Estes não são seus negócios habituais – These Are Not Your Usual Businesses

Áudio Estes não são seus negócios habituais

Texto Estes não são seus negócios habituais

Welcome to THIS IS AMERICA in VOA Special English. I’m Bob Doughty.

And I’m Faith Lapidus. This week on our program, we meet an American in Italy who teaches travelers how to eat like an Italian. Then we take you to a Washington sandwich shop where an Iranian-American and his mother serve a world of flavors. And later we tell you about a business in California. It’s called Rent a Grandma.

Antoinette Mazzaglia — Toni, for short — is a food and wine expert. She was born in the United States but likes to say she is “one hundred percent Italian.” All of her great-grandparents were born in Italy, and Ms. Mazzaglia spent a university semester studying there.

She fell in love with a man from the Tuscany region and decided to return. But she soon discovered that she was less in love with him than with the food of Florence, the Tuscan capital. She has lived in Florence for about ten years now.

Ms. Mazzaglia says she got tired of hearing visitors criticize the local food. So she decided to start a business called Taste Florence. Ms. Mazzaglia started the company four years ago with a simple goal.

ANTOINETTE MAZZAGLIA: “For visitors, when they come to the city, to not go away with a bad taste in their mouth.”

That often happens to tourists looking for a restaurant after a long day of visiting museums.

ANTOINETTE MAZZAGLIA: “They’re starving and they get a really bad sandwich in one of those little tourist trap places that has everything. If a place has panini, gelato, waffles – which, by the way, not Italian – and pizza — there’s a place like that right near the Uffizi — it’s probably going to be really bad. Because if you have time to make all that, you really didn’t make it yourself.”

Ms. Mazzaglia — who speaks Italian — takes people on guided visits of markets and specialty shops. They taste the so-called poor man’s food based on beans, vegetables and wild game meats.

On this day, she leads a group of six Americans.

ANTOINETTE MAZZAGLIA: “Go ahead and start eating them. The one that is a little slightly more yellow, that’s what they call crema. That has the egg yolk. The other one is fior di latte — it’s just milk, cream and sugar.”

They try foods like Tuscan cheeses, meats and oils. Pennie DiMartino is from Long Island, New York. She came to Italy to eat food that her husband — who is half-Italian — does not know how to make. She tries some gelato, a frozen treat, with an eight-year-old balsamic vinegar poured on top.

PENNIE DiMARTINO: “It almost tastes like liquor, like if you put rum on ice cream. But better. It doesn’t have a liquor aftertaste.”

William Moore is a frequent traveler. He loves the art of Florence and Italy, but also enjoys studying the food.

WILLIAM MOORE: “You may not be able to appreciate every detail in every work of art at the Uffizi but you surely can appreciate a fantastic carbonara or what have you. We all come equipped with basic equipment — the taste buds for that. You don’t need a degree in art history to see the sort of subtle layers of this dish versus that.”

Toni Mazzaglia teaches clients of Taste Florence about choosing good olive oils and wines. She says Americans are getting to know more about Italian foods by watching cooking shows on TV.

ANTOINETTE MAZZAGLIA: “Now we’re starting to watch the Food Network and other fantastic networks that are giving us a wealth of chefs and programs where they travel to Italy, to all parts of Italy, and helping people understand there is a difference. Each region has its own food, each town has its own food, even across town in Florence you have two different plates.”

This American businesswoman shows people how to eat and drink like Italians. Strangers in her group exchange e-mail addresses and promise to keep in touch. They learn in a day what Italians have been saying for centuries — that the time you spend eating is never wasted.

Anyone can make a sandwich. It can be as simple as two pieces of bread with peanut butter and jelly — or whatever — in between. But Ali Bagheri makes a sandwich with an accent.

ALI BAGHERI: “Those of us in the Middle East and in Eastern Europe all pronounce the word sandwich ‘sundevich.’ So we joked around and we’re like, ‘SUNDEVICH!'”

Recently the Washington Post asked its readers “Who makes the best sandwiches in the D.C. area?” The winner: SUNdeVICH.

ALI BAGHERI: “We never thought we would win. We just wanted to capture a little bit of market share so our name remained on there. Next thing we know, they’re coming in like, ‘You won, this happened,’ and then the line went out the door.”

CUSTOMERS: “I heard that it got an award for the best sandwich in DC. Our neighbor told us about it.” “I used to work at an Iranian-Mediterranean restaurant and it was delicious, and I remember the meat, the kubideh kabob. I’ve never been to Iran, but I love Iranian food, and it seems very authentic.”

Mr. Bagheri is an Iranian-American who opened his sandwich shop in July. SUNdeVICH offers flavors from around the world. The menu reads like the stamps on a passport. Sandwiches are named for cities.

