Cientistas descobrem nova população de gorilas na República do Congo – Scientists Discover New Gorilla Population in Republic of Congo

Áudio Cientistas descobrem nova população de gorilas na República do Congo

Texto Cientistas descobrem nova população de gorilas na República do Congo

This is SCIENCE IN THE NEWS in VOA Special English. I’m Bob Doughty. And I’m Shirley Griffith.

This week, we tell about a discovery of gorillas in the Republic of Congo and the loss of Bengal tigers in Nepal. We also tell about a famous heart surgeon and what you need to know about your heart.

Deep in the forests in the northern part of the Republic of Congo, scientists have made a surprising discovery. Researchers discovered more than one hundred twenty-five thousand critically endangered western lowland gorillas.

In the nineteen eighties, scientists estimated that the total population of western lowland gorillas in Central Africa was fewer than one hundred thousand. Since then however, the scientists believed this number had been reduced by at least half. They thought the animals were being killed off by hunters and disease, especially the deadly Ebola virus.

The new population count was the result of intensive work by the Wildlife Conservation Society, based in New York City, and scientists of the Republic of Congo. They searched rainforests and swamps, looking for gorilla nests.

Gorillas build beds, or nests, for sleeping each night. They use leaves and other parts of trees. The researchers use the number of nests they find to help estimate the local gorilla population. They found some forests had population densities that were among the highest ever recorded. The researchers studied an area of forty-seven thousand square kilometers. They announced the results of their population count at a meeting of the International Primatological Society Congress in Edinburgh, Scotland.

The scientists say the higher number of gorillas is the result of efforts by the Republic of Congo to take care of its protected areas. The gorillas have also done well because they live in areas far away from people. And they have plenty to eat. Wildlife Conservation Society President Steven Sanderson said the success of the gorillas is proof that humans can help protect animal species in danger of disappearing.

Western lowland gorillas are one of four recognized gorilla subspecies. Other subspecies include mountain gorillas, eastern lowland gorillas, and Cross River gorillas. The International Union for Conservation of Nature considers all of the subspecies to be critically endangered, except for the eastern lowland gorillas. That subspecies is considered endangered.

Researchers at the meeting in Scotland warned about the dangers that continue to threaten gorillas. They say almost fifty percent of the world’s species of primates are in danger of disappearing, especially in Asia. This is because the areas in which they live are being destroyed. And many animals are illegally hunted as food.

That was some good news about gorillas. But we have some bad news about tigers. Three years ago, between twenty and fifty Bengal tigers lived in the Suklaphanta Wildlife Reserve in Nepal. But this year, researchers reported evidence of only six to fourteen tigers. The Nepalese government announced the decrease of the tiger population last month. The wildlife reserve measures about thirty thousand hectares. It is the world’s third largest living area for the big cats.

Nepalese national parks and conservation officials called the situation very serious. They said illegal hunting is the major cause of tigers disappearing from this protected area.

The World Wildlife Fund did most of the study about the tigers. The findings were based on pictures taken by camera traps from January to April. The camera traps contain devices that take a picture when they sense movement in the forest. Researchers used two cameras to take pictures of the tigers from both sides. But the cameras also photographed the hunters who killed the tigers and removed their remains.

The Suklaphanta Wildlife Reserve is on the border with India. World Wildlife Fund officials say this makes it easy to illegally transport protected wildlife. Very little of the tigers’ remains are found because all of the animal’s parts are valuable in the illegal wildlife trade.

Jon Miceler heads the World Wildlife Fund’s Eastern Himalayas Program. Mr. Miceler said that in May, two tiger skins were seized from the Nepalese border town of Dhangadi. So were thirty-two kilograms of tiger bones.

Mr. Miceler says the loss of tigers is linked to a powerful international criminal group that controls the illegal wildlife trade. Only about two thousand to four thousand Bengal tigers survive in the wild.

Most live in forests in central and south India, Bhutan, and the Himalayan foothills of India and Nepal. Bengal tigers also live in China, Bangladesh and Burma. The World Wildlife Fund says populations of all kinds of tigers have decreased by ninety-five percent over the past one hundred years. And three kinds of tigers have disappeared.

