, new ways of playing together they wouldn’t have gotten to otherwise. That’s a great metaphor for what you want to do in your own life. Go and try things that you haven’t tried before, and don’t worry about sounding bad because what may happen is you’re taken to some new place.”

Being open to new things also helped IDO, a design and innovation company in California, to expand around the world. Mr. Johnson talked with IDO co-founder Tom Kelley for his book. Mr. Kelley described a weekly meeting, held every Monday morning, for the company’s top managers.

STEVEN JOHNSON: “That meeting, for twenty years, has started with show and tell. People are asked to present interesting things they stumbled across that weekend. Someone would say, ‘Hey, I went to see a movie with my kids last night’ or ‘You guys seen this new game my kids are playing?’ or ‘I went to an art gallery the other day and it’s really interesting.’ Tom said it ends up triggering all these new associations and there is something unpredictable about it that leads to new ideas for their actual business.”

Steven Johnson shares his interviews in “The Innovator’s Cookbook.” It also includes nine essays written by business researchers. These essays explore the conditions that can either allow creativity to grow, or kill it.

One of those essays is by Teresa Amabile, a Harvard Business School professor and co-author of the book “The Progress Principle.”

TERESA AMABILE: “It is absolutely possible to kill creativity. In fact, it seems to be more common inside most workplaces for the work environment to undermine creativity, to kill it, rather than to stimulate it and keep it alive.”

In her essay, Professor Amabile offers guidelines for supporting innovation in the workplace.

TERESA AMABILE: “First of all, people need to feel that they have some degree of autonomy in what they are doing. They also need to feel personally involved in what they are doing, that they find it in some way interesting, satisfying, enjoyable and personally challenging. When people are in that mindset, they’re much more likely to come up with new and useful ideas. People also need to feel, across the organization, they have encouragement for coming up with new ideas.”

Innovator’s Cookbook” author Steven Johnson says creative minds also need to work together, to collaborate.

STEVEN JOHNSON: “You think about Apple, Steve Jobs and Steve Wozniak founding that company. Very different people; a brilliant engineer and a brilliant visionary and salesman, two totally different kinds of minds, and they needed each other.”

True. But author Susan Cain wrote recently that “If you look at how Mr. Wozniak got the work done — the sheer hard work of creating something from nothing — he did it alone. Late at night, all by himself.” Ms. Cain, writing in the New York Times, noted Mr. Wozniak’s own words to would-be inventors: “I’m going to give you some advice that might be hard to take. That advice is: Work alone.”

Susan Cain has just published a book called “Quiet: The Power of Introverts in a World That Can’t Stop Talking.” She wrote in the Times: “Most of us now work in teams, in offices without walls, for managers who prize people skills above all. Lone geniuses are out. Collaboration is in.

“But there’s a problem with this view. Research strongly suggests that people are more creative when they enjoy privacy and freedom from interruption.”

In other words, there can be too many cooks in the innovator’s kitchen.

David Boxley is a member of the Tsimshian tribe. The tribe’s home state is Alaska. Mr. Boxley is a dancer, songwriter and wood carver. He is also an ambassador for Tsimshian culture and heritage.

DAVID BOXLEY: “We call it art now, but it was a way for people to say, this is how I am. This belongs to me, or this is my clan, this is my crest, this is my family history, carved and painted in wood.”

Mr. Boxley was raised by his grandparents. He says the influence of Christian missionaries was strong while he was young, so he learned little about his native culture.

After college, he went to work as a teacher. He also began to research Tsimshian wood carving in museums and other cultural collections. In nineteen eighty-six, he left teaching to spend his time on wood carving and bringing attention to Tsimshian art and culture.

DAVID BOXLEY: “I guess I came along at the right time. Our people really needed a shot in the arm. Our culture wasn’t very prominent after all that missionary influence, and years and years of not having anybody be in that kind of position to guide.”

That was almost thirty years ago. Since then Mr. Boxley has created seventy totem poles. Totem poles tell a story. Several months ago he began carving his most recent totem pole from a seven-meter-long piece of red cedar.