ALI BAGHERI: “Every city really reflects on the flavor profile. It’s important that we stay true to what the inspiration was, but still put our own spin on it.”

His mother works with him, but this is Mr. Bagheri’s kitchen.

ALI BAGHERI: “It’s funny to have the tables turned — that watching her little by little, and now she asks me, ‘Hey taste this. Is this OK? Does this need salt?'”

They use local ingredients to make popular choices like beef tongue sandwiches and kabob.

ALI BAGHERI: “We don’t have a freezer. We don’t have walk-in coolers. We prep what we can for the day. We sell what we can for the day. And then we start again tomorrow.”

You can watch a video about SUNdeVICH at voaspecialenglish.com.

Todd Pliss is a former teacher. He started a company in Los Angeles called Rent a Grandma. He says he got the idea when he was teaching children in Hollywood.

TODD PLISS: “I would hear these horror stories all the time, like the sitter that almost burned down the house when she forgot there was dinner on the stove, or the nanny that fell asleep and locked the kids outside the house.”

Rent a Grandma provides care for children, the elderly and pets. Prices for these services range from fourteen dollars an hour to more than twenty dollars an hour. Mr. Pliss says the women go through an interview process and background check. The business has gotten a lot of media attention. Mr. Pliss says he has been flooded with calls from women who want to work for his company.

TODD PLISS: “The economy is not good and I see that. And grandmas — sometimes I have them crying on the phone to me. We had a grandma who’s living in her car. The economy is terrible, and a lot of these grandmas can’t find work.”

The good news for Americans age fifty-five and older is that their unemployment rate is lower than the national average. The bad news is that unemployed older workers take longer to find a job than younger workers. Mr. Pliss says ninety percent of the women who contact him for a job cannot find work. He says among them are teachers and lawyers.

TODD PLISS: “Whether people say it or not, there’s definitely age discrimination. Companies can’t officially say that. But I see it a lot because these women, a lot of them, are educated; they’ve got decades of experience — not just in the nannying, child care world, but in the real world.”

Women who want to apply to become a “Grandma” have to pay a twenty-five dollar processing and membership fee. The frequently asked questions on the company’s website do not say anything about having to actually be a grandmother. The grandmas are advertised as age fifty-plus and English speaking, and many are shown with pictures on the site.

The service is available in Los Angeles County and a franchise operation recently started in Dallas, Texas. The company aims to expand nationally, and Mr. Pliss says parents as far away as Europe have contacted him.

Finding child care can be stressful for many parents. Anna Marie Caldwell rented one of the grandmas, Jane Mertes, to care for her three daughters when she was not home.

ANNA MARIE CALDWELL: “She was part of the family. She was helping out cooking, cleaning, helping with homework, playing with the kids.”

JANE MERTES: “When you work with children you have a responsibility and an obligation to make a difference in their lives and maybe teach them something that their parents didn’t know or just a different perspective.”

Ms. Caldwell says hiring an older person is different from using a teenage babysitter.

ANNA MARIE CALDWELL: “They bring a lot of knowledge to the table, a lot of experience and a lot of confidence in their decision making and they’re not usually as distracted as, say, a teenager or something could be.”

We have a video about Rent a Grandma at voaspecialenglish.com

Our program was produced by Brianna Blake, with reporting by Nancy Greenleese, Arash Arabasadi and Elizabeth Lee. I’m Faith Lapidus.

And I’m Bob Doughty. You can find transcripts and MP3s of our programs at voaspecialenglish.com. Join us again next week for THIS IS AMERICA in VOA Special English.

Tradução Estes não são seus negócios habituais

Bem-vindo a ISTO É AMÉRICA no VOA Special English. Eu sou Bob Doughty.

E eu sou Faith Lapidus. Nesta semana, em nosso programa, encontramos um americano na Itália que ensina os viajantes a comer como um italiano. Depois, levamos você a uma lanchonete em Washington, onde um iraniano-americano e sua mãe servem um mundo de sabores. E depois falamos sobre um negócio na Califórnia. Chama-se Rent a Grandma.

Antoinette Mazzaglia – Toni, para abreviar – é especialista em comida e vinho. Ela nasceu nos Estados Unidos, mas gosta de dizer que é “cem por cento italiana”. Todos os seus bisavós nasceram na Itália, e Mazzaglia passou um semestre universitário estudando lá.

Ela se apaixonou por um homem da região da Toscana e decidiu voltar. Mas ela logo descobriu que estava menos apaixonada por ele do que pela comida de Florença, a capital da Toscana. Ela vive em Florença há cerca de dez anos.

