América e a luta por empregos – America and the Struggle for Jobs

Áudio América e a luta por empregos

Texto América e a luta por empregos

Welcome to THIS IS AMERICA in VOA Special English. I’m Faith Lapidus.

And I’m Doug Johnson. This week on our program, we look at the job situation in the United States. There was zero job growth last month. The national unemployment rate was the same as in July, 9.1 percent. That does not even include people who have stopped looking for work or part-time workers unable to get full-time jobs.

Coming up, we talk to Don Peck, author of a new book called “Pinched: How the Great Recession Has Narrowed Our Futures and What We Can Do About It.” And we hear from two people about what they had to do to find a job.

Americans face different economic issues. Which one worries them most? A Pew Research Center-Washington Post opinion poll asked a thousand people earlier this month. Forty-three percent said the job situation. About half as many said the federal budget deficit.

Smaller numbers said rising prices and the financial and housing markets were their biggest economic worries.

Three out of four people said additional spending on roads, bridges and other public works would improve the job situation at least a little. Many said the same about cutting business taxes, the federal budget and personal income taxes. But there was no clear agreement about which ideas would do a lot to help.

Last Thursday night, President Obama spoke to Congress to present his plan for job growth. His proposals include an extension of jobless benefits for workers who have been unemployed for extended periods. The plan also includes tax breaks for companies to hire more workers and money for projects to fix roads and schools.

The Labor Department counts about fourteen million workers as unemployed. Millions more are working part time as they try to find full-time employment.

The so-called Great Recession officially lasted from December of two thousand seven to June of two thousand nine. Unemployment was five percent at the start. It reached 10.1 percent in late two thousand nine. This year the jobless rate has been stuck around nine percent.

There are concerns that the United States — and the world — could face another recession. Some economists say a “double-dip” could be more painful for average Americans because the economy is weaker than it was before the first recession.

Don Peck is a writer and editor at the Atlantic magazine. In his new book, “Pinched,” he says economic conditions are limiting opportunities for millions of Americans. He says the generation of young Americans known as millennials — those now graduating from high school and college — are especially affected.

DON PECK: “The first few years on the job market are extremely important to setting the career track and life path of young people. When young people struggle — when whole generations struggle in their first few years in the job market — academic research shows that not only do they start out behind, they never catch up to where they otherwise would’ve been.”

Mr. Peck says early in the recession, millennials thought any period of unemployment would be short. There was even a name for this kind of thinking: “funemployment.”

DON PECK: “The idea that a few months perhaps of unemployment during the recession, could not only be easily overcome but could be kind of fun. You know, people were getting unemployment checks, they didn’t have many financial commitments.

“Many of them took that opportunity to reassess career, to take vacations, and I think in part millennials were just trying to make the best of a bad situation.”

But now, he says, young people are thinking differently.

DON PECK: “That idea that this period is something that can be easily enjoyed and that will not materially affect millennials in the rest of their careers is clearly waning within that generation. I think today you see among millennials much higher job tenure — they’re clinging to their jobs more tightly, they’ve expressed a desire for a single job, a single employer throughout their career rather than the ability to switch careers. So that notion of funemployment which many millennials began the recession with, I think, is long gone today.”

In today’s economy, says Mr. Peck, any work is better than no work.

DON PECK: “This is a time where young people need to be extremely aggressive and entrepreneurial and have humility. You know, say yes to whatever job offers one gets because it’s certainly better to be working than have the stigma of unemployment all together.”

Twenty-two year old Jessie Way finished college in less than four years and with honors. She graduated from George Mason University in Virginia with a degree in technical writing in January. After that, she spent three months helping her mother who got sick. Then she spent five months searching for a job.

Jessie was lucky. She recently landed a position as a legal assistant with a law firm.

JESSIE WAY: “The problem I found myself having was, it’s what everyone complains about — there’s jobs that want experience, but nobody wants to give you experience.”

A demand for experience is not a new problem for young people, of course. But Jessie Way thinks the situation today is more difficult than it was for graduates ten years ago.

JESSIE WAY: “Back then you could say, oh well, I’m just out of college, so I’m a lot cheaper than these people with experience. So companies could say, OK, we’ll hire some college graduates and we’ll have to train them a little but the price cut is worth it to them.

“Nowadays so many people are out of work and have been let go and all that stuff that they can offer that same salary to somebody who does have five years experience that they used to offer to somebody like me. And it’s gotten to the point now where college kids either can’t get a job or can’t get a job that’s actually going to pay the bills.”

Author Don Peck says one way for young job seekers to improve their chances is by moving.

DON PECK: “I would really encourage people, particularly if they’re living in highly depressed places, to consider taking a leap and moving to a more dynamic region. I think that will help them in the long run.”

