Explorando a arte da retórica – Exploring the Art of Rhetoric

Áudio Explorando a arte da retórica

Texto Explorando a arte da retórica

Welcome to THIS IS AMERICA in VOA Special English. I’m Steve Ember.

And I’m Shirley Griffith. This week on our program, we learn about the art of rhetoric and tell you about a website that brings American rhetoric to life.

We use rhetoric every time we use language, whether giving a speech or talking with a friend. So what is rhetoric? Dictionaries list several meanings for this word. One is the study of using language effectively. Another is the art of using language to persuade, influence or please.

The Greek philosopher Aristotle described rhetoric as “the ability, in each particular case, to see the available means of persuasion.” But the word can also have a negative meaning, like when a politician gives a speech and critics dismiss it as “rhetoric.” What they mean is, it sounded good, but lacked substance.

Michael Eidenmuller knows all about rhetoric, and he says it sometimes gets a bad name.

MICHAEL EIDENMULLER: “Rhetoric is not inherently evil or corrupt, in my view. It’s a neutral tool or technology that has and is and will be used for both good or ill.”

Mr. Eidenmuller is a communications professor at the University of Texas at Tyler. About ten years ago, he created a Web page for his students. It included links to famous speeches on other websites. The idea was to create a resource that his students could use in their studies.

The list of speeches grew, and so did the popularity of the page.

Then, in two thousand four, Mr. Eidenmuller posted a link to the speech that Senator Zell Miller gave at the Republican National Convention.

ZELL MILLER: “…For my family is more important to me than my Party.”

Shortly after that, the Web page received more hits than the server computer at the university could handle. As a result, Mr. Eidenmuller created a separate website and called it American Rhetoric.

AmericanRhetoric.com is an online speech bank of thousands of speeches. It gets as many as six hundred thousand visits each month during the school year in the United States. In the summer months, the number falls to about two hundred thousand visits a month.

Professor Eidenmuller says many students learning English outside the United States also use his website. It includes text, audio and in some cases video of some of the most popular speeches of our time.

People can have different reactions to a speech depending on whether they listen to it, watch it or read it.

MICHAEL EIDENMULLER: “Attending to one or to multiple mediums does tend to produce different perspectives and encourage different judgments on any given speech or speaker.”

Professor Eidenmuller points to the example of the candidate debates in the nineteen sixty presidential election. This was the first series of nationally televised debates between American presidential candidates. The public was able to hear and see John Kennedy, the Democratic candidate, and Richard Nixon, the Republican candidate, as they debated.

Nixon had suffered a knee injury and had spent time in the hospital before the first debate. He had lost weight as a result, and looked skinny and unhealthy. Kennedy had been campaigning in California. He arrived at the debate looking healthy, fit and suntanned, although the broadcast was in black-and-white.

People who listened to that first debate on the radio largely felt Nixon had performed better. But those who watched the debate on television were influenced by what they saw in addition to what they heard. Professor Eidenmuller says those who watched the debate were more likely to feel that Kennedy had won.

MICHAEL EIDENMULLER: “So mediums do matter.”

There are many rhetorical methods and devices that can add to good speech. These often have Latin or Greek names.

For example, anaphora is when a speaker repeats the same words at the start of sentences or phrases that follow each other. Hillary Clinton, then the first lady, used anaphora in her speech at the Democratic National Convention in nineteen ninety-six. Notice her use of the phrase “it takes.”

HILLARY CLINTON: “To raise a happy, healthy and hopeful child, it takes a family; it takes teachers; it takes clergy; it takes business people; it takes community leaders; it takes those who protect our health and safety. It takes all of us.”

An analogy is a comparison made to show a similarity between two things. In the movie “Man of the Year,” a political comedian — played by Robin Williams — accidentally wins the presidency. He uses an analogy.

ROBIN WILLIAMS: “Remember, ladies and gentlemen, it’s an old phrase, basically anonymous — that politicians are a lot like diapers: They should be changed frequently and for the same reason. Keep that in mind next time you vote. Good night.”

A metaphor is another figure of speech used to suggest a comparison between two things. The civil rights leader Martin Luther King Junior used this metaphor in one of the most famous speeches of all time.

MARTIN LUTHER KING: “With this faith we will be able to transform the jangling discords of our nation into a beautiful symphony of brotherhood.”

Professor Eidenmuller says the Reverend King’s “I Have a Dream” speech is by far the most popular speech on the American Rhetoric site. It took place at the Lincoln Memorial on August twenty-eighth, nineteen sixty-three, during a huge march on Washington.