Mazzaglia diz que se cansou de ouvir visitantes criticarem a comida local. Então, ela decidiu iniciar um negócio chamado Taste Florence. Mazzaglia iniciou a empresa há quatro anos com um objetivo simples.

ANTOINETTE MAZZAGLIA: “Para os visitantes, quando chegam à cidade, para não ir embora com um gosto ruim na boca”.

Isso geralmente acontece com turistas que procuram um restaurante após um longo dia de visitas a museus.

ANTOINETTE MAZZAGLIA: “Eles estão morrendo de fome e têm um sanduíche muito ruim em um daqueles pequenos locais de armadilhas para turistas que têm tudo. Se um lugar tem panini, gelato, waffles – que, a propósito, não italianos – e pizza – há um lugar assim perto dos Uffizi – provavelmente vai ser muito ruim. Porque se você tiver tempo para fazer tudo isso, você realmente não fez isso sozinho. “

Mazzaglia – que fala italiano – leva as pessoas a visitas guiadas a mercados e lojas especializadas. Eles provam a comida do pobre homem baseada em feijão, legumes e carnes de caça selvagens.

Neste dia, ela lidera um grupo de seis americanos.

ANTOINETTE MAZZAGLIA: “Vá em frente e comece a comê-los. O que é um pouco mais amarelo, é o que eles chamam de creme. Que tem a gema de ovo. O outro é a fior di latte – é apenas leite, creme e açúcar. “

Eles experimentam alimentos como queijos da Toscana, carnes e óleos. Pennie DiMartino é de Long Island, Nova York. Ela veio à Itália para comer alimentos que seu marido, que é meio italiano, não sabe fazer. Ela experimenta um sorvete, uma guloseima congelada, com um vinagre balsâmico de oito anos derramado por cima.

PENNIE DiMARTINO: “Quase tem gosto de licor, como se você colocasse rum no sorvete. Mas melhor. Não tem um sabor residual de licor”.

William Moore é um viajante frequente. Ele ama a arte de Florença e da Itália, mas também gosta de estudar a comida.

WILLIAM MOORE: “Você pode não ser capaz de apreciar todos os detalhes de todas as obras de arte da Uffizi, mas certamente pode apreciar uma carbonara fantástica ou o que você tem. Todos nós estamos equipados com equipamentos básicos – o paladar para isso. Você não precisa de um diploma em história da arte para ver o tipo de camadas sutis deste prato versus isso “.

Toni Mazzaglia ensina aos clientes do Taste Florence a escolha de bons azeites e vinhos. Ela diz que os americanos estão aprendendo mais sobre alimentos italianos assistindo a programas de culinária na TV.

ANTOINETTE MAZZAGLIA: “Agora estamos começando a assistir a Food Network e outras redes fantásticas que estão nos dando uma variedade de chefs e programas onde eles viajam para a Itália, para todas as partes da Itália, e ajudando as pessoas a entenderem que há uma diferença. região tem sua própria comida, cada cidade tem sua própria comida, mesmo em Florença, você tem dois pratos diferentes “.

Esta empresária americana mostra às pessoas como comer e beber como italianos. Estranhos em seu grupo trocam endereços de e-mail e prometem manter contato. Eles aprendem em um dia o que os italianos vêm dizendo há séculos – que o tempo que você gasta comendo nunca é desperdiçado.

Qualquer um pode fazer um sanduíche. Pode ser tão simples quanto dois pedaços de pão com manteiga de amendoim e geléia – ou o que for – no meio. Ali Bagheri faz um sanduíche com sotaque.

ALI BAGHERI: “Todos nós, no Oriente Médio e na Europa Oriental, pronunciamos a palavra sanduíche ‘sundevich’. Então, brincamos e pensamos ‘SUNDEVICH!’ “

Recentemente, o Washington Post perguntou a seus leitores “Quem faz os melhores sanduíches na região de DC?” O vencedor: SUNdeVICH.

ALI BAGHERI: “Nós nunca pensamos em ganhar. Só queríamos capturar um pouco de participação de mercado, para que nosso nome permanecesse ali. Em seguida, sabemos que eles aparecerão como ‘Você ganhou, isso aconteceu’ e então a fila saiu pela porta. “

CLIENTES: “Ouvi dizer que ele recebeu um prêmio pelo melhor sanduíche em Washington. Nosso vizinho nos contou sobre isso”. “Eu trabalhava em um restaurante iraniano-mediterrâneo e estava delicioso, e lembro da carne, do kubideh kabob. Nunca estive no Irã, mas adoro comida iraniana e parece muito autêntico.”

Bagheri é um iraniano-americano que abriu sua lanchonete em julho. SUNdeVICH oferece sabores de todo o mundo. O menu se parece com os carimbos de um passaporte. Sanduíches são nomeados para cidades.