DAVID BOXLEY: “We don’t use sandpaper. We use the knives and the chisels to get it as smooth as possible. Get the lines clean.”

He worked on it at his home near Seattle, in the northwestern state of Washington. Then the totem pole was shipped by truck across the country to the other Washington. It will stand in the permanent collection at the National Museum of the American Indian.

DAVID BOXLEY: “The title is Eagle and the Young Chief.”

The totem pole tells the story of a young chief who rescued an eagle caught in a fishing net. Years later, when the chief’s village was starving, the eagle repaid the chief for his kindness.

DAVID BOXLEY: “A live salmon fell out of the sky, and he looked up and he saw the eagle flying away. And every day for days and days, the eagle brought salmon to feed the village.”

David Boxley has other wood carvings in the permanent collection at the museum. His dance group of family and friends performed for a crowd on the day the totem pole was presented to the public.

Mr. Boxley says a totem pole that he carved in honor of his grandfather is closest to his heart. But this new one, at the museum, is a close second.

DAVID BOXLEY: “This one is going to be seen by millions over the next hundred years. And it is not just me and my son; it is all of my people that are proud. My tribe.”

We have a video about David Boxley and his work at voaspecialenglish.com.

Mike Fay calls himself a “nature boy.” Mr. Fay is a naturalist and explorer. His work has been supported by organizations like National Geographic and the Wildlife Conservation Society.

In nineteen ninety-nine, Mr. Fay began a fifteen-month project called the MegaTransect. He walked more than three thousand kilometers across the Congo basin to study plants and wildlife. Mr. Fay and a team of Pygmy guides crossed the dense tropical forests of the Congo and Gabon.

MIKE FAY: “You know, we were [on] like an epic voyage out there. Every day you have to find food for thirteen people, you have to keep everyone healthy, you have to be the mother, the father, the coach, everybody, for all these guys.”

Mr. Fay was gathering information about the plants and animals of the last untouched forests in west-central Africa. He says he wanted to bring international attention to the rich biology that was being threatened by the logging industry. But he admits that the local guides on his team did not really know what they were getting involved in.

At one point, they stopped at a small village. Mr. Fay warned his group not to drink the water because of the risk of disease.

MIKE FAY: “And sure enough, one of the Pygmies gets hepatitis like probably two or three weeks later. And the first reaction of those guys to something like that is to scarify them with razor blades and bleed them, you know, to get the bad blood out. And so here you’ve got this highly infectious guy, who all of a sudden everybody’s touching his blood, and I just had these nightmares of the whole crew getting hepatitis.”

He says it took about a week to carry the sick man to a river. Then they used a dugout canoe to transport him to safety.

Mr. Fay documented his experiences on the MegaTransect. He used a satellite-based positioning system, digital cameras and a laptop computer. He and his guides cut through dense vegetation and crossed rivers and deep, muddy swamps. Along the way, they saw elephants, aardvarks, gorillas and other wildlife. They also saw roads and machinery that logging companies were using to remove trees.

MIKE FAY: “It was hard. But we didn’t lose a single person, and it was an expedition of a lifetime, for sure.”

The knowledge that came out of the trip, and the attention it received, helped lead Gabon to create thirteen national parks. These placed more than four million hectares of forest under protection.

Mr. Fay moved to Washington to write his findings after he finished the MegaTransect in two thousand. But he says he had a difficult time re-entering city life after sleeping outdoors in the forest for so long.

Mike Fay is now in his fifties. Since the MegaTransect he has completed other surveys of biodiversity. His latest trip was in two thousand seven. He hiked three thousand kilometers through California’s redwood forests. But wherever he is, he says, he still tries to avoid sleeping inside.

Our program was produced by Brianna Blake, with reporting by Faiza Elmasry, Jeff Swicord and Veronique LaCapra. I’m Shirley Griffith.

And I’m Steve Ember. You can find texts, MP3s and podcasts of our programs, along with English teaching activities, at voaspecialenglish.com. Join us again next week for THIS IS AMERICA in VOA Special English.

Correction: The caption below a picture of inventors Thomas Edison and Charles Steinmetz has been changed to remove an incorrect time reference. (The photo could not have been taken “during the Great Depression,” as Steinmetz died in 1923.)