MARTIN LUTHER KING: ” … I have a dream that my four little children will one day live in a nation where they will not be judged by the color of their skin but by the content of their character. I have a dream today!”

AmericanRhetoric.com includes a list of the “Top 100 Speeches of the 20th Century.” These include the remarks that President Ronald Reagan gave at the Brandenburg Gate in West Berlin in June of nineteen eighty-seven. President Reagan was often called “the Great Communicator.” Here is part of what he said.

RONALD REAGAN: “We welcome change and openness; for we believe that freedom and security go together, that the advance of human liberty — the advance of human liberty can only strengthen the cause of world peace.”

“There is one sign the Soviets can make that would be unmistakable, that would advance dramatically the cause of freedom and peace.

“General Secretary [Mikhail] Gorbachev, if you seek peace, if you seek prosperity for the Soviet Union and Eastern Europe, if you seek liberalization: Come here to this gate.”

“Mr. Gorbachev, open this gate.”

“Mr. Gorbachev — Mr. Gorbachev, tear down this wall!”

In nineteen forty-five, World War Two ended and the United Nations began. Three years later, fifty-eight states approved the Universal Declaration of Human Rights. Former first lady Eleanor Roosevelt had worked hard for the declaration. She spoke in honor of its adoption at a UN meeting in Paris on December ninth, nineteen forty-eight.

ELEANOR ROOSEVELT: “We stand today at the threshold of a great event both in the life of the United Nations and in the life of mankind. This Universal Declaration of Human Rights may well become the international Magna Carta of all men everywhere. We hope its proclamation by the General Assembly will be an event comparable to the proclamation of the Declaration of the Rights of Man by the French people in seventeen eighty-nine, the adoption of the Bill of Rights by the people of the United States, and the adoption of comparable declarations at different times in other countries.”

Another area on AmericanRhetoric.com contains recordings about the terrorist attacks of September eleventh, two thousand one. These include the first statement that President George W. Bush made to reporters during a visit to an elementary school in Sarasota, Florida.

GEORGE W. BUSH: “… Today, we’ve had a national tragedy. Two airplanes have crashed into the World Trade Center in an apparent terrorist attack on our country.

“I have spoken to the vice president, to the governor of New York, to the director of the FBI, and have ordered that the full resources of the federal government go to help the victims and their families, and — and to conduct a full-scale investigation to hunt down and to find those folks who committed this act.

‘”Terrorism against our nation will not stand. And now if you [would] join me in a moment of silence.”

The American Rhetoric website also includes quizzes and exercises related to the art of rhetoric. People who want to learn more about rhetoric can take classes in rhetorical theory. There are also books like “Farnsworth’s Classical English Rhetoric” published in two thousand ten. Author Ward Farnsworth offers eighteen chapters’ worth of rhetorical devices.

And there is another way to improve your skills. Michael Eidenmuller at AmericanRhetoric.com says you can study the speakers you admire.

MICHAEL EIDENMULLER: “Read and listen and watch the great speeches and great speakers. I would recommend listening to those speeches. If you find a speaker whose delivery you particularly like, try mimicking it.”

Our program was written and produced by Brianna Blake. I’m Steve Ember.

And I’m Shirley Griffith. What are some of your favorite speeches? Tell us at voaspecialenglish.com, where people learning English can also find transcripts, audio and video to read, listen and learn. Join us again next week for THIS IS AMERICA in VOA Special English.

Tradução Explorando a arte da retórica

Bem-vindo a ISTO É AMÉRICA no VOA Special English. Eu sou Steve Ember.

E eu sou Shirley Griffith. Nesta semana, em nosso programa, aprendemos sobre a arte da retórica e falamos sobre um site que dá vida à retórica americana.

Usamos retórica toda vez que usamos a linguagem, seja fazendo um discurso ou conversando com um amigo. Então, o que é retórica? Os dicionários listam vários significados para esta palavra. Um é o estudo do uso eficaz da linguagem. Outra é a arte de usar a linguagem para persuadir, influenciar ou agradar.

O filósofo grego Aristóteles descreveu a retórica como “a capacidade, em cada caso particular, de ver os meios disponíveis de persuasão”. Mas a palavra também pode ter um significado negativo, como quando um político faz um discurso e os críticos o descartam como “retórica”. O que eles querem dizer é que parecia bom, mas faltava substância.

Michael Eidenmuller sabe tudo sobre retórica e diz que às vezes recebe um mau nome.