ALI BAGHERI: “Toda cidade realmente reflete sobre o perfil do sabor. É importante que permaneçamos fiéis à inspiração, mas ainda assim colocamos nossa própria ideia”.

A mãe dele trabalha com ele, mas esta é a cozinha do Sr. Bagheri.

ALI BAGHERI: “É engraçado ter as mesas viradas – observá-la aos poucos e agora ela me pergunta: ‘Ei, prove isso. Está tudo bem? Isso precisa de sal?'”

Eles usam ingredientes locais para fazer escolhas populares, como sanduíches de língua de vaca e kabob.

ALI BAGHERI: “Não temos um freezer. Não temos refrigeradores. Preparamos o que podemos para o dia. Vendemos o que podemos para o dia. E então começamos novamente amanhã”.

Você pode assistir a um vídeo sobre o SUNdeVICH em voaspecialenglish.com.

Todd Pliss é um ex-professor. Ele fundou uma empresa em Los Angeles chamada Rent a Grandma. Ele diz que teve a ideia quando estava ensinando crianças em Hollywood.

TODD ​​PLISS: “Eu ouvia essas histórias de horror o tempo todo, como a babá que quase queimou a casa quando ela esqueceu que havia jantar no fogão, ou a babá que adormeceu e trancou as crianças do lado de fora da casa”.

A Rent a Grandma cuida de crianças, idosos e animais de estimação. Os preços desses serviços variam de catorze dólares por hora a mais de vinte dólares por hora. Pliss diz que as mulheres passam por um processo de entrevista e verificação de antecedentes. O negócio recebeu muita atenção da mídia. Pliss diz que foi inundado por telefonemas de mulheres que querem trabalhar para sua empresa.

TODD ​​PLISS: “A economia não está boa e eu vejo isso. E as vovó – às vezes, elas choram ao telefone comigo. Tínhamos uma avó que mora no carro dela. A economia é terrível e muitas dessas avós não consigo encontrar trabalho “.

A boa notícia para os americanos com 55 anos ou mais é que a taxa de desemprego é inferior à média nacional. A má notícia é que os trabalhadores mais velhos desempregados levam mais tempo para encontrar um emprego do que os trabalhadores mais jovens. Pliss diz que noventa por cento das mulheres que o procuram para um emprego não conseguem encontrar trabalho. Ele diz que entre eles estão professores e advogados.

TODD ​​PLISS: “Quer as pessoas digam ou não, há definitivamente discriminação de idade. As empresas não podem dizer isso oficialmente. Mas eu vejo muito porque essas mulheres, muitas delas, são educadas; elas têm décadas de experiência – – não apenas no mundo dos cuidados infantis, mas no mundo real. “

As mulheres que desejam se candidatar a se tornar uma “vovó” precisam pagar uma taxa de processamento e associação de vinte e cinco dólares. As perguntas freqüentes no site da empresa não dizem nada sobre ter que realmente ser avó. As avós são anunciadas com mais de cinquenta anos e falam inglês, e muitas são mostradas com fotos no site.

O serviço está disponível no condado de Los Angeles e uma operação de franquia foi iniciada recentemente em Dallas, Texas. A empresa pretende expandir nacionalmente, e Pliss diz que pais tão distantes quanto a Europa o contataram.

Encontrar assistência infantil pode ser estressante para muitos pais. Anna Marie Caldwell alugou uma das avós, Jane Mertes, para cuidar de suas três filhas quando ela não estava em casa.

ANNA MARIE CALDWELL: “Ela fazia parte da família. Ela estava ajudando a cozinhar, limpar, ajudar nos trabalhos de casa, brincar com as crianças”.

JANE MERTES: “Quando você trabalha com crianças, tem a responsabilidade e a obrigação de fazer a diferença em suas vidas e talvez ensinar-lhes algo que seus pais não conheciam ou apenas uma perspectiva diferente”.

Caldwell diz que contratar uma pessoa idosa é diferente de usar uma babá adolescente.

ANNA MARIE CALDWELL: “Eles trazem muito conhecimento para a mesa, muita experiência e muita confiança na tomada de decisões e geralmente não são tão distraídos quanto, digamos, um adolescente ou algo assim”.

Temos um vídeo sobre Rent a Grandma em voaspecialenglish.com

Nosso programa foi produzido por Brianna Blake, com reportagem de Nancy Greenleese, Arash Arabasadi e Elizabeth Lee. Eu sou Faith Lapidus.

E eu sou Bob Doughty. Você pode encontrar transcrições e MP3s de nossos programas em voaspecialenglish.com. Junte-se a nós novamente na próxima semana para ESTA IS AMÉRICA no VOA Special English.