Tradução Livro prepara receita para inovação

Bem-vindo a ISTO É AMÉRICA no VOA Special English. Eu sou Shirley Griffith.

E eu sou Steve Ember. Nesta semana, em nosso programa, ouvimos do autor de um livro sobre os ingredientes da inovação. Em seguida, aprendemos como um nativo americano está trazendo de volta a arte e a cultura de sua tribo do Alasca. E depois falamos sobre um naturalista americano e os resultados de seu trabalho na África.

Simplificando, a inovação está fazendo algo novo que funciona. Steven Johnson escreveu um novo livro chamado “The Innovator’s Cookbook”. Johnson diz que todo progresso depende de inovação e criatividade.

STEVEN JOHNSON: “Não existe um tipo de ocupação que não possa ser melhorada com o pensamento inovador”.

Existem segredos para a inovação? Johnson conversou com um grupo de pessoas inovadoras. Eles incluíam empresários, designers de software, artistas e músicos. Entre eles estava o compositor Brian Eno.

STEVEN JOHNSON: “Uma das grandes coisas que ele faz é que, quando ele se senta no estúdio para começar a trabalhar em um álbum, ele geralmente faz com que a banda troque seus instrumentos”.

Então pense no baterista tocando violão e o tecladista tocando violino. Como isso soa? Muito ruim no começo, o Sr. Eno admite. Mas ele disse a Johnson que o processo é libertador.

STEVEN JOHNSON: “Eles acabam gerando novos sons, novas formas de tocar juntos que não teriam chegado ao contrário. Essa é uma ótima metáfora para o que você quer fazer em sua própria vida. Vá e experimente coisas que você ainda não experimentou. antes e não se preocupe em parecer ruim, porque o que pode acontecer é que você é levado para um novo lugar “.

Estar aberto a coisas novas também ajudou a IDO, uma empresa de design e inovação na Califórnia, a se expandir em todo o mundo. Johnson conversou com o co-fundador da IDO, Tom Kelley, por seu livro. Kelley descreveu uma reunião semanal, realizada toda segunda-feira de manhã, para os principais gerentes da empresa.

STEVEN JOHNSON: “Essa reunião, por vinte anos, começou com o show e o show. As pessoas são convidadas a apresentar coisas interessantes que tropeçaram naquele fim de semana. Alguém dizia: ‘Ei, eu fui ver um filme com meus filhos ontem à noite’ ou “Vocês viram esse novo jogo que meus filhos estão jogando?” ou “Eu fui a uma galeria de arte outro dia e é realmente interessante”. Tom disse que acaba desencadeando todas essas novas associações e que há algo imprevisível que leva a novas idéias para os negócios reais “.

Steven Johnson compartilha suas entrevistas no “Livro de receitas do inovador”. Ele também inclui nove ensaios escritos por pesquisadores de negócios. Esses ensaios exploram as condições que podem permitir o crescimento da criatividade ou matá-la.

Um desses ensaios é de Teresa Amabile, professora da Harvard Business School e coautora do livro “O Princípio do Progresso”.

TERESA AMABILE: “É absolutamente possível matar a criatividade. De fato, parece ser mais comum na maioria dos locais de trabalho o ambiente de trabalho minar a criatividade, matá-la, em vez de estimulá-la e mantê-la viva”.

Em seu ensaio, a professora Amabile oferece diretrizes para apoiar a inovação no local de trabalho.

TERESA AMABILE: “Antes de tudo, as pessoas precisam sentir que têm algum grau de autonomia no que estão fazendo. Também precisam se sentir pessoalmente envolvidas no que estão fazendo, que acham isso de alguma forma interessante, satisfatória, agradável. e pessoalmente desafiador. Quando as pessoas estão nessa mentalidade, é muito mais provável que tenham idéias novas e úteis. As pessoas também precisam sentir, em toda a organização, que são encorajadas a ter novas idéias “.

O autor do livro de receitas do Innovator, Steven Johnson, diz que as mentes criativas também precisam trabalhar juntas, para colaborar.