MICHAEL EIDENMULLER: “A retórica não é inerentemente má ou corrupta, na minha opinião. É uma ferramenta ou tecnologia neutra que tem e é e será usada tanto para o bem quanto para o mal”.

O Sr. Eidenmuller é professor de comunicação na Universidade do Texas em Tyler. Cerca de dez anos atrás, ele criou uma página da Web para seus alunos. Incluía links para discursos famosos em outros sites. A idéia era criar um recurso que seus alunos pudessem usar em seus estudos.

A lista de discursos aumentou e a popularidade da página também.

Então, em dois mil e quatro, o Sr. Eidenmuller postou um link para o discurso que o senador Zell Miller fez na Convenção Nacional Republicana.

ZELL MILLER: “… para minha família é mais importante para mim do que para meu partido.”

Logo depois, a página da Web recebeu mais acessos do que o servidor da universidade aguentava. Como resultado, Eidenmuller criou um site separado e o chamou de Retórica Americana.

AmericanRhetoric.com é um banco de fala on-line de milhares de discursos. Recebe até seiscentos mil visitas por mês durante o ano letivo nos Estados Unidos. Nos meses de verão, o número cai para cerca de duzentas mil visitas por mês.

O professor Eidenmuller diz que muitos estudantes que aprendem inglês fora dos Estados Unidos também usam seu site. Inclui texto, áudio e, em alguns casos, vídeo de alguns dos discursos mais populares do nosso tempo.

As pessoas podem ter reações diferentes a um discurso, dependendo de ouvi-lo, assisti-lo ou lê-lo.

MICHAEL EIDENMULLER: “Atender a um ou vários meios de comunicação costuma tender a produzir perspectivas diferentes e incentivar julgamentos diferentes sobre qualquer discurso ou orador”.

O professor Eidenmuller aponta para o exemplo dos debates dos candidatos nas dezenove sessenta eleições presidenciais. Esta foi a primeira série de debates televisionados nacionalmente entre os candidatos presidenciais americanos. O público pôde ouvir e ver John Kennedy, o candidato democrata, e Richard Nixon, o candidato republicano, durante o debate.

Nixon sofreu uma lesão no joelho e passou algum tempo no hospital antes do primeiro debate. Ele havia perdido peso como resultado e parecia magro e doentio. Kennedy estava fazendo campanha na Califórnia. Ele chegou ao debate parecendo saudável, em forma e bronzeado, embora a transmissão fosse em preto e branco.

As pessoas que ouviram o primeiro debate no rádio sentiram que Nixon tinha um desempenho melhor. Mas aqueles que assistiram ao debate na televisão foram influenciados pelo que viram, além do que ouviram. O professor Eidenmuller diz que aqueles que assistiram ao debate tinham maior probabilidade de sentir que Kennedy havia vencido.

MICHAEL EIDENMULLER: “Então os médiuns importam.”

Existem muitos métodos e dispositivos retóricos que podem contribuir para o bom discurso. Estes geralmente têm nomes latinos ou gregos.

Por exemplo, anáfora é quando um falante repete as mesmas palavras no início de frases ou frases que se seguem. Hillary Clinton, então a primeira-dama, usou anáfora em seu discurso na Convenção Nacional Democrata, em mil novecentos e noventa e seis. Observe o uso dela da frase “é preciso”.

HILLARY CLINTON: “Para criar uma criança feliz, saudável e esperançosa, é preciso uma família; é preciso professores; é preciso clero; leva pessoas de negócios; é preciso líderes comunitários; são necessários aqueles que protegem nossa saúde e segurança. É preciso todos nós.

Uma analogia é uma comparação feita para mostrar uma semelhança entre duas coisas. No filme “Homem do ano”, um comediante político – interpretado por Robin Williams – vence acidentalmente a presidência. Ele usa uma analogia.

ROBIN WILLIAMS: “Lembre-se, senhoras e senhores, é uma frase antiga, basicamente anônima – que os políticos são muito parecidos com fraldas: devem ser trocados com frequência e pelo mesmo motivo. Lembre-se da próxima vez que votar. Boa noite.” “

Uma metáfora é outra figura de linguagem usada para sugerir uma comparação entre duas coisas. O líder dos direitos civis Martin Luther King Junior usou essa metáfora em um dos discursos mais famosos de todos os tempos.

MARTIN LUTHER KING: “Com esta fé, poderemos transformar as discórdias estridentes de nossa nação em uma bela sinfonia de fraternidade”.

O professor Eidenmuller diz que o discurso do Reverendo King “Eu tenho um sonho” é de longe o discurso mais popular no site da retórica americana. Aconteceu no Lincoln Memorial em 28 de agosto, dezenove sessenta e três, durante uma grande marcha em Washington.