Famous American heart surgeon Michael DeBakey died last month. He was ninety-nine years old. He performed more than sixty thousand operations during his long career. As a medical student in nineteen thirty-one, he invented the roller pump. Years later doctors used it for blood transfusions during heart operations. The roller pump became a major part of the heart-lung machine. The machine pumps oxygen-rich blood to the brain and other organs so doctors can operate on the heart.

Michael DeBakey was a pioneer of open-heart surgery. The name means that doctors open the chest and perform surgery on the heart. Doctors may or may not open the heart as well.

Doctor DeBakey developed a way to replace or repair blood vessels with Dacron, a stretchy manmade material. He continued to improve on the process. Today the DeBakey artificial graft is used around the world. He was also a pioneer in artificial hearts, heart transplants and recording surgeries on film. During World War Two in the nineteen forties, he helped develop the Mobile Army Surgical Hospital, or MASH.

Michael DeBakey saved many lives during his long career as a heart surgeon. One life he helped save was his own. Two years ago he had a damaged aorta, which carries blood from the heart to the body. Surgeons repaired it with an operation he developed long ago.

Speaking of hearts, here is some information about that complex organ and how to keep it healthy. The heart has four parts. As the heart beats, it pumps blood through these chambers and the blood vessels in the body. The body is estimated to have at least ninety-six thousand kilometers of blood vessels. That is about the same as two and a half times around the Earth. But blood goes the distance in about twenty seconds on its way back to the heart. Each day the heart pumps about eight thousand liters of blood.

The blood feeds the brain and other organs with oxygen and nutrients. It also carries away carbon dioxide and other waste. The heart pumps by expanding and contracting of muscle. In a healthy adult, the heart beats an average of seventy-two times a minute — about one hundred thousand times a day.

Rates of heart disease started growing sharply in the second half of the twentieth century. As machines did more and more work, people did less and less. Not only did physical activity decrease, but people started eating more processed foods.

Experts say a diet low in fats and high in fruits, vegetables, proteins and whole grains may help reduce the risk of heart disease. At least thirty minutes a day of physical activity, enough to work up a sweat, can also help. A good night’s sleep is also important for good health.

Cardiovascular disease is caused by disorders of the heart and blood vessels. It includes heart attacks, strokes and high blood pressure. The World Health Organization says there are three major causes of cardiovascular disease: tobacco use, physical inactivity and an unhealthy diet. The W.H.O. says cardiovascular disease is the world’s leading cause of death.

This SCIENCE IN THE NEWS program was written by Jerilyn Watson, Caty Weaver and Brianna Blake, who also was our producer. I’m Shirley Griffith.

And I’m Bob Doughty. You can read and listen to our programs at voaspecialenglish.com. Join us next week for more news about science in VOA Special English.

Tradução Cientistas descobrem nova população de gorilas na República do Congo

Isto é CIÊNCIA NAS NOTÍCIAS no VOA Special English. Eu sou Bob Doughty. E eu sou Shirley Griffith.

Nesta semana, falamos sobre a descoberta de gorilas na República do Congo e a perda de tigres de Bengala no Nepal. Também falamos sobre um famoso cirurgião cardíaco e o que você precisa saber sobre seu coração.

Nas profundezas das florestas na parte norte da República do Congo, os cientistas fizeram uma descoberta surpreendente. Os pesquisadores descobriram mais de cento e vinte e cinco mil gorilas ocidentais em perigo crítico.

Nos anos oitenta, os cientistas estimaram que a população total de gorilas ocidentais na África Central era inferior a cem mil. Desde então, porém, os cientistas acreditavam que esse número havia sido reduzido em pelo menos metade. Eles achavam que os animais estavam sendo mortos por caçadores e doenças, especialmente o mortal vírus Ebola.

A nova contagem populacional foi o resultado de um trabalho intensivo da Wildlife Conservation Society, com sede na cidade de Nova York, e de cientistas da República do Congo. Eles procuraram florestas tropicais e pântanos, procurando ninhos de gorilas.