STEVEN JOHNSON: “Você pensa na Apple, Steve Jobs e Steve Wozniak fundando essa empresa. Pessoas muito diferentes; um engenheiro brilhante, um visionário e vendedor brilhante, dois tipos de mente totalmente diferentes e precisavam um do outro”.

Verdade. A autora Susan Cain escreveu recentemente que “se você observar como o Sr. Wozniak fez o trabalho – o trabalho árduo de criar algo do nada – ele fez isso sozinho. Tarde da noite, sozinho”. Cain, escrevendo no New York Times, observou as próprias palavras de Wozniak para possíveis inventores: “Vou lhe dar alguns conselhos que podem ser difíceis de seguir. Esse conselho é: trabalhe sozinho”.

Susan Cain acaba de publicar um livro chamado “Silêncio: o poder dos introvertidos em um mundo que não pode parar de falar”. Ela escreveu no Times: “Atualmente, muitos de nós trabalham em equipes, em escritórios sem paredes, para gerentes que valorizam as habilidades das pessoas acima de tudo. Gênios solitários estão fora. A colaboração está presente.

“Mas há um problema com essa visão. Pesquisas sugerem fortemente que as pessoas são mais criativas quando desfrutam de privacidade e liberdade de interrupção”.

Em outras palavras, pode haver muitos cozinheiros na cozinha do inovador.

David Boxley é um membro da tribo Tsimshian. O estado de origem da tribo é o Alasca. O Sr. Boxley é dançarino, compositor e entalhador de madeira. Ele também é um embaixador da cultura e do patrimônio Tsimshian.

DAVID BOXLEY: “Nós chamamos de arte agora, mas era uma maneira das pessoas dizerem, é assim que sou. Isso pertence a mim, ou este é meu clã, esta é minha crista, essa é minha história familiar, esculpida e pintado em madeira “.

O Sr. Boxley foi criado por seus avós. Ele diz que a influência dos missionários cristãos era forte enquanto era jovem, então aprendeu pouco sobre sua cultura nativa.

Depois da faculdade, ele foi trabalhar como professor. Ele também começou a pesquisar a escultura em madeira de Tsimshian em museus e outras coleções culturais. Em mil novecentos e oitenta e seis, ele deixou o ensino para dedicar seu tempo à escultura em madeira e chamar a atenção para a arte e a cultura tsimshianas.

DAVID BOXLEY: “Eu acho que cheguei na hora certa. Nosso povo realmente precisava de um tiro no braço. Nossa cultura não era muito proeminente depois de toda a influência missionária, e anos e anos de não ter ninguém nesse tipo de posição para guiar. “

Isso foi há quase trinta anos. Desde então, o Sr. Boxley criou setenta totens. Os totens contam uma história. Há alguns meses, ele começou a esculpir seu totem mais recente em um pedaço de cedro vermelho com sete metros de comprimento.

DAVID BOXLEY: “Nós não usamos lixa. Usamos as facas e os formões para deixá-lo o mais liso possível. Limpe as linhas”.

Ele trabalhou nele em sua casa perto de Seattle, no estado noroeste de Washington. Em seguida, o totem foi enviado de caminhão pelo país para a outra Washington. Ele ficará na coleção permanente do Museu Nacional do Índio Americano.

DAVID BOXLEY: “O título é Eagle and the Young Chief”.

O totem conta a história de um jovem chefe que resgatou uma águia presa em uma rede de pesca. Anos depois, quando a vila do chefe passava fome, a águia recompensava o chefe por sua bondade.

DAVID BOXLEY: “Um salmão vivo caiu do céu, e ele olhou para cima e viu a águia voando. E todos os dias, durante dias e dias, a águia trouxe salmão para alimentar a aldeia”.

David Boxley tem outras esculturas em madeira na coleção permanente do museu. Seu grupo de dança de familiares e amigos se apresentou para uma multidão no dia em que o totem foi apresentado ao público.

Boxley diz que um totem que ele esculpiu em homenagem a seu avô está mais próximo de seu coração. Mas este novo, no museu, é um segundo próximo.