A willingness to move helped Jessie Way find a job. Her new job is more than an hour from where she was living. But she did not have time to find an apartment, so she is sleeping on a friend’s couch until she can find a place of her own.

Thirty-nine-year-old Norm Elrod of Queens, New York, has been laid off from jobs four times in the past ten years. The last job he lost was with an online marketing agency. He left in two thousand eight. After that, he says, he set out to find a way to make himself a better job candidate. He used online resources to create a website and teach himself new skills in the process.

NORM ELROD: “That’s how my website came about. I built that and ran it and essentially trained myself, or re-trained myself, taught myself new skills that allowed me to get the job I have now.”

Norm Elrod created a blog called Jobless and Less: The Blog for the Employmentally Challenged.

NORM ELROD: “I wrote about the one thing I seemed to know, which was at that point being unemployed. [Laughs]”

Jessie found her job by answering an online job posting. But Norm says he had no success applying for jobs on the Internet.

NORM ELROD: “You send your resume out and it goes into a void and one person will get in touch with you for every one hundred to two hundred resumes you send out. And it’s not because you’re not qualified. It’s because they get so many, and oftentimes they’re looking for just a certain thing and there’s no way to know what that is.”

His advice to people looking for a job is to learn new skills and meet new people.

NORM ELROD: “It’s very easy to sit at home and send out your resume by clicking buttons on your computer at your dining room table and feel like maybe you’re being productive. But it’s much harder to actually get out there and meet the people who may know things or can point you towards things or make that face to face contact. I feel like that is where any job seeker is going to get more traction.”

His wife’s full-time job helped the couple pay their bills. They also used savings, payments from state unemployment insurance and money from projects he worked on while job hunting.

It was nearly three years until a contact he met through one of those projects led him to his current job. Norm Elrod works full time creating content for the website of a major media company.

The Great Recession was the worst downturn since the Great Depression in the nineteen thirties. Don Peck says the long-term unemployment that many workers have experienced can have lasting effects, and not just on them.

DON PECK: “When you have these long periods of unemployment, they can really leave pretty big scars on people, families and communities that are not lost even once the recession is over. When men, in particular, struggle economically, or when they don’t have jobs, women simply don’t marry them, but they do have children with them. And that creates often the sort of unstable family environment in which children really struggle.”

What would he do about the employment problems in the United States?

DON PECK: “One of the main messages of my book ‘Pinched’ is we can recover from this period faster with concerted public action.”

In the short term, he thinks the government should invest more in public works to create jobs in manufacturing and construction.

DON PECK: “But I think in the longer term we also need to really work to build new skills and create more pathways into the middle class for high school students who might not be going to college.

“That sense of possibility and that concrete sense of how one can move forward in life if one isn’t going to a four year college to some extent has been lost in the U.S. over the past twenty or thirty years. One of the things we need to do is rebuild that and give young people an understanding of the ways in which they can build skills and build real careers.”

Our program was written and produced by Brianna Blake. I’m Doug Johnson.

And I’m Faith Lapidus. You can read and listen to our programs and comment on them at voaspecialenglish.com. Join us again next week for THIS IS AMERICA in VOA Special English.

Tradução América e a luta por empregos

Bem-vindo a ISTO É AMÉRICA no VOA Special English. Eu sou Faith Lapidus.

E eu sou Doug Johnson. Nesta semana, em nosso programa, analisamos a situação dos empregos nos Estados Unidos. Não houve crescimento de empregos no mês passado. A taxa nacional de desemprego era a mesma de 9,1% em julho. Isso nem inclui pessoas que pararam de procurar emprego ou trabalhadores de meio período incapazes de conseguir empregos em período integral.

A seguir, conversamos com Don Peck, autor de um novo livro chamado “Comprimido: como a grande recessão reduziu nosso futuro e o que podemos fazer a respeito”. E ouvimos duas pessoas sobre o que elas tinham que fazer para encontrar um emprego.

Os americanos enfrentam diferentes questões econômicas. Qual deles os preocupa mais? Uma pesquisa de opinião do Pew Research Center-Washington Post perguntou a mil pessoas no início deste mês. Quarenta e três por cento disseram que a situação do trabalho. Cerca da metade disse o déficit orçamentário federal.

Números menores disseram que o aumento dos preços e os mercados financeiro e imobiliário são suas maiores preocupações econômicas.

Três em cada quatro pessoas disseram que gastos adicionais em estradas, pontes e outras obras públicas melhorariam a situação do emprego pelo menos um pouco. Muitos disseram o mesmo sobre o corte de impostos comerciais, o orçamento federal e o imposto de renda pessoal. Mas não havia um acordo claro sobre quais idéias fariam muito para ajudar.