Os gorilas constroem camas, ou ninhos, para dormir todas as noites. Eles usam folhas e outras partes das árvores. Os pesquisadores usam o número de ninhos encontrados para ajudar a estimar a população local de gorilas. Eles descobriram que algumas florestas tinham densidades populacionais que estavam entre as mais altas já registradas. Os pesquisadores estudaram uma área de quarenta e sete mil quilômetros quadrados. Eles anunciaram os resultados de sua contagem populacional em uma reunião do Congresso Internacional da Sociedade Primatológica em Edimburgo, Escócia.

Os cientistas dizem que o maior número de gorilas é o resultado de esforços da República do Congo para cuidar de suas áreas protegidas. Os gorilas também se saíram bem porque vivem em áreas distantes das pessoas. E eles têm muito o que comer. O presidente da Sociedade de Conservação da Vida Selvagem, Steven Sanderson, disse que o sucesso dos gorilas é uma prova de que os seres humanos podem ajudar a proteger as espécies de animais em risco de desaparecer.

Os gorilas das planícies ocidentais são uma das quatro subespécies reconhecidas de gorilas. Outras subespécies incluem gorilas das montanhas, gorilas das planícies orientais e gorilas do Cross River. A União Internacional para Conservação da Natureza considera que todas as subespécies estão criticamente ameaçadas, exceto os gorilas das planícies orientais. Essa subespécie é considerada ameaçada de extinção.

Pesquisadores da reunião na Escócia alertaram sobre os perigos que continuam ameaçando os gorilas. Eles dizem que quase cinquenta por cento das espécies mundiais de primatas correm o risco de desaparecer, especialmente na Ásia. Isso ocorre porque as áreas em que vivem estão sendo destruídas. E muitos animais são caçados ilegalmente como alimento.

Essas foram algumas boas notícias sobre gorilas. Mas temos más notícias sobre tigres. Três anos atrás, entre vinte e cinquenta tigres de Bengala viviam na Reserva de Vida Selvagem de Suklaphanta, no Nepal. Mas este ano, os pesquisadores relataram evidências de apenas seis a catorze tigres. O governo nepalês anunciou a diminuição da população de tigres no mês passado. A reserva de vida selvagem mede cerca de trinta mil hectares. É a terceira maior área de estar do mundo para os grandes felinos.

Parques nacionais do Nepal e autoridades de conservação consideraram a situação muito grave. Eles disseram que a caça ilegal é a principal causa de desaparecimento de tigres nesta área protegida.

O World Wildlife Fund fez a maior parte do estudo sobre os tigres. As conclusões foram baseadas em fotos tiradas por armadilhas fotográficas de janeiro a abril. As armadilhas da câmera contêm dispositivos que tiram uma foto quando detectam movimento na floresta. Os pesquisadores usaram duas câmeras para tirar fotos dos tigres de ambos os lados. Mas as câmeras também fotografaram os caçadores que mataram os tigres e removeram seus restos mortais.

A Reserva de Vida Selvagem de Suklaphanta fica na fronteira com a Índia. Autoridades do Fundo Mundial para a Vida Selvagem dizem que isso facilita o transporte ilegal de animais silvestres protegidos. Muito pouco dos restos mortais dos tigres são encontrados porque todas as partes do animal são valiosas no comércio ilegal de animais silvestres.

Jon Miceler lidera o programa Eastern Himalayas do World Wildlife Fund. Miceler disse que, em maio, duas peles de tigre foram apreendidas na cidade fronteiriça nepalesa de Dhangadi. O mesmo fizeram trinta e dois quilos de ossos de tigre.

Miceler diz que a perda de tigres está ligada a um poderoso grupo criminoso internacional que controla o comércio ilegal de animais silvestres. Apenas cerca de dois a quatro mil tigres de Bengala sobrevivem na natureza.

A maioria vive em florestas no centro e sul da Índia, Butão e sopé do Himalaia na Índia e no Nepal. Os tigres de Bengala também vivem na China, Bangladesh e Birmânia. O Fundo Mundial para a Vida Selvagem diz que populações de todos os tipos de tigres diminuíram noventa e cinco por cento nos últimos cem anos. E três tipos de tigres desapareceram.