DAVID BOXLEY: “Este será visto por milhões nos próximos cem anos. E não somos apenas eu e meu filho; são todas as pessoas que estão orgulhosas. Minha tribo”.

Temos um vídeo sobre David Boxley e seu trabalho em voaspecialenglish.com.

Mike Fay chama a si mesmo de “garoto da natureza”. O Sr. Fay é naturalista e explorador. Seu trabalho foi apoiado por organizações como a National Geographic e a Wildlife Conservation Society.

Em mil novecentos e noventa e nove, o Sr. Fay iniciou um projeto de quinze meses chamado MegaTransect. Ele caminhou mais de três mil quilômetros pela bacia do Congo para estudar plantas e vida selvagem. Fay e uma equipe de guias pigmeus atravessaram as densas florestas tropicais do Congo e do Gabão.

MIKE FAY: “Sabe, nós éramos uma viagem épica por aí. Todo dia você tem que encontrar comida para treze pessoas, você tem que manter todos saudáveis, você tem que ser a mãe, o pai, o treinador, todo mundo, por todos esses caras “.

O Sr. Fay estava coletando informações sobre as plantas e os animais das últimas florestas intocadas da África Centro-Oeste. Ele diz que queria chamar a atenção internacional para a rica biologia que estava sendo ameaçada pela indústria madeireira. Mas ele admite que os guias locais de sua equipe não sabiam realmente no que estavam se envolvendo.

Em um ponto, eles pararam em uma pequena vila. Fay alertou seu grupo para não beber água por causa do risco de doença.

MIKE FAY: “E com certeza, um dos pigmeus fica com hepatite provavelmente duas ou três semanas depois. E a primeira reação desses caras a algo assim é escarificá-los com lâminas de barbear e sangrá-los, você sabe, sangue ruim. E então aqui você tem esse cara altamente infeccioso, que de repente todo mundo está tocando seu sangue, e eu tive esses pesadelos de toda a equipe contra hepatite. “

Ele diz que levou cerca de uma semana para levar o homem doente ao rio. Então eles usaram uma canoa para transportá-lo para a segurança.

O Sr. Fay documentou suas experiências no MegaTransect. Ele usou um sistema de posicionamento baseado em satélite, câmeras digitais e um laptop. Ele e seus guias cortam uma vegetação densa e atravessam rios e pântanos profundos e lamacentos. Ao longo do caminho, eles viram elefantes, aardvarks, gorilas e outros animais selvagens. Eles também viram estradas e máquinas que as empresas madeireiras estavam usando para remover árvores.

MIKE FAY: “Foi difícil. Mas não perdemos uma única pessoa, e foi uma expedição de uma vida, com certeza”.

O conhecimento resultante da viagem e a atenção que recebeu ajudaram o Gabão a criar treze parques nacionais. Estes colocaram mais de quatro milhões de hectares de floresta sob proteção.

Fay mudou-se para Washington para escrever suas descobertas depois que ele terminou o MegaTransect em dois mil. Mas ele diz que teve dificuldade em voltar à vida na cidade depois de dormir ao ar livre na floresta por tanto tempo.

Mike Fay está agora na casa dos cinquenta. Desde o MegaTransect, ele completou outras pesquisas sobre biodiversidade. Sua última viagem foi em dois mil e sete. Ele caminhou três mil quilômetros pelas florestas de sequóias da Califórnia. Mas onde quer que esteja, ele diz, ainda tenta evitar dormir por dentro.

Nosso programa foi produzido por Brianna Blake, com reportagem de Faiza Elmasry, Jeff Swicord e Veronique LaCapra. Eu sou Shirley Griffith.

E eu sou Steve Ember. Você pode encontrar textos, MP3s e podcasts de nossos programas, além de atividades de ensino de inglês, em voaspecialenglish.com. Junte-se a nós novamente na próxima semana para ESTA IS AMÉRICA no VOA Special English.

Correção: a legenda abaixo da foto dos inventores Thomas Edison e Charles Steinmetz foi alterada para remover uma referência de tempo incorreta. (A foto não poderia ter sido tirada “durante a Grande Depressão”, quando Steinmetz morreu em 1923.)