Na noite de quinta-feira passada, o presidente Obama falou ao Congresso para apresentar seu plano de crescimento no emprego. Suas propostas incluem uma extensão de benefícios sem emprego para trabalhadores que estão desempregados por longos períodos. O plano também inclui incentivos fiscais para as empresas contratarem mais trabalhadores e dinheiro para projetos de conserto de estradas e escolas.

O Departamento do Trabalho conta cerca de quatorze milhões de trabalhadores como desempregados. Milhões a mais estão trabalhando meio período, enquanto tentam encontrar emprego em período integral.

A chamada Grande Recessão durou oficialmente de dezembro de dois mil sete a junho de dois mil nove. O desemprego era de cinco por cento no início. Atingiu 10,1% no final de dois mil e nove. Este ano, a taxa de desemprego ficou em torno de nove por cento.

Há preocupações de que os Estados Unidos – e o mundo – possam enfrentar outra recessão. Alguns economistas dizem que um “mergulho duplo” pode ser mais doloroso para os americanos comuns, porque a economia está mais fraca do que era antes da primeira recessão.

Don Peck é escritor e editor da revista Atlantic. Em seu novo livro, “Pinched”, ele diz que as condições econômicas estão limitando as oportunidades para milhões de americanos. Ele diz que a geração de jovens americanos conhecidos como millennials – que agora se formam no ensino médio e na faculdade – é especialmente afetada.

DON PECK: “Os primeiros anos no mercado de trabalho são extremamente importantes para definir o plano de carreira e a trajetória de vida dos jovens. Quando os jovens lutam – quando gerações inteiras lutam nos seus primeiros anos no mercado de trabalho – a pesquisa acadêmica mostra que eles não apenas começam para trás, como também nunca alcançam onde estariam. ”

Peck diz que, no início da recessão, os millennials pensavam que qualquer período de desemprego seria curto. Havia até um nome para esse tipo de pensamento: “trabalho em equipe”.

DON PECK: “A idéia de que alguns meses, talvez de desemprego durante a recessão, poderia não só ser facilmente superada, mas também divertida. As pessoas estavam recebendo cheques de desemprego, não tinham muitos compromissos financeiros.

“Muitos deles aproveitaram a oportunidade para reavaliar a carreira, tirar férias, e acho que em parte a geração do milênio estava apenas tentando tirar o melhor de uma situação ruim”.

Mas agora, ele diz, os jovens estão pensando de maneira diferente.

DON PECK: “A ideia de que esse período é algo que pode ser facilmente desfrutado e que não afetará materialmente a geração do milênio no restante de suas carreiras está claramente diminuindo nessa geração. Acho que hoje você vê entre os millennials um emprego muito mais alto – eles se apegam a seus empregos com mais força, expressaram o desejo de um único emprego, um único empregador ao longo de sua carreira, em vez da capacidade de mudar de carreira. Portanto, essa noção de desemprego com a qual muitos millennials iniciaram a recessão, penso, já se foi hoje.

Na economia de hoje, diz Peck, qualquer trabalho é melhor do que nenhum trabalho.

DON PECK: “Este é um momento em que os jovens precisam ser extremamente agressivos, empreendedores e ter humildade. Você sabe, diga sim a qualquer oferta de emprego, porque certamente é melhor trabalhar do que ter o estigma do desemprego todos juntos. ”

Jessie Way, de 22 anos, terminou a faculdade em menos de quatro anos e com honras. Ela se formou na Universidade George Mason, na Virgínia, em redação técnica em janeiro. Depois disso, ela passou três meses ajudando a mãe que ficou doente. Então ela passou cinco meses procurando emprego.

Jessie teve sorte. Recentemente, ela conseguiu uma posição como assistente jurídica de um escritório de advocacia.

JESSIE WAY: “O problema que eu tive foi o que todos reclamam – há empregos que querem experiência, mas ninguém quer lhe dar experiência”.

A demanda por experiência não é um problema novo para os jovens, é claro. Mas Jessie Way acha que a situação hoje é mais difícil do que era para os graduados há dez anos.

JESSIE WAY: “Naquela época, você poderia dizer, oh, bem, acabei de terminar a faculdade, então sou muito mais barato do que essas pessoas com experiência. Assim, as empresas podem dizer: OK, vamos contratar alguns graduados e nós terá que treiná-los um pouco, mas o corte de preço vale a pena para eles.

“Hoje em dia, muitas pessoas estão desempregadas e foram dispensadas e todas essas coisas que podem oferecer o mesmo salário a alguém que tem cinco anos de experiência que costumavam oferecer a alguém como eu. E chegou ao ponto agora onde os universitários não conseguem um emprego ou não conseguem um emprego que realmente pagará as contas “.

O autor Don Peck diz que uma maneira de os jovens candidatos a emprego melhorarem suas chances é se mudando.