O famoso cirurgião cardíaco americano Michael DeBakey morreu no mês passado. Ele tinha noventa e nove anos. Ele realizou mais de sessenta mil operações durante sua longa carreira. Como estudante de medicina em mil novecentos e trinta e um, ele inventou a bomba de roletes. Anos depois, os médicos o usaram para transfusões de sangue durante operações cardíacas. A bomba de roletes tornou-se uma parte importante da máquina coração-pulmão. A máquina bombeia sangue rico em oxigênio para o cérebro e outros órgãos, para que os médicos possam operar no coração.

Michael DeBakey foi pioneiro na cirurgia de coração aberto. O nome significa que os médicos abrem o peito e realizam cirurgias no coração. Os médicos também podem ou não abrir o coração.

O Dr. DeBakey desenvolveu uma maneira de substituir ou reparar os vasos sanguíneos pelo Dacron, um material elástico feito pelo homem. Ele continuou a melhorar o processo. Hoje, o enxerto artificial DeBakey é usado em todo o mundo. Ele também foi pioneiro em corações artificiais, transplantes de coração e cirurgias de gravação em filme. Durante a Segunda Guerra Mundial, nos dezenove anos quarenta, ele ajudou a desenvolver o Hospital Cirúrgico do Exército Móvel, ou MASH.

Michael DeBakey salvou muitas vidas durante sua longa carreira como cirurgião cardíaco. Uma vida que ele ajudou a salvar era a dele. Há dois anos, ele tinha uma aorta danificada, que transporta sangue do coração para o corpo. Os cirurgiões o consertaram com uma operação que ele desenvolveu há muito tempo.

Falando de coração, aqui estão algumas informações sobre esse órgão complexo e como mantê-lo saudável. O coração tem quatro partes. À medida que o coração bate, ele bombeia sangue através dessas câmaras e dos vasos sanguíneos do corpo. Estima-se que o corpo tenha pelo menos noventa e seis mil quilômetros de vasos sanguíneos. Isso é quase o mesmo que duas vezes e meia ao redor da Terra. Mas o sangue percorre a distância em cerca de vinte segundos no caminho de volta ao coração. A cada dia o coração bombeia cerca de oito mil litros de sangue.

O sangue alimenta o cérebro e outros órgãos com oxigênio e nutrientes. Ele também leva dióxido de carbono e outros resíduos. O coração bombeia expandindo e contraindo os músculos. Em um adulto saudável, o coração bate em média setenta e duas vezes por minuto – cerca de cem mil vezes por dia.

As taxas de doenças cardíacas começaram a crescer acentuadamente na segunda metade do século XX. Como as máquinas trabalhavam cada vez mais, as pessoas faziam cada vez menos. Não apenas a atividade física diminuiu, mas as pessoas começaram a comer mais alimentos processados.

Especialistas dizem que uma dieta pobre em gorduras e rica em frutas, vegetais, proteínas e grãos integrais pode ajudar a reduzir o risco de doença cardíaca. Pelo menos trinta minutos por dia de atividade física, o suficiente para exercitar-se, também podem ajudar. Uma boa noite de sono também é importante para uma boa saúde.

A doença cardiovascular é causada por distúrbios do coração e vasos sanguíneos. Inclui ataques cardíacos, derrames e pressão alta. A Organização Mundial da Saúde diz que existem três principais causas de doenças cardiovasculares: uso de tabaco, inatividade física e uma dieta não saudável. A OMS diz que as doenças cardiovasculares são a principal causa de morte no mundo.

Este programa SCIENCE IN THE NEWS foi escrito por Jerilyn Watson, Caty Weaver e Brianna Blake, que também foi nossa produtora. Eu sou Shirley Griffith.

E eu sou Bob Doughty. Você pode ler e ouvir nossos programas em voaspecialenglish.com. Junte-se a nós na próxima semana para obter mais notícias sobre ciência no VOA Special English.