MARTIN LUTHER KING: “… Eu tenho um sonho que meus quatro filhinhos viverão um dia em uma nação onde eles não serão julgados pela cor de sua pele, mas pelo conteúdo de seu caráter. Eu tenho um sonho hoje!”

AmericanRhetoric.com inclui uma lista dos “Top 100 discursos do século XX”. Isso inclui as observações que o Presidente Ronald Reagan fez no Portão de Brandemburgo, em Berlim Ocidental, em junho de mil novecentos e oitenta e sete. O presidente Reagan era frequentemente chamado de “o grande comunicador”. Aqui está parte do que ele disse.

RONALD REAGAN: “Congratulamo-nos com mudança e abertura; pois acreditamos que liberdade e segurança andam juntas, que o avanço da liberdade humana – o avanço da liberdade humana só pode fortalecer a causa da paz mundial”.

“Há um sinal que os soviéticos podem fazer que seria inconfundível, que avançaria dramaticamente a causa da liberdade e da paz.

“Secretário Geral [Mikhail] Gorbachev, se você busca a paz, se você busca a prosperidade para a União Soviética e a Europa Oriental, se você busca a liberalização: Venha aqui a este portão.”

“Sr. Gorbachev, abra este portão.”

“Sr. Gorbachev – Sr. Gorbachev, derrube este muro!”

Em mil novecentos e quarenta e cinco, a Segunda Guerra Mundial terminou e as Nações Unidas começaram. Três anos depois, cinquenta e oito estados aprovaram a Declaração Universal dos Direitos Humanos. A ex-primeira-dama Eleanor Roosevelt trabalhou duro para a declaração. Ela falou em homenagem à sua adoção em uma reunião da ONU em Paris, em 9 de dezembro de mil novecentos e quarenta e oito.

ELEANOR ROOSEVELT: “Estamos hoje no limiar de um grande evento, tanto na vida das Nações Unidas quanto na vida da humanidade. Esta Declaração Universal dos Direitos Humanos pode muito bem se tornar a Magna Carta internacional de todos os homens em todos os lugares. Esperamos que A proclamação pela Assembléia Geral será um evento comparável à proclamação da Declaração dos Direitos do Homem pelo povo francês em dezessete e oitenta e nove, a adoção da Declaração de Direitos pelo povo dos Estados Unidos e a adoção de declarações comparáveis ​​em momentos diferentes em outros países “.

Outra área no AmericanRhetoric.com contém gravações sobre os ataques terroristas de 11 de setembro de dois mil e um. Isso inclui a primeira declaração que o Presidente George W. Bush fez aos repórteres durante uma visita a uma escola primária em Sarasota, Flórida.

GEORGE W. BUSH: “… Hoje tivemos uma tragédia nacional. Dois aviões colidiram com o World Trade Center em um aparente ataque terrorista ao nosso país.

“Conversei com o vice-presidente, com o governador de Nova York, com o diretor do FBI e ordenei que todos os recursos do governo federal fossem para ajudar as vítimas e suas famílias e – e conduzir uma investigação em larga escala para caçar e encontrar as pessoas que cometeram esse ato.

“O terrorismo contra a nossa nação não resistirá. E agora, se você se juntar a mim em um momento de silêncio.”

O site da retórica americana também inclui testes e exercícios relacionados à arte da retórica. As pessoas que querem aprender mais sobre retórica podem ter aulas de teoria retórica. Também existem livros como “Retórica clássica inglesa de Farnsworth”, publicados em dois mil e dez. Autor Ward Farnsworth oferece dezoito capítulos de dispositivos retóricos.

E há outra maneira de melhorar suas habilidades. Michael Eidenmuller, da AmericanRhetoric.com, diz que você pode estudar os palestrantes que admira.

MICHAEL EIDENMULLER: “Leia, ouça e assista aos ótimos discursos e ótimos oradores. Eu recomendaria ouvi-los. Se você encontrar um orador cuja apresentação você goste particularmente, tente imitá-lo.”

Nosso programa foi escrito e produzido por Brianna Blake. Eu sou Steve Ember.

E eu sou Shirley Griffith. Quais são alguns dos seus discursos favoritos? Conte-nos no voaspecialenglish.com, onde as pessoas que aprendem inglês também podem encontrar transcrições, áudio e vídeo para ler, ouvir e aprender. Junte-se a nós novamente na próxima semana para ESTA IS AMÉRICA no VOA Special English.