DON PECK: “Eu realmente incentivaria as pessoas, especialmente se elas estão vivendo em lugares altamente deprimidos, a considerar dar um salto e mudar para uma região mais dinâmica. Eu acho que isso os ajudará a longo prazo. ”

A disposição de mudar ajudou Jessie Way a encontrar um emprego. Seu novo emprego é mais de uma hora de onde ela estava morando. Mas ela não teve tempo de encontrar um apartamento, então está dormindo no sofá de uma amiga até encontrar um lugar próprio.

Norm Elrod, de trinta e nove anos de idade, de Queens, Nova York, foi demitida do emprego quatro vezes nos últimos dez anos. O último emprego que perdeu foi em uma agência de marketing online. Ele saiu em dois mil e oito. Depois disso, ele diz, ele decidiu encontrar uma maneira de se tornar um candidato a emprego melhor. Ele usou recursos on-line para criar um site e aprender novas habilidades no processo.

NORM ELROD: “Foi assim que meu site surgiu. Eu construí isso e executei e essencialmente me treinei, ou me re-treinei, aprendi novas habilidades que me permitiram conseguir o emprego que tenho agora. ”

Norm Elrod criou um blog chamado Jobless and Less: O Blog para os Empregados com Deficiência.

NORM ELROD: “Escrevi sobre a única coisa que parecia saber, que naquele momento estava desempregada. [Risos] “

Jessie encontrou seu emprego respondendo a uma publicação de emprego on-line. Mas Norm diz que não teve sucesso em se candidatar a empregos na Internet.

NORM ELROD: “Você envia seu currículo e ele fica vazio e uma pessoa entra em contato com você a cada cem a duzentos currículos que você envia. E não é porque você não está qualificado. É porque eles recebem tantos e, muitas vezes, procuram apenas uma certa coisa e não há como saber o que é isso. ”

Seu conselho para quem procura emprego é aprender novas habilidades e conhecer novas pessoas.

NORM ELROD: “É muito fácil sentar em casa e enviar seu currículo clicando nos botões do computador na mesa da sala de jantar e sentindo que talvez você esteja sendo produtivo. Mas é muito mais difícil realmente chegar lá e conhecer pessoas que podem saber coisas ou que podem apontá-lo para coisas ou fazer esse contato cara a cara. Sinto que é aí que qualquer candidato a emprego terá mais tração. ”

O emprego de tempo integral da esposa ajudou o casal a pagar as contas. Eles também usaram poupança, pagamentos de seguro-desemprego do Estado e dinheiro de projetos nos quais ele trabalhou enquanto procurava emprego.

Levou quase três anos até que um contato que ele conheceu em um desses projetos o levou ao seu emprego atual. Norm Elrod trabalha em tempo integral na criação de conteúdo para o site de uma grande empresa de mídia.

A Grande Recessão foi a pior crise desde a Grande Depressão nos anos dezenove. Don Peck diz que o desemprego de longa duração que muitos trabalhadores experimentaram pode ter efeitos duradouros, e não apenas sobre eles.

DON PECK: “Quando você tem esses longos períodos de desemprego, eles podem realmente deixar grandes cicatrizes nas pessoas, famílias e comunidades que não se perdem nem mesmo depois que a recessão acaba. Quando os homens, em particular, lutam economicamente ou quando não não têm emprego, as mulheres simplesmente não se casam com elas, mas elas têm filhos. E isso geralmente cria o tipo de ambiente familiar instável em que as crianças realmente lutam. ”

O que ele faria com os problemas de emprego nos Estados Unidos?

DON PECK: “Uma das principais mensagens do meu livro ‘Pinched’ é que podemos nos recuperar desse período mais rapidamente com uma ação pública concertada.”

No curto prazo, ele acha que o governo deveria investir mais em obras públicas para criar empregos na fabricação e construção.

DON PECK: “Mas acho que, a longo prazo, também precisamos realmente trabalhar para desenvolver novas habilidades e criar mais caminhos na classe média para estudantes do ensino médio que talvez não estejam indo para a faculdade.

“Esse senso de possibilidade e esse senso concreto de como podemos avançar na vida se não formos para uma faculdade de quatro anos, até certo ponto, foram perdidos nos EUA nos últimos vinte ou trinta anos. Uma das coisas que precisamos fazer é reconstruir isso e dar aos jovens uma compreensão das maneiras pelas quais eles podem desenvolver habilidades e construir carreiras reais. ”

Nosso programa foi escrito e produzido por Brianna Blake. Eu sou Doug Johnson.

E eu sou Faith Lapidus. Você pode ler e ouvir nossos programas e comentá-los em voaspecialenglish.com. Junte-se a nós novamente na próxima semana para ESTA IS AMÉRICA no VOA